Artigo Anais ABRALIC Internacional

ANAIS de Evento

ISSN: 2317-157X

LUGAR E IDENTIDADE NOS POEMAS QUENTURA E RORAIMA DE ELIAKIN RUFINO

"2013-07-12 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 4215
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 918
    "inscrito_id" => 1275
    "titulo" => "LUGAR E IDENTIDADE NOS POEMAS QUENTURA E RORAIMA DE ELIAKIN RUFINO"
    "resumo" => "Na contemporaneidade, os estudos amazônicos se voltam para a reflexão sobre sua rica diversidade social. Neste caminho, percebe-se que os estudos sobre as variadas formas como esta sociedade complexa se vê, se conta e se expressa buscam discutir as múltiplas relações e as múltiplas identidades de suas gentes. Por outro lado, esta visão esbarra em uma outra, ainda muito difundida no senso comum, segundo a qual a Amazônia é vista como um todo homogêneo, que nubla as sensíveis diferenças existentes entre os grupos sociais, culturais e étnicos em cada um dos cantos desta imensidão territorial. Historicamente, esta visão da Amazônia foi cunhada a partir de elementos que vão desde o El Dorado mítico de Carvajal até o Inferno Verde dos anos 1960/70, envelopadas hoje em dia pelo epíteto de pulmão do mundo, de celeiro da biodiversidade, que originaram uma noção de região e de regional totalizante e totalizadora. O objetivo deste trabalho é lançar um foco sobre esta discussão, por meio do cotejo de dois poemas do roraimense Eliakin Rufino: Quentura e Roraima, publicados na coletânea Cavalo Selvagem (2011). Em ambos, o autor se volta para cantar e contar o seu lugar de referência, individualizando-o e identificando-o, inclusive em relação à Amazônia. Parte-se da discussão proposta pela Geografia Cultural, mais especificamente da noção de topofilia, para demonstrar a presença e a força poética que o lugar Roraima tem nestas obras. Desta forma, busca-se evidenciar que estas obras, a exemplo de outras suas contemporâneas, também carregam em si uma força programática, cujo caráter politico e cultural remete ao questionamento não só da visão totalizante e totalizadora acima apresentada, mas também ao questionamento da própria noção de região e de regional."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_1275_fe7592b1ce5e3e29af4a3c6808a76863.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => null
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "CARLA MONTEIRO DE SOUZA"
    "autor_nome_curto" => "CARLA MONTEIRO"
    "autor_email" => "carlamont59@uol.com.br"
    "autor_ies" => "UFRR"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 4215
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 918
    "inscrito_id" => 1275
    "titulo" => "LUGAR E IDENTIDADE NOS POEMAS QUENTURA E RORAIMA DE ELIAKIN RUFINO"
    "resumo" => "Na contemporaneidade, os estudos amazônicos se voltam para a reflexão sobre sua rica diversidade social. Neste caminho, percebe-se que os estudos sobre as variadas formas como esta sociedade complexa se vê, se conta e se expressa buscam discutir as múltiplas relações e as múltiplas identidades de suas gentes. Por outro lado, esta visão esbarra em uma outra, ainda muito difundida no senso comum, segundo a qual a Amazônia é vista como um todo homogêneo, que nubla as sensíveis diferenças existentes entre os grupos sociais, culturais e étnicos em cada um dos cantos desta imensidão territorial. Historicamente, esta visão da Amazônia foi cunhada a partir de elementos que vão desde o El Dorado mítico de Carvajal até o Inferno Verde dos anos 1960/70, envelopadas hoje em dia pelo epíteto de pulmão do mundo, de celeiro da biodiversidade, que originaram uma noção de região e de regional totalizante e totalizadora. O objetivo deste trabalho é lançar um foco sobre esta discussão, por meio do cotejo de dois poemas do roraimense Eliakin Rufino: Quentura e Roraima, publicados na coletânea Cavalo Selvagem (2011). Em ambos, o autor se volta para cantar e contar o seu lugar de referência, individualizando-o e identificando-o, inclusive em relação à Amazônia. Parte-se da discussão proposta pela Geografia Cultural, mais especificamente da noção de topofilia, para demonstrar a presença e a força poética que o lugar Roraima tem nestas obras. Desta forma, busca-se evidenciar que estas obras, a exemplo de outras suas contemporâneas, também carregam em si uma força programática, cujo caráter politico e cultural remete ao questionamento não só da visão totalizante e totalizadora acima apresentada, mas também ao questionamento da própria noção de região e de regional."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_1275_fe7592b1ce5e3e29af4a3c6808a76863.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => null
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "CARLA MONTEIRO DE SOUZA"
    "autor_nome_curto" => "CARLA MONTEIRO"
    "autor_email" => "carlamont59@uol.com.br"
    "autor_ies" => "UFRR"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 12 de julho de 2013

Resumo

Na contemporaneidade, os estudos amazônicos se voltam para a reflexão sobre sua rica diversidade social. Neste caminho, percebe-se que os estudos sobre as variadas formas como esta sociedade complexa se vê, se conta e se expressa buscam discutir as múltiplas relações e as múltiplas identidades de suas gentes. Por outro lado, esta visão esbarra em uma outra, ainda muito difundida no senso comum, segundo a qual a Amazônia é vista como um todo homogêneo, que nubla as sensíveis diferenças existentes entre os grupos sociais, culturais e étnicos em cada um dos cantos desta imensidão territorial. Historicamente, esta visão da Amazônia foi cunhada a partir de elementos que vão desde o El Dorado mítico de Carvajal até o Inferno Verde dos anos 1960/70, envelopadas hoje em dia pelo epíteto de pulmão do mundo, de celeiro da biodiversidade, que originaram uma noção de região e de regional totalizante e totalizadora. O objetivo deste trabalho é lançar um foco sobre esta discussão, por meio do cotejo de dois poemas do roraimense Eliakin Rufino: Quentura e Roraima, publicados na coletânea Cavalo Selvagem (2011). Em ambos, o autor se volta para cantar e contar o seu lugar de referência, individualizando-o e identificando-o, inclusive em relação à Amazônia. Parte-se da discussão proposta pela Geografia Cultural, mais especificamente da noção de topofilia, para demonstrar a presença e a força poética que o lugar Roraima tem nestas obras. Desta forma, busca-se evidenciar que estas obras, a exemplo de outras suas contemporâneas, também carregam em si uma força programática, cujo caráter politico e cultural remete ao questionamento não só da visão totalizante e totalizadora acima apresentada, mas também ao questionamento da própria noção de região e de regional.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.