Artigo Anais ABRALIC Internacional

ANAIS de Evento

ISSN: 2317-157X

“MATAMOROS (DA FANTASIA)”: O AMOR, A SOLIDÃO E A CRISE NARRATIVA DO SÉCULO XX NA NARRATIVA HILSTIANA

"2013-07-12 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 4465
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 1086
    "inscrito_id" => 1349
    "titulo" => "“MATAMOROS (DA FANTASIA)”: O AMOR, A SOLIDÃO E A CRISE NARRATIVA DO SÉCULO XX NA NARRATIVA HILSTIANA"
    "resumo" => "O presente trabalho pretende explicitar características da novela “Matamoros (da fantasia)”, presente no livro Tu não te moves de ti (1982), de Hilda Hilst, que nos permitam observar como se constituem o amor e a solidão na narrativa supracitada. Para tanto, utilizaremos como principal aporte teórico, O amor a solidão (1992) de André Comte-Sponville, uma vez que entenderemos a solidão não somente como sinônimo do isolamento, mas também como parte indissociável de toda existência humana, embora o indivíduo conviva em sociedade. Ainda sob a luz de Comte-Sponville, partiremos da premissa de que o amor e a solidão não são opostos, visto que eles apresentam propriedades em comum e estão intimamente entrelaçados. Encontraremos, a partir do século XX, uma falta de ação na narrativa e a predominância dos movimentos internos, ou seja, dos movimentos que se manifestam por meio da reflexão, na consciência dos personagens. Levando isso em consideração, investigaremos também, tendo como aportes teóricos Notas de literatura I (2003), de Theodor Adorno, e Mimesis (1946) de Erich Auerbach, como o amor e a solidão estão relacionados com a crise narrativa do século XX."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_1349_f4d4e7e1f0aee31025f440e4f4f3932e.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "MARIA LUÍZA ASSUNÇÃO CHACON"
    "autor_nome_curto" => "LUÍZA CHACON"
    "autor_email" => "mluizachacon@gmail.com"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 4465
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 1086
    "inscrito_id" => 1349
    "titulo" => "“MATAMOROS (DA FANTASIA)”: O AMOR, A SOLIDÃO E A CRISE NARRATIVA DO SÉCULO XX NA NARRATIVA HILSTIANA"
    "resumo" => "O presente trabalho pretende explicitar características da novela “Matamoros (da fantasia)”, presente no livro Tu não te moves de ti (1982), de Hilda Hilst, que nos permitam observar como se constituem o amor e a solidão na narrativa supracitada. Para tanto, utilizaremos como principal aporte teórico, O amor a solidão (1992) de André Comte-Sponville, uma vez que entenderemos a solidão não somente como sinônimo do isolamento, mas também como parte indissociável de toda existência humana, embora o indivíduo conviva em sociedade. Ainda sob a luz de Comte-Sponville, partiremos da premissa de que o amor e a solidão não são opostos, visto que eles apresentam propriedades em comum e estão intimamente entrelaçados. Encontraremos, a partir do século XX, uma falta de ação na narrativa e a predominância dos movimentos internos, ou seja, dos movimentos que se manifestam por meio da reflexão, na consciência dos personagens. Levando isso em consideração, investigaremos também, tendo como aportes teóricos Notas de literatura I (2003), de Theodor Adorno, e Mimesis (1946) de Erich Auerbach, como o amor e a solidão estão relacionados com a crise narrativa do século XX."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_1349_f4d4e7e1f0aee31025f440e4f4f3932e.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "MARIA LUÍZA ASSUNÇÃO CHACON"
    "autor_nome_curto" => "LUÍZA CHACON"
    "autor_email" => "mluizachacon@gmail.com"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 12 de julho de 2013

Resumo

O presente trabalho pretende explicitar características da novela “Matamoros (da fantasia)”, presente no livro Tu não te moves de ti (1982), de Hilda Hilst, que nos permitam observar como se constituem o amor e a solidão na narrativa supracitada. Para tanto, utilizaremos como principal aporte teórico, O amor a solidão (1992) de André Comte-Sponville, uma vez que entenderemos a solidão não somente como sinônimo do isolamento, mas também como parte indissociável de toda existência humana, embora o indivíduo conviva em sociedade. Ainda sob a luz de Comte-Sponville, partiremos da premissa de que o amor e a solidão não são opostos, visto que eles apresentam propriedades em comum e estão intimamente entrelaçados. Encontraremos, a partir do século XX, uma falta de ação na narrativa e a predominância dos movimentos internos, ou seja, dos movimentos que se manifestam por meio da reflexão, na consciência dos personagens. Levando isso em consideração, investigaremos também, tendo como aportes teóricos Notas de literatura I (2003), de Theodor Adorno, e Mimesis (1946) de Erich Auerbach, como o amor e a solidão estão relacionados com a crise narrativa do século XX.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.