Artigo Anais ABRALIC Internacional

ANAIS de Evento

ISSN: 2317-157X

AS DUAS FACES DA MALANDRAGEM EM JOÃO ANTÔNIO

"2013-07-12 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 4596
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 735
    "inscrito_id" => 958
    "titulo" => "AS DUAS FACES DA MALANDRAGEM EM JOÃO ANTÔNIO"
    "resumo" => "O presente trabalho tem por objetivo comparar estruturalmente dois contos do escritor paulista João Antônio: “Malagueta, Perus e Bacanaço” (1963) e “Paulinho Perna Torta” (1965). A longa narrativa “Malagueta, Perus e Bacanaço” de João Antônio fecha o livro de contos homônimo publicado em 1963. O conto, que narra as virações de três malandros pelas ruas da cidade, é estruturado de forma toponímica já que os capítulos são intitulados de acordo com o espaço onde se desenrola a narrativa: Lapa, Água Branca, Barra Funda, Cidade, Pinheiros e, novamente, Lapa. O regresso dos malandros ao ponto de partida confere ao enredo uma circularidade espacial, que representa imageticamente uma temporalidade mítica, fechada em si mesma. Esse tempo circular é a expressão da eternidade, cuja ideia de permanência, ou não transformação, associa-se à imutável perfeição estática da divindade, avessa às transformações histórico-sociais.  Do enredo, infenso às transformações do tempo cronológico, emerge a figura do malandro, que, plasmada com a mesma matéria imutável e permanente do mito, aproxima-se da imagem culturalista fixada no imaginário popular, enquanto se afasta do seu dinamismo histórico-social.  A narrativa “Paulinho Perna Torta” se desenvolve a partir de uma estrutura cronológica de tempo, o que lhe permite uma representação distinta da figura do malandro, aproximando-a da sua realização histórica na medida em que a distancia da cultural. A transformação do protagonista  –  que começa a narrativa como um miserável engraxate, torna-se malandro e depois rei do crime – aponta para uma metamorfose social verificável na sociedade brasileira: a transformação da malandragem em marginalidade. A fundamentação teórica da análise parte da sequência crítica de textos inspirada no ensaio “A dialética da malandragem” de Antonio Candido: “Pressupostos, salvo engano, de ‘A dialética da malandragem’” de Roberto Schwarz; “O espírito rixoso: para uma reinterpretação das Memórias de um sargento de milícias” de Edu Teruki; e a “Dialética da marginalidade” de João Cezar de Castro Rocha."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_958_7ca66997777022a2207bd862550ed3dd.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "THIAGO MORAES FERNANDES CRUZ"
    "autor_nome_curto" => "THIAGO  CRUZ"
    "autor_email" => "tfernandescruz@gmail.com"
    "autor_ies" => "FFLCH-USP - MESTRANDO"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 4596
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 735
    "inscrito_id" => 958
    "titulo" => "AS DUAS FACES DA MALANDRAGEM EM JOÃO ANTÔNIO"
    "resumo" => "O presente trabalho tem por objetivo comparar estruturalmente dois contos do escritor paulista João Antônio: “Malagueta, Perus e Bacanaço” (1963) e “Paulinho Perna Torta” (1965). A longa narrativa “Malagueta, Perus e Bacanaço” de João Antônio fecha o livro de contos homônimo publicado em 1963. O conto, que narra as virações de três malandros pelas ruas da cidade, é estruturado de forma toponímica já que os capítulos são intitulados de acordo com o espaço onde se desenrola a narrativa: Lapa, Água Branca, Barra Funda, Cidade, Pinheiros e, novamente, Lapa. O regresso dos malandros ao ponto de partida confere ao enredo uma circularidade espacial, que representa imageticamente uma temporalidade mítica, fechada em si mesma. Esse tempo circular é a expressão da eternidade, cuja ideia de permanência, ou não transformação, associa-se à imutável perfeição estática da divindade, avessa às transformações histórico-sociais.  Do enredo, infenso às transformações do tempo cronológico, emerge a figura do malandro, que, plasmada com a mesma matéria imutável e permanente do mito, aproxima-se da imagem culturalista fixada no imaginário popular, enquanto se afasta do seu dinamismo histórico-social.  A narrativa “Paulinho Perna Torta” se desenvolve a partir de uma estrutura cronológica de tempo, o que lhe permite uma representação distinta da figura do malandro, aproximando-a da sua realização histórica na medida em que a distancia da cultural. A transformação do protagonista  –  que começa a narrativa como um miserável engraxate, torna-se malandro e depois rei do crime – aponta para uma metamorfose social verificável na sociedade brasileira: a transformação da malandragem em marginalidade. A fundamentação teórica da análise parte da sequência crítica de textos inspirada no ensaio “A dialética da malandragem” de Antonio Candido: “Pressupostos, salvo engano, de ‘A dialética da malandragem’” de Roberto Schwarz; “O espírito rixoso: para uma reinterpretação das Memórias de um sargento de milícias” de Edu Teruki; e a “Dialética da marginalidade” de João Cezar de Castro Rocha."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_958_7ca66997777022a2207bd862550ed3dd.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "THIAGO MORAES FERNANDES CRUZ"
    "autor_nome_curto" => "THIAGO  CRUZ"
    "autor_email" => "tfernandescruz@gmail.com"
    "autor_ies" => "FFLCH-USP - MESTRANDO"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 12 de julho de 2013

Resumo

O presente trabalho tem por objetivo comparar estruturalmente dois contos do escritor paulista João Antônio: “Malagueta, Perus e Bacanaço” (1963) e “Paulinho Perna Torta” (1965). A longa narrativa “Malagueta, Perus e Bacanaço” de João Antônio fecha o livro de contos homônimo publicado em 1963. O conto, que narra as virações de três malandros pelas ruas da cidade, é estruturado de forma toponímica já que os capítulos são intitulados de acordo com o espaço onde se desenrola a narrativa: Lapa, Água Branca, Barra Funda, Cidade, Pinheiros e, novamente, Lapa. O regresso dos malandros ao ponto de partida confere ao enredo uma circularidade espacial, que representa imageticamente uma temporalidade mítica, fechada em si mesma. Esse tempo circular é a expressão da eternidade, cuja ideia de permanência, ou não transformação, associa-se à imutável perfeição estática da divindade, avessa às transformações histórico-sociais. Do enredo, infenso às transformações do tempo cronológico, emerge a figura do malandro, que, plasmada com a mesma matéria imutável e permanente do mito, aproxima-se da imagem culturalista fixada no imaginário popular, enquanto se afasta do seu dinamismo histórico-social. A narrativa “Paulinho Perna Torta” se desenvolve a partir de uma estrutura cronológica de tempo, o que lhe permite uma representação distinta da figura do malandro, aproximando-a da sua realização histórica na medida em que a distancia da cultural. A transformação do protagonista – que começa a narrativa como um miserável engraxate, torna-se malandro e depois rei do crime – aponta para uma metamorfose social verificável na sociedade brasileira: a transformação da malandragem em marginalidade. A fundamentação teórica da análise parte da sequência crítica de textos inspirada no ensaio “A dialética da malandragem” de Antonio Candido: “Pressupostos, salvo engano, de ‘A dialética da malandragem’” de Roberto Schwarz; “O espírito rixoso: para uma reinterpretação das Memórias de um sargento de milícias” de Edu Teruki; e a “Dialética da marginalidade” de João Cezar de Castro Rocha.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.