Artigo Anais ABRALIC Internacional

ANAIS de Evento

ISSN: 2317-157X

“VERDADES” QUE DÃO MEDO: UM ESTUDO DOS FALSOS DOCUMENTÁRIOS NO CINEMA DE HORROR CONTEMPORÂNEO

"2013-07-12 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 4232
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 334
    "inscrito_id" => 714
    "titulo" => "“VERDADES” QUE DÃO MEDO: UM ESTUDO DOS FALSOS DOCUMENTÁRIOS NO CINEMA DE HORROR CONTEMPORÂNEO"
    "resumo" => "O presente trabalho propõe analisar a construção das narrativas de terror e do sobrenatural no cinema dentro de um gênero de filmes que vêm se estabelecendo muito fortemente nas últimas décadas: o falso documentário, também conhecido como faux documentary, mockumentary ou pseudo-documentário (cf. Roscoe e Hight, 2001). Percebe-se já no horror vitoriano de Drácula a preocupação de dar a uma história assombrosa a credibilidade necessária para que ela seja aceita como minimamente possível. O romance de Bram Stoker é todo construído através de recortes de jornal, telegramas, cartas e diários de pessoas, o que reforça o caráter concreto dos fatos, independentemente da estranheza que eles causam e das forças malignas e sobrenaturais relacionadas a eles. O que se percebe no cinema, especialmente ao longo das últimas duas décadas, é uma forte tendência nos filmes de horror a trazerem em sua base aquilo que Aufdenheide (2007) chama de “reivindicação da veracidade”: A Bruxa de Blair (1999) nos é apresentado como material filmado supostamente real perdido em uma floresta; a franquia Atividade Paranormal (2007-2012) é totalmente baseada em vídeos supostamente de família ou de câmeras de segurança; o espanhol [REC] (2007) se pretende uma reportagem em tempo real, e mesmo George A. Romero, expoente maior do cinema zumbi, adotou a fórmula do falso documentário em Diário dos Mortos (2007). Este trabalho pretende olhar, a partir de uma perspectiva diacrônica, para a manipulação dos fatos e a forma como as ditas verdades são construídas e utilizadas nesses filmes a fim de aumentar a proximidade entre espectador e monstruosidade, mostrando que a separação entre "nós" e "eles" é extremamente tênue. Além dos estudos específicos sobre o falso documentário de Roscoe e Hight, servirá como base desta análise uma parte dos estudos de Jermyn e Holmes (2004) e Andrejevic (2003) sobre reality shows, além de teóricos que problematizam questões específicas da pós-modernidade, como Aufdenheide (reivindicação da veracidade), Jean Baudrillard (simulacros e simulação) e Zygmunt Bauman (medo líquido)."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_714_34dae221541cf392fad76ab8b8ec4af7.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "CLAUDIO VESCIA ZANINI"
    "autor_nome_curto" => "CLAUDIO ZANINI"
    "autor_email" => "haunted32@yahoo.com.br"
    "autor_ies" => "UFRGS"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 4232
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 334
    "inscrito_id" => 714
    "titulo" => "“VERDADES” QUE DÃO MEDO: UM ESTUDO DOS FALSOS DOCUMENTÁRIOS NO CINEMA DE HORROR CONTEMPORÂNEO"
    "resumo" => "O presente trabalho propõe analisar a construção das narrativas de terror e do sobrenatural no cinema dentro de um gênero de filmes que vêm se estabelecendo muito fortemente nas últimas décadas: o falso documentário, também conhecido como faux documentary, mockumentary ou pseudo-documentário (cf. Roscoe e Hight, 2001). Percebe-se já no horror vitoriano de Drácula a preocupação de dar a uma história assombrosa a credibilidade necessária para que ela seja aceita como minimamente possível. O romance de Bram Stoker é todo construído através de recortes de jornal, telegramas, cartas e diários de pessoas, o que reforça o caráter concreto dos fatos, independentemente da estranheza que eles causam e das forças malignas e sobrenaturais relacionadas a eles. O que se percebe no cinema, especialmente ao longo das últimas duas décadas, é uma forte tendência nos filmes de horror a trazerem em sua base aquilo que Aufdenheide (2007) chama de “reivindicação da veracidade”: A Bruxa de Blair (1999) nos é apresentado como material filmado supostamente real perdido em uma floresta; a franquia Atividade Paranormal (2007-2012) é totalmente baseada em vídeos supostamente de família ou de câmeras de segurança; o espanhol [REC] (2007) se pretende uma reportagem em tempo real, e mesmo George A. Romero, expoente maior do cinema zumbi, adotou a fórmula do falso documentário em Diário dos Mortos (2007). Este trabalho pretende olhar, a partir de uma perspectiva diacrônica, para a manipulação dos fatos e a forma como as ditas verdades são construídas e utilizadas nesses filmes a fim de aumentar a proximidade entre espectador e monstruosidade, mostrando que a separação entre "nós" e "eles" é extremamente tênue. Além dos estudos específicos sobre o falso documentário de Roscoe e Hight, servirá como base desta análise uma parte dos estudos de Jermyn e Holmes (2004) e Andrejevic (2003) sobre reality shows, além de teóricos que problematizam questões específicas da pós-modernidade, como Aufdenheide (reivindicação da veracidade), Jean Baudrillard (simulacros e simulação) e Zygmunt Bauman (medo líquido)."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_714_34dae221541cf392fad76ab8b8ec4af7.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "CLAUDIO VESCIA ZANINI"
    "autor_nome_curto" => "CLAUDIO ZANINI"
    "autor_email" => "haunted32@yahoo.com.br"
    "autor_ies" => "UFRGS"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 12 de julho de 2013

