Artigo Anais ABRALIC Internacional

ANAIS de Evento

ISSN: 2317-157X

CONSIDERAÇÕES SOBRE A DIMENSÃO ÉTICA DA VOZ AUTORAL NOS ÚLTIMOS TEXTOS DE MARGUERITE DURAS

"2013-07-12 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 4513
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 818
    "inscrito_id" => 939
    "titulo" => "CONSIDERAÇÕES SOBRE A DIMENSÃO ÉTICA DA VOZ AUTORAL NOS ÚLTIMOS TEXTOS DE MARGUERITE DURAS"
    "resumo" => "O discurso reconhecido como autobiográfico na obra de Marguerite Duras (1914-1996) decorre de que suas narrativas, geralmente em primeira pessoa, permitem, em diferentes representações do “eu”, que a identificação da narradora/personagem seja assimilável ao sujeito empírico. Os frequentes elementos lidos como biográficos, presentes nos seus textos, entre memórias e confissões íntimas, são facilmente reconhecidos pelos leitores familiarizados com a escrita de Marguerite Duras, tanto pela recorrência em suas diferentes publicações, quanto por informações de cunho extraliterário. O objetivo deste trabalho é propor algumas considerações sobre a dimensão ética que se manifesta na voz autoral dos últimos livros de Marguerite Duras publicados ainda em vida: La Pluie d’été (1990), L’Amant de la Chine du Nord (1991), Yann Andréa Steiner (1992), Écrire (1993), Le Monde Extérieur (1993) e C’est tout (1995). Nestes textos, as narrativas sobre si mesma evidenciam a encenação da própria escrita, produzidas quando é latente a proximidade da sua morte em virtude da idade avançada e do agravamento de doenças. A dimensão ética da voz autoral, por sua vez, é abordada pelo desejo de transparência da linguagem manifesto na “escrita sobre o processo de escrita”, voltando-se para um almejado grau zero (BARTHES, 2004; 2012; BLANCHOT, 2005; SISCAR, 2010). Dessa maneira, a escrita de Marguerite Duras permite uma abordagem em que sejam contrapostos os conceitos de autorepresentação (PATERSON, 1982; FOUCAULT, 2001) e de autoficção (OUELLETTE-MICHALSKA, 2007; VILAIN, 2009). Assim, ao ocuparem-se da própria ação de escrever, as narrativas de Duras vislumbrariam, na reflexão sobre a própria linguagem, possibilidades de expressarem sua transparência, portanto sua sinceridade, pela linguagem."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_939_6ccd36e40aad07601961bc767b47dbc5.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "PABLO LEMOS BERNED"
    "autor_nome_curto" => "PABLO BERNED"
    "autor_email" => "pabloberned@yahoo.com.br"
    "autor_ies" => "UFF - UFFS"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 4513
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 818
    "inscrito_id" => 939
    "titulo" => "CONSIDERAÇÕES SOBRE A DIMENSÃO ÉTICA DA VOZ AUTORAL NOS ÚLTIMOS TEXTOS DE MARGUERITE DURAS"
    "resumo" => "O discurso reconhecido como autobiográfico na obra de Marguerite Duras (1914-1996) decorre de que suas narrativas, geralmente em primeira pessoa, permitem, em diferentes representações do “eu”, que a identificação da narradora/personagem seja assimilável ao sujeito empírico. Os frequentes elementos lidos como biográficos, presentes nos seus textos, entre memórias e confissões íntimas, são facilmente reconhecidos pelos leitores familiarizados com a escrita de Marguerite Duras, tanto pela recorrência em suas diferentes publicações, quanto por informações de cunho extraliterário. O objetivo deste trabalho é propor algumas considerações sobre a dimensão ética que se manifesta na voz autoral dos últimos livros de Marguerite Duras publicados ainda em vida: La Pluie d’été (1990), L’Amant de la Chine du Nord (1991), Yann Andréa Steiner (1992), Écrire (1993), Le Monde Extérieur (1993) e C’est tout (1995). Nestes textos, as narrativas sobre si mesma evidenciam a encenação da própria escrita, produzidas quando é latente a proximidade da sua morte em virtude da idade avançada e do agravamento de doenças. A dimensão ética da voz autoral, por sua vez, é abordada pelo desejo de transparência da linguagem manifesto na “escrita sobre o processo de escrita”, voltando-se para um almejado grau zero (BARTHES, 2004; 2012; BLANCHOT, 2005; SISCAR, 2010). Dessa maneira, a escrita de Marguerite Duras permite uma abordagem em que sejam contrapostos os conceitos de autorepresentação (PATERSON, 1982; FOUCAULT, 2001) e de autoficção (OUELLETTE-MICHALSKA, 2007; VILAIN, 2009). Assim, ao ocuparem-se da própria ação de escrever, as narrativas de Duras vislumbrariam, na reflexão sobre a própria linguagem, possibilidades de expressarem sua transparência, portanto sua sinceridade, pela linguagem."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_939_6ccd36e40aad07601961bc767b47dbc5.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "PABLO LEMOS BERNED"
    "autor_nome_curto" => "PABLO BERNED"
    "autor_email" => "pabloberned@yahoo.com.br"
    "autor_ies" => "UFF - UFFS"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 12 de julho de 2013

Resumo

O discurso reconhecido como autobiográfico na obra de Marguerite Duras (1914-1996) decorre de que suas narrativas, geralmente em primeira pessoa, permitem, em diferentes representações do “eu”, que a identificação da narradora/personagem seja assimilável ao sujeito empírico. Os frequentes elementos lidos como biográficos, presentes nos seus textos, entre memórias e confissões íntimas, são facilmente reconhecidos pelos leitores familiarizados com a escrita de Marguerite Duras, tanto pela recorrência em suas diferentes publicações, quanto por informações de cunho extraliterário. O objetivo deste trabalho é propor algumas considerações sobre a dimensão ética que se manifesta na voz autoral dos últimos livros de Marguerite Duras publicados ainda em vida: La Pluie d’été (1990), L’Amant de la Chine du Nord (1991), Yann Andréa Steiner (1992), Écrire (1993), Le Monde Extérieur (1993) e C’est tout (1995). Nestes textos, as narrativas sobre si mesma evidenciam a encenação da própria escrita, produzidas quando é latente a proximidade da sua morte em virtude da idade avançada e do agravamento de doenças. A dimensão ética da voz autoral, por sua vez, é abordada pelo desejo de transparência da linguagem manifesto na “escrita sobre o processo de escrita”, voltando-se para um almejado grau zero (BARTHES, 2004; 2012; BLANCHOT, 2005; SISCAR, 2010). Dessa maneira, a escrita de Marguerite Duras permite uma abordagem em que sejam contrapostos os conceitos de autorepresentação (PATERSON, 1982; FOUCAULT, 2001) e de autoficção (OUELLETTE-MICHALSKA, 2007; VILAIN, 2009). Assim, ao ocuparem-se da própria ação de escrever, as narrativas de Duras vislumbrariam, na reflexão sobre a própria linguagem, possibilidades de expressarem sua transparência, portanto sua sinceridade, pela linguagem.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.