Artigo Anais ABRALIC Internacional

ANAIS de Evento

ISSN: 2317-157X

ROCHA POMBO: UMA LEITURA DA AMÉRICA NA VIRADA DO SÉCULO XX

"2013-07-12 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 4502
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 233
    "inscrito_id" => 533
    "titulo" => "ROCHA POMBO: UMA LEITURA DA AMÉRICA NA VIRADA DO SÉCULO XX"
    "resumo" => "O nome de Rocha Pombo desponta na cultura paranaense como o referencial da geração que veio a constituir o primeiro grande marco literário no espaço regional e que foi responsável pela disseminação da estética simbolista em outras plagas, contrariando a onda hegemônica nacional do Parnasianismo. Na historiografia literária distinguiu-se com o romance No hospício (1905), classificado por vários críticos como um exemplo isolado da realização do Simbolismo na prosa brasileira. O romance revelaria, contudo, uma condição biográfica de insulamento experimentada por seu próprio autor no exílio auto-imposto no Rio de Janeiro, após um período de intensas frustrações enquanto jornalista e deputado na terra natal. Mas foi no domínio da historiografia que o intelectual, nascido em Morretes, filho de um professor da província, tendo ele mesmo iniciado sua vida profissional no magistério, tornou-se conhecido e vem merecendo pesquisas no Brasil. Motivado em grande parte pela questão educativa, de que é prova a concepção do primeiro projeto para a Universidade do Paraná, em 1892, ou a participação no projeto pioneiro da Universidade do Povo, em 1900, já no Rio de Janeiro, Rocha Pombo redigiu uma extensa obra voltada para o ensino da História, sendo seu público buscado desde as carteiras do ensino primário e ginasial. Essa perspectiva pode explicar em parte a reação negativa recebida por sua História do Brasil em dez volumes, com publicação a partir de 1905, e que ocuparam mais de dez anos de trabalho do escritor. Condenado pela corrente positivista, tutelada na historiografia por Capistrano de Abreu, coube a Rocha Pombo o desdém pela metodologia empregada que, em lugar da pesquisa direta às fontes, valia-se de releituras, e que, em vez do modelo ainda em curso, não enfatizava as figuras políticas de eminência, mas priorizava as expressões da cultura popular, ainda que sobre o conceito de popular pairasse uma projeção bastante abstrata. O forte espírito republicano que desde a juventude o animara rapidamente arrefeceu em meio às práticas políticas e no contato com o ambiente acadêmico. O ideal que moldava Rocha Pombo requeria transformações rápidas, mas os entraves políticos confirmavam o engessamento das estruturas do país. Verificam-se na sua produção muito heterogênea as muitas contradições que abalaram os homens de pensamento na virada do século XX: o pensamento em torno de uma hierarquia entre as raças, a violência responsável pelo processo de colonização, a ambiguidade diante do forte processo imigratório europeu nos estados do sul, o impulso de regionalização a partir do período republicano e concomitantemente a expansão do Pan Americanismo de base monroísta. Através da análise do poema narrativo A Guayrá (1891), pretende-se pensar as questões colocadas por Rocha Pombo entre a Literatura e a História, sobretudo se considerarmos que cabe a ele também a primeira História da América (1899) publicada no Brasil."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_533_a5afe83524994ed6293c1b105ce88b8e.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "NAIRA DE ALMEIDA NASCIMENTO"
    "autor_nome_curto" => "NAIRA NASCIMENTO"
    "autor_email" => "naira.alm@gmail.com"
    "autor_ies" => "UTFPR"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 4502
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 233
    "inscrito_id" => 533
    "titulo" => "ROCHA POMBO: UMA LEITURA DA AMÉRICA NA VIRADA DO SÉCULO XX"
    "resumo" => "O nome de Rocha Pombo desponta na cultura paranaense como o referencial da geração que veio a constituir o primeiro grande marco literário no espaço regional e que foi responsável pela disseminação da estética simbolista em outras plagas, contrariando a onda hegemônica nacional do Parnasianismo. Na historiografia literária distinguiu-se com o romance No hospício (1905), classificado por vários críticos como um exemplo isolado da realização do Simbolismo na prosa brasileira. O romance revelaria, contudo, uma condição biográfica de insulamento experimentada por seu próprio autor no exílio auto-imposto no Rio de Janeiro, após um período de intensas frustrações enquanto jornalista e deputado na terra natal. Mas foi no domínio da historiografia que o intelectual, nascido em Morretes, filho de um professor da província, tendo ele mesmo iniciado sua vida profissional no magistério, tornou-se conhecido e vem merecendo pesquisas no Brasil. Motivado em grande parte pela questão educativa, de que é prova a concepção do primeiro projeto para a Universidade do Paraná, em 1892, ou a participação no projeto pioneiro da Universidade do Povo, em 1900, já no Rio de Janeiro, Rocha Pombo redigiu uma extensa obra voltada para o ensino da História, sendo seu público buscado desde as carteiras do ensino primário e ginasial. Essa perspectiva pode explicar em parte a reação negativa recebida por sua História do Brasil em dez volumes, com publicação a partir de 1905, e que ocuparam mais de dez anos de trabalho do escritor. Condenado pela corrente positivista, tutelada na historiografia por Capistrano de Abreu, coube a Rocha Pombo o desdém pela metodologia empregada que, em lugar da pesquisa direta às fontes, valia-se de releituras, e que, em vez do modelo ainda em curso, não enfatizava as figuras políticas de eminência, mas priorizava as expressões da cultura popular, ainda que sobre o conceito de popular pairasse uma projeção bastante abstrata. O forte espírito republicano que desde a juventude o animara rapidamente arrefeceu em meio às práticas políticas e no contato com o ambiente acadêmico. O ideal que moldava Rocha Pombo requeria transformações rápidas, mas os entraves políticos confirmavam o engessamento das estruturas do país. Verificam-se na sua produção muito heterogênea as muitas contradições que abalaram os homens de pensamento na virada do século XX: o pensamento em torno de uma hierarquia entre as raças, a violência responsável pelo processo de colonização, a ambiguidade diante do forte processo imigratório europeu nos estados do sul, o impulso de regionalização a partir do período republicano e concomitantemente a expansão do Pan Americanismo de base monroísta. Através da análise do poema narrativo A Guayrá (1891), pretende-se pensar as questões colocadas por Rocha Pombo entre a Literatura e a História, sobretudo se considerarmos que cabe a ele também a primeira História da América (1899) publicada no Brasil."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_533_a5afe83524994ed6293c1b105ce88b8e.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "NAIRA DE ALMEIDA NASCIMENTO"
    "autor_nome_curto" => "NAIRA NASCIMENTO"
    "autor_email" => "naira.alm@gmail.com"
    "autor_ies" => "UTFPR"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 12 de julho de 2013