Resumo

O presente trabalho propõe analisar a construção das narrativas de terror e do sobrenatural no cinema dentro de um gênero de filmes que vêm se estabelecendo muito fortemente nas últimas décadas: o falso documentário, também conhecido como faux documentary, mockumentary ou pseudo-documentário (cf. Roscoe e Hight, 2001). Percebe-se já no horror vitoriano de Drácula a preocupação de dar a uma história assombrosa a credibilidade necessária para que ela seja aceita como minimamente possível. O romance de Bram Stoker é todo construído através de recortes de jornal, telegramas, cartas e diários de pessoas, o que reforça o caráter concreto dos fatos, independentemente da estranheza que eles causam e das forças malignas e sobrenaturais relacionadas a eles. O que se percebe no cinema, especialmente ao longo das últimas duas décadas, é uma forte tendência nos filmes de horror a trazerem em sua base aquilo que Aufdenheide (2007) chama de “reivindicação da veracidade”: A Bruxa de Blair (1999) nos é apresentado como material filmado supostamente real perdido em uma floresta; a franquia Atividade Paranormal (2007-2012) é totalmente baseada em vídeos supostamente de família ou de câmeras de segurança; o espanhol [REC] (2007) se pretende uma reportagem em tempo real, e mesmo George A. Romero, expoente maior do cinema zumbi, adotou a fórmula do falso documentário em Diário dos Mortos (2007). Este trabalho pretende olhar, a partir de uma perspectiva diacrônica, para a manipulação dos fatos e a forma como as ditas verdades são construídas e utilizadas nesses filmes a fim de aumentar a proximidade entre espectador e monstruosidade, mostrando que a separação entre "nós" e "eles" é extremamente tênue. Além dos estudos específicos sobre o falso documentário de Roscoe e Hight, servirá como base desta análise uma parte dos estudos de Jermyn e Holmes (2004) e Andrejevic (2003) sobre reality shows, além de teóricos que problematizam questões específicas da pós-modernidade, como Aufdenheide (reivindicação da veracidade), Jean Baudrillard (simulacros e simulação) e Zygmunt Bauman (medo líquido).

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.