Artigo Anais ABRALIC Internacional

ANAIS de Evento

ISSN: 2317-157X

Visualizações: 263
“AS PAREDES ERA QUE AMEAÇAVAM”: ESPAÇO E IDENTIDADE NO CONTO “FARAÓ E A ÁGUA DO RIO”

Publicado em 12 de julho de 2013

Resumo

Em A Poética do espaço, Bachelard (1989) concebe o espaço da casa como um “estado de alma”, espaço que “fala de uma intimidade”. Sob a ótica bachelardiana, a casa constitui o sujeito, fixa sua memória e suas raízes. Roberto da Matta (1987) em seu livro A casa e a rua afirma que a casa é o espaço da família, da ordem e do conforto, em oposição à rua que representa o lugar público da desordem, do perigo e do anonimato. É, pois, seguindo esta linha de raciocínio que este trabalho – recorte de um estudo maior - se propõe a analisar aspectos do espaço e da identidade no conto “Faraó e a água do rio”, integrante de Tutaméia: terceiras estórias (1967), obra de João Guimarães Rosa. Trata-se de um enfoque teórico-crítico da narrativa rosiana, tendo como propósito identificar, na arquitetura ficcional, o imaginário circunscrito na lei da ordem familiar, representada na imagem dos fazendeiros da Fazenda Crispins, com suas tachas de cem anos de eternidade - um mundo de identidade marcada pelos espaços partilhados e por traços de um cotidiano organizado – em oposição aos aspectos que regem as regras básicas do viver mundano, itinerante, e clandestino, expresso na figura dos ciganos. A narrativa pontua a dicotomia entre casa e rua, terra e desterrado, lugar e não-lugar – modos de vida diametralmente opostas desses sujeitos, fazendeiros e ciganos, de sinas tão contrárias: os primeiros fadados a conviver até a morte em suas terras, passadas de pai pra filho, de geração para geração, tal como aconteceu com a fazendeira Siantônia; os ciganos, por sua vez, nômades e fugitivos, são aqueles que, por ordem do Faraó, fazem da mobilidade e da incerteza os princípios básicos de seu viver. É oportuno afirmar que os fazendeiros representam a tradição, expressa na metáfora da casa, enquanto que os ciganos emblematizam o espaço aberto e infinito, sujeitos inscritos na sociedade do instante, da insegurança e da adversidade, signo da “mentalidade de sobrevivência” tal como concebe Cristhopher Lasch (1987) ao referir-se a nova relação que o homem contemporâneo tem com o espaço, o que se apreende de seu conceito “mínimo eu” como marca do sujeito da pós-modernidade.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.