Artigo Anais ABRALIC Internacional

ANAIS de Evento

ISSN: 2317-157X

TEUS RISONHOS LINDOS CAMPOS: FIGURAÇÕES DO ESPAÇO NO FILME TERRA ESTRANGEIRA

"2013-07-12 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1638
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 4555
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 162
    "inscrito_id" => 406
    "titulo" => "TEUS RISONHOS LINDOS CAMPOS: FIGURAÇÕES DO ESPAÇO NO FILME TERRA ESTRANGEIRA"
    "resumo" => "Teus risonhos lindos campos: figurações do espaço no filme Terra EstrangeiraRoniere Menezes – CEFET-MG\tEste ensaio pretende analisar o filme Terra estrangeira, de Walter Salles e Daniela Thomas, de 1995, buscando ressaltar ideias relativas às noções de terra, espaço e hospitalidade. Conceitos oriundos do campo geográfico, da filosofia contemporânea, dos estudos literários e cinematográficos contribuirão para a análise. O filme inicia-se apresentando, como pano de fundo, o Brasil do início dos anos 90 do século XX. Com a instauração do Plano Collor, desabam os sonhos de uma simples costureira paulistana de retornar à cidade natal, San Sebastian, na Espanha. Com a morte da costureira, Paco, seu filho, sem rumo, sem dinheiro, após falhar em um teste de teatro, onde, ironicamente, representaria trecho de Fausto, sente-se completamente impotente e termina entrando em uma complexa rede criminosa de tráfico de pedras para Portugal. O filme enfoca a emigração como fuga de um país que não oferece perspectivas aos jovens, revela o Brasil apenas como terra de onde se extraem riquezas e onde há um povo a ser constantemente usurpado e explorado, apesar da biopotência presente em seus corpos, pronta a surgir a qualquer momento, como já assinalara Euclides da Cunha em relação ao nordestino. No filme, em preto e branco, o enredo instigante, a linguagem bem elaborada, a competente trilha sonora aliam-se a temas relativos ao espaço público e privado, ao território local e estrangeiro, à tentativa de ultrapassar fronteiras espaciais, sociais e econômicas. Imagens da fuga, do acaso, da violência, do caos e da desilusão, mescladas a fortuitos lampejos libertários e afetuosos fazem de Terra estrangeira um marcante filme brasileiro contemporâneo. O texto apresenta-se como ótima instância para se pensar sobre o Brasil, sua terra, sua gente; sobre as noções de fronteira, desterritorialização e reterritorialização; sobre identidades que se constroem no jogo com a alteridade; sobre o questionamento do conceito habitual de hospitalidade; sobre o lugar incerto e desamparado – sem o apoio da “terra mãe” – ocupado por vasta parcela da juventude brasileira no final do século XX. Na época, muitos jovens do país partiam mundo afora, em busca de utopia, aventura e aconchego, encenando novas versões do cosmopolitismo."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_406_db787864dddbdb11749c84d242f62356.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "RONIERE SILVA MENEZES"
    "autor_nome_curto" => "RONIERE MENEZES"
    "autor_email" => "roniere.menezes@uol.com.b"
    "autor_ies" => "CEFET-MG"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 4555
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 162
    "inscrito_id" => 406
    "titulo" => "TEUS RISONHOS LINDOS CAMPOS: FIGURAÇÕES DO ESPAÇO NO FILME TERRA ESTRANGEIRA"
    "resumo" => "Teus risonhos lindos campos: figurações do espaço no filme Terra EstrangeiraRoniere Menezes – CEFET-MG\tEste ensaio pretende analisar o filme Terra estrangeira, de Walter Salles e Daniela Thomas, de 1995, buscando ressaltar ideias relativas às noções de terra, espaço e hospitalidade. Conceitos oriundos do campo geográfico, da filosofia contemporânea, dos estudos literários e cinematográficos contribuirão para a análise. O filme inicia-se apresentando, como pano de fundo, o Brasil do início dos anos 90 do século XX. Com a instauração do Plano Collor, desabam os sonhos de uma simples costureira paulistana de retornar à cidade natal, San Sebastian, na Espanha. Com a morte da costureira, Paco, seu filho, sem rumo, sem dinheiro, após falhar em um teste de teatro, onde, ironicamente, representaria trecho de Fausto, sente-se completamente impotente e termina entrando em uma complexa rede criminosa de tráfico de pedras para Portugal. O filme enfoca a emigração como fuga de um país que não oferece perspectivas aos jovens, revela o Brasil apenas como terra de onde se extraem riquezas e onde há um povo a ser constantemente usurpado e explorado, apesar da biopotência presente em seus corpos, pronta a surgir a qualquer momento, como já assinalara Euclides da Cunha em relação ao nordestino. No filme, em preto e branco, o enredo instigante, a linguagem bem elaborada, a competente trilha sonora aliam-se a temas relativos ao espaço público e privado, ao território local e estrangeiro, à tentativa de ultrapassar fronteiras espaciais, sociais e econômicas. Imagens da fuga, do acaso, da violência, do caos e da desilusão, mescladas a fortuitos lampejos libertários e afetuosos fazem de Terra estrangeira um marcante filme brasileiro contemporâneo. O texto apresenta-se como ótima instância para se pensar sobre o Brasil, sua terra, sua gente; sobre as noções de fronteira, desterritorialização e reterritorialização; sobre identidades que se constroem no jogo com a alteridade; sobre o questionamento do conceito habitual de hospitalidade; sobre o lugar incerto e desamparado – sem o apoio da “terra mãe” – ocupado por vasta parcela da juventude brasileira no final do século XX. Na época, muitos jovens do país partiam mundo afora, em busca de utopia, aventura e aconchego, encenando novas versões do cosmopolitismo."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_406_db787864dddbdb11749c84d242f62356.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "RONIERE SILVA MENEZES"
    "autor_nome_curto" => "RONIERE MENEZES"
    "autor_email" => "roniere.menezes@uol.com.b"
    "autor_ies" => "CEFET-MG"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 12 de julho de 2013

