Artigo Anais ABRALIC Internacional

ANAIS de Evento

ISSN: 2317-157X

REPRESENTAÇÕES DA AMAZÔNIA NA RELAÇÃO DE CARVAJAL: DEVANEIO E MISTIFICAÇÃO

"2013-07-12 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 4375
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 343
    "inscrito_id" => 677
    "titulo" => "REPRESENTAÇÕES DA AMAZÔNIA NA RELAÇÃO DE CARVAJAL: DEVANEIO E MISTIFICAÇÃO"
    "resumo" => "A Relacion del nuevo descubrimiento del famoso rio grande de las Amazonas foi escrita por Gaspar de Carvajal pouco tempo após os feitos de que dá notícia, entre 1542 e 1543. Testemunha ocular dos fatos narrados, Carvajal pretendia com seu texto mostrar que Francisco de Orellana não traíra Gonzalo Pizarro, enumerando os incidentes que resultaram numa aventura diversa do que fora planejado. A ira de Pizarro, e de muitos historiadores, era com o fato de que o acaso reservou a glória histórica ao subalterno, enquanto o comandante voltava para casa humilhado. O texto de Carvajal tem três camadas facilmente identificáveis, intercambiáveis entre si: 1 – histórica: onde se registram os fatos ocorridos, especialmente após a separação da expedição em dois grupos, relatando a descida pelo “rio de Orellana” até o mar; 2 – religiosa: onde se observa que o dominicano Carvajal pontua sua narrativa com palavras de agradecimento e louvor a sua fé; 3 – ideológica: a camada mais complexa, onde Carvajal pretende demonstrar a bravura e a lealdade de seu capitão; para tal, lança mão de artifícios que hoje reconhecemos como literários – daí o “devaneio” do título deste trabalho. A mescla desses recursos com a história revelou-se, com o tempo, um processo de mistificação que, mesmo apontado desde o início por seus críticos, encontrou guarida no imaginário popular. Servindo-nos das estratégias da Análise de Discurso, vamos apontar, dentro do texto de Carvajal, os principais pontos em que ele troca a história pela literatura, num exercício de realismo maravilhoso, culminando com a transposição do mito grego das amazonas para a região que, de tão marcada pela narrativa do dominicano, herdou-lhe o nome. São as primeiras representações da Amazônia, sob forma de relato histórico, arquitetadas ora num simulacro de fantasia literária, ora na mais deslavada mistificação."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_677_7a946d955c1b221e1fe76a30410ef6c3.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "JOSÉ MARIA PINTO DE FIGUEIREDO"
    "autor_nome_curto" => "ZEMARIA PINTO"
    "autor_email" => "zemariapinto@hotmail.com"
    "autor_ies" => "UFAM"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 4375
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 343
    "inscrito_id" => 677
    "titulo" => "REPRESENTAÇÕES DA AMAZÔNIA NA RELAÇÃO DE CARVAJAL: DEVANEIO E MISTIFICAÇÃO"
    "resumo" => "A Relacion del nuevo descubrimiento del famoso rio grande de las Amazonas foi escrita por Gaspar de Carvajal pouco tempo após os feitos de que dá notícia, entre 1542 e 1543. Testemunha ocular dos fatos narrados, Carvajal pretendia com seu texto mostrar que Francisco de Orellana não traíra Gonzalo Pizarro, enumerando os incidentes que resultaram numa aventura diversa do que fora planejado. A ira de Pizarro, e de muitos historiadores, era com o fato de que o acaso reservou a glória histórica ao subalterno, enquanto o comandante voltava para casa humilhado. O texto de Carvajal tem três camadas facilmente identificáveis, intercambiáveis entre si: 1 – histórica: onde se registram os fatos ocorridos, especialmente após a separação da expedição em dois grupos, relatando a descida pelo “rio de Orellana” até o mar; 2 – religiosa: onde se observa que o dominicano Carvajal pontua sua narrativa com palavras de agradecimento e louvor a sua fé; 3 – ideológica: a camada mais complexa, onde Carvajal pretende demonstrar a bravura e a lealdade de seu capitão; para tal, lança mão de artifícios que hoje reconhecemos como literários – daí o “devaneio” do título deste trabalho. A mescla desses recursos com a história revelou-se, com o tempo, um processo de mistificação que, mesmo apontado desde o início por seus críticos, encontrou guarida no imaginário popular. Servindo-nos das estratégias da Análise de Discurso, vamos apontar, dentro do texto de Carvajal, os principais pontos em que ele troca a história pela literatura, num exercício de realismo maravilhoso, culminando com a transposição do mito grego das amazonas para a região que, de tão marcada pela narrativa do dominicano, herdou-lhe o nome. São as primeiras representações da Amazônia, sob forma de relato histórico, arquitetadas ora num simulacro de fantasia literária, ora na mais deslavada mistificação."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_677_7a946d955c1b221e1fe76a30410ef6c3.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "JOSÉ MARIA PINTO DE FIGUEIREDO"
    "autor_nome_curto" => "ZEMARIA PINTO"
    "autor_email" => "zemariapinto@hotmail.com"
    "autor_ies" => "UFAM"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 12 de julho de 2013

Resumo

A Relacion del nuevo descubrimiento del famoso rio grande de las Amazonas foi escrita por Gaspar de Carvajal pouco tempo após os feitos de que dá notícia, entre 1542 e 1543. Testemunha ocular dos fatos narrados, Carvajal pretendia com seu texto mostrar que Francisco de Orellana não traíra Gonzalo Pizarro, enumerando os incidentes que resultaram numa aventura diversa do que fora planejado. A ira de Pizarro, e de muitos historiadores, era com o fato de que o acaso reservou a glória histórica ao subalterno, enquanto o comandante voltava para casa humilhado. O texto de Carvajal tem três camadas facilmente identificáveis, intercambiáveis entre si: 1 – histórica: onde se registram os fatos ocorridos, especialmente após a separação da expedição em dois grupos, relatando a descida pelo “rio de Orellana” até o mar; 2 – religiosa: onde se observa que o dominicano Carvajal pontua sua narrativa com palavras de agradecimento e louvor a sua fé; 3 – ideológica: a camada mais complexa, onde Carvajal pretende demonstrar a bravura e a lealdade de seu capitão; para tal, lança mão de artifícios que hoje reconhecemos como literários – daí o “devaneio” do título deste trabalho. A mescla desses recursos com a história revelou-se, com o tempo, um processo de mistificação que, mesmo apontado desde o início por seus críticos, encontrou guarida no imaginário popular. Servindo-nos das estratégias da Análise de Discurso, vamos apontar, dentro do texto de Carvajal, os principais pontos em que ele troca a história pela literatura, num exercício de realismo maravilhoso, culminando com a transposição do mito grego das amazonas para a região que, de tão marcada pela narrativa do dominicano, herdou-lhe o nome. São as primeiras representações da Amazônia, sob forma de relato histórico, arquitetadas ora num simulacro de fantasia literária, ora na mais deslavada mistificação.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.