Artigo Anais ABRALIC Internacional

ANAIS de Evento

ISSN: 2317-157X

NOTÍCIAS DO BRASIL: AS CARTAS DE ELIZABETH BISHOP E A RE-DESCOBERTA DO EU-VIAJANTE

"2013-07-12 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 4422
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 850
    "inscrito_id" => 889
    "titulo" => "NOTÍCIAS DO BRASIL: AS CARTAS DE ELIZABETH BISHOP E A RE-DESCOBERTA DO EU-VIAJANTE"
    "resumo" => "Entre os anos de 1952 e 1970, a escritora americana Elizabeth Bishop viveu no Brasil, na maior parte do tempo em Petrópolis, Rio de Janeiro, com sua então companheira Lota de Macedo Soares. Diferente de outros países já visitados por Bishop, o Brasil se apresenta para a escritora como um local de possibilidades, mas ao mesmo tempo de angústias, já que não facilmente traduzido ou entendido em relação ao seu passado norte-americano, o que leva a escritora, em um primeiro momento, a sugerir que não está conseguindo dar continuidade a sua prática poética. Apesar de sua experiência no Brasil causar, para Bishop, o que poderia ser considerado uma ruptura de conhecimento, esta traz também o encontro com a diferença, o que a possibilita se “re-descobrir” enquanto “re-descobre” a terra brasileira. Tais re-descobertas vão sendo escritas, por Bishop, de uma forma muito particular: através das cartas que envia, da América do Sul, a amigos e colegas na América do Norte. Em uma destas primeiras cartas, de setembro de 1952, Bishop escreve: “Indo contra todas as teorias corretas sobre escapismo, exílio, e os fatos horríveis sobre a condição do Brasil, eu gosto cada vez mais de morar aqui” (minha tradução, 247). Nota-se, então, que em suas cartas, a escritora explora seu imaginário sobre o país como também sobre seu papel enquanto “escritora” neste novo local. Como sugere Brett Millier, apesar da própria Bishop se preocupar por não conseguir escrever quando chega ao Brasil, ela na verdade estava trabalhando e produzindo através de suas cartas (259). Assim, neste trabalho, apresentarei uma discussão sobre as cartas escritas por Bishop quando ela chega ao Brasil pois, através delas, Bishop se permite “criar” e “representar” suas experiências, negociando sua posição enquanto possível mediadora / escritora de um outro cultural brasileiro. (Referências Bibliográficas: BISHOP, Elizabeth. One Art: Letters. Robert Giroux (ed.). New York: Farrar, Straus and Giroux, 1994. MILLIER, Brett C. Elizabeth Bishop: Life and the Memory of It. Berkeley: University of California Press, 1993)."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_889_588a34a179b5b6ef91d79d5c05eb4bf2.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "MAGALI SPERLING BECK"
    "autor_nome_curto" => "MAGALI"
    "autor_email" => "magalisperling@gmail.com"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 4422
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 850
    "inscrito_id" => 889
    "titulo" => "NOTÍCIAS DO BRASIL: AS CARTAS DE ELIZABETH BISHOP E A RE-DESCOBERTA DO EU-VIAJANTE"
    "resumo" => "Entre os anos de 1952 e 1970, a escritora americana Elizabeth Bishop viveu no Brasil, na maior parte do tempo em Petrópolis, Rio de Janeiro, com sua então companheira Lota de Macedo Soares. Diferente de outros países já visitados por Bishop, o Brasil se apresenta para a escritora como um local de possibilidades, mas ao mesmo tempo de angústias, já que não facilmente traduzido ou entendido em relação ao seu passado norte-americano, o que leva a escritora, em um primeiro momento, a sugerir que não está conseguindo dar continuidade a sua prática poética. Apesar de sua experiência no Brasil causar, para Bishop, o que poderia ser considerado uma ruptura de conhecimento, esta traz também o encontro com a diferença, o que a possibilita se “re-descobrir” enquanto “re-descobre” a terra brasileira. Tais re-descobertas vão sendo escritas, por Bishop, de uma forma muito particular: através das cartas que envia, da América do Sul, a amigos e colegas na América do Norte. Em uma destas primeiras cartas, de setembro de 1952, Bishop escreve: “Indo contra todas as teorias corretas sobre escapismo, exílio, e os fatos horríveis sobre a condição do Brasil, eu gosto cada vez mais de morar aqui” (minha tradução, 247). Nota-se, então, que em suas cartas, a escritora explora seu imaginário sobre o país como também sobre seu papel enquanto “escritora” neste novo local. Como sugere Brett Millier, apesar da própria Bishop se preocupar por não conseguir escrever quando chega ao Brasil, ela na verdade estava trabalhando e produzindo através de suas cartas (259). Assim, neste trabalho, apresentarei uma discussão sobre as cartas escritas por Bishop quando ela chega ao Brasil pois, através delas, Bishop se permite “criar” e “representar” suas experiências, negociando sua posição enquanto possível mediadora / escritora de um outro cultural brasileiro. (Referências Bibliográficas: BISHOP, Elizabeth. One Art: Letters. Robert Giroux (ed.). New York: Farrar, Straus and Giroux, 1994. MILLIER, Brett C. Elizabeth Bishop: Life and the Memory of It. Berkeley: University of California Press, 1993)."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_889_588a34a179b5b6ef91d79d5c05eb4bf2.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "MAGALI SPERLING BECK"
    "autor_nome_curto" => "MAGALI"
    "autor_email" => "magalisperling@gmail.com"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 12 de julho de 2013

Resumo

Entre os anos de 1952 e 1970, a escritora americana Elizabeth Bishop viveu no Brasil, na maior parte do tempo em Petrópolis, Rio de Janeiro, com sua então companheira Lota de Macedo Soares. Diferente de outros países já visitados por Bishop, o Brasil se apresenta para a escritora como um local de possibilidades, mas ao mesmo tempo de angústias, já que não facilmente traduzido ou entendido em relação ao seu passado norte-americano, o que leva a escritora, em um primeiro momento, a sugerir que não está conseguindo dar continuidade a sua prática poética. Apesar de sua experiência no Brasil causar, para Bishop, o que poderia ser considerado uma ruptura de conhecimento, esta traz também o encontro com a diferença, o que a possibilita se “re-descobrir” enquanto “re-descobre” a terra brasileira. Tais re-descobertas vão sendo escritas, por Bishop, de uma forma muito particular: através das cartas que envia, da América do Sul, a amigos e colegas na América do Norte. Em uma destas primeiras cartas, de setembro de 1952, Bishop escreve: “Indo contra todas as teorias corretas sobre escapismo, exílio, e os fatos horríveis sobre a condição do Brasil, eu gosto cada vez mais de morar aqui” (minha tradução, 247). Nota-se, então, que em suas cartas, a escritora explora seu imaginário sobre o país como também sobre seu papel enquanto “escritora” neste novo local. Como sugere Brett Millier, apesar da própria Bishop se preocupar por não conseguir escrever quando chega ao Brasil, ela na verdade estava trabalhando e produzindo através de suas cartas (259). Assim, neste trabalho, apresentarei uma discussão sobre as cartas escritas por Bishop quando ela chega ao Brasil pois, através delas, Bishop se permite “criar” e “representar” suas experiências, negociando sua posição enquanto possível mediadora / escritora de um outro cultural brasileiro. (Referências Bibliográficas: BISHOP, Elizabeth. One Art: Letters. Robert Giroux (ed.). New York: Farrar, Straus and Giroux, 1994. MILLIER, Brett C. Elizabeth Bishop: Life and the Memory of It. Berkeley: University of California Press, 1993).

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.