Resumo

O nome de Rocha Pombo desponta na cultura paranaense como o referencial da geração que veio a constituir o primeiro grande marco literário no espaço regional e que foi responsável pela disseminação da estética simbolista em outras plagas, contrariando a onda hegemônica nacional do Parnasianismo. Na historiografia literária distinguiu-se com o romance No hospício (1905), classificado por vários críticos como um exemplo isolado da realização do Simbolismo na prosa brasileira. O romance revelaria, contudo, uma condição biográfica de insulamento experimentada por seu próprio autor no exílio auto-imposto no Rio de Janeiro, após um período de intensas frustrações enquanto jornalista e deputado na terra natal. Mas foi no domínio da historiografia que o intelectual, nascido em Morretes, filho de um professor da província, tendo ele mesmo iniciado sua vida profissional no magistério, tornou-se conhecido e vem merecendo pesquisas no Brasil. Motivado em grande parte pela questão educativa, de que é prova a concepção do primeiro projeto para a Universidade do Paraná, em 1892, ou a participação no projeto pioneiro da Universidade do Povo, em 1900, já no Rio de Janeiro, Rocha Pombo redigiu uma extensa obra voltada para o ensino da História, sendo seu público buscado desde as carteiras do ensino primário e ginasial. Essa perspectiva pode explicar em parte a reação negativa recebida por sua História do Brasil em dez volumes, com publicação a partir de 1905, e que ocuparam mais de dez anos de trabalho do escritor. Condenado pela corrente positivista, tutelada na historiografia por Capistrano de Abreu, coube a Rocha Pombo o desdém pela metodologia empregada que, em lugar da pesquisa direta às fontes, valia-se de releituras, e que, em vez do modelo ainda em curso, não enfatizava as figuras políticas de eminência, mas priorizava as expressões da cultura popular, ainda que sobre o conceito de popular pairasse uma projeção bastante abstrata. O forte espírito republicano que desde a juventude o animara rapidamente arrefeceu em meio às práticas políticas e no contato com o ambiente acadêmico. O ideal que moldava Rocha Pombo requeria transformações rápidas, mas os entraves políticos confirmavam o engessamento das estruturas do país. Verificam-se na sua produção muito heterogênea as muitas contradições que abalaram os homens de pensamento na virada do século XX: o pensamento em torno de uma hierarquia entre as raças, a violência responsável pelo processo de colonização, a ambiguidade diante do forte processo imigratório europeu nos estados do sul, o impulso de regionalização a partir do período republicano e concomitantemente a expansão do Pan Americanismo de base monroísta. Através da análise do poema narrativo A Guayrá (1891), pretende-se pensar as questões colocadas por Rocha Pombo entre a Literatura e a História, sobretudo se considerarmos que cabe a ele também a primeira História da América (1899) publicada no Brasil.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.