Resumo

Teus risonhos lindos campos: figurações do espaço no filme Terra EstrangeiraRoniere Menezes – CEFET-MG Este ensaio pretende analisar o filme Terra estrangeira, de Walter Salles e Daniela Thomas, de 1995, buscando ressaltar ideias relativas às noções de terra, espaço e hospitalidade. Conceitos oriundos do campo geográfico, da filosofia contemporânea, dos estudos literários e cinematográficos contribuirão para a análise. O filme inicia-se apresentando, como pano de fundo, o Brasil do início dos anos 90 do século XX. Com a instauração do Plano Collor, desabam os sonhos de uma simples costureira paulistana de retornar à cidade natal, San Sebastian, na Espanha. Com a morte da costureira, Paco, seu filho, sem rumo, sem dinheiro, após falhar em um teste de teatro, onde, ironicamente, representaria trecho de Fausto, sente-se completamente impotente e termina entrando em uma complexa rede criminosa de tráfico de pedras para Portugal. O filme enfoca a emigração como fuga de um país que não oferece perspectivas aos jovens, revela o Brasil apenas como terra de onde se extraem riquezas e onde há um povo a ser constantemente usurpado e explorado, apesar da biopotência presente em seus corpos, pronta a surgir a qualquer momento, como já assinalara Euclides da Cunha em relação ao nordestino. No filme, em preto e branco, o enredo instigante, a linguagem bem elaborada, a competente trilha sonora aliam-se a temas relativos ao espaço público e privado, ao território local e estrangeiro, à tentativa de ultrapassar fronteiras espaciais, sociais e econômicas. Imagens da fuga, do acaso, da violência, do caos e da desilusão, mescladas a fortuitos lampejos libertários e afetuosos fazem de Terra estrangeira um marcante filme brasileiro contemporâneo. O texto apresenta-se como ótima instância para se pensar sobre o Brasil, sua terra, sua gente; sobre as noções de fronteira, desterritorialização e reterritorialização; sobre identidades que se constroem no jogo com a alteridade; sobre o questionamento do conceito habitual de hospitalidade; sobre o lugar incerto e desamparado – sem o apoio da “terra mãe” – ocupado por vasta parcela da juventude brasileira no final do século XX. Na época, muitos jovens do país partiam mundo afora, em busca de utopia, aventura e aconchego, encenando novas versões do cosmopolitismo.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.