Artigo Anais ABRALIC Internacional

ANAIS de Evento

ISSN: 2317-157X

DEUS EX MACHINA: O INSÓLITO EM “A ESTRANHA MÁQUINA EXTRAVIADA”, DE J. J. VEIGA E “SANGUE DA AVÓ, MANCHANDO A ALCATIFA”, DE MIA COUTO

"2013-07-12 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 4363
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 842
    "inscrito_id" => 701
    "titulo" => "DEUS EX MACHINA: O INSÓLITO EM “A ESTRANHA MÁQUINA EXTRAVIADA”, DE J. J. VEIGA E “SANGUE DA AVÓ, MANCHANDO A ALCATIFA”, DE MIA COUTO"
    "resumo" => "Ao longo do processo de construção ficcional, valendo-se de recursos formais da narrativa para manter a verossimilhança responsável por captar a atenção do leitor, o escritor, ao optar pela manifestação do insólito ao longo de seu processo de construção ficcional, vale-se de recursos presentes na construção da narrativa para manter a verossimilhança interna responsável por captar a atenção do leitor. Ao parasitar a realidade empírica que lhe serve de modelo, tem como resultado final um universo diegésico que é um duplo do qual se alimenta, por mais estranhas e absurdas que sejam suas manifestações narrativas. Há, no texto, uma relação entre o desenrolar da trama e essas manifestações/ocorrências  que lhe servem de guia. É através do insólito que o escritor, ao mesmo tempo em que “descobre” as várias facetas de sua realidade empírica, questiona a função das instituições sociais que lhe servem, permitindo uma maior sensibilidade acerca do meio em que esse (f)ato ocorre.Tanto J. J. Veiga quanto Mia Couto, ao voltarem-se para dentro de suas terras de origem – Goiás, estado brasileiro, e Moçambique, estado africano –, resgatam-nas em suas facetas mais insólitas. Ao fazer ressurgir ficcionalmente o Brasil “escondido em cidadezinhas e cidadezinhas que pontilham o mapa do país”(CAMPEDELLI, 1982,  p. 94) e a nação Moçambicana que reside em sua capacidade de ser um mosaico cultural, os escritores trazem a tona os males da modernidade que desconstroem as identidades culturais regionais, seus costumes, histórias, enfim, seus elementos mais significativos. Os escritores denunciam, em seus textos, como o advento da “modernidade” elege novos ícones a serem seguidos pelos grupos sociais, de maneira que suas vidas passem a girar em torno de símbolos insolitamente ambíguos. O insólito, como fio condutor dos eventos ocorridos em “A estranha máquina extraviada”, de J. J. Veiga e “Sangue da avó, manchando a alcatifa”, de Mia Couto, denúncia não apenas a desconstrução dos valores sociais vigentes, como, também, o surgimento de novos símbolos que tomam o lugar desses valores, influenciando insolitamente a vida das personagens envolvidas nas tramas."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_701_3a5e84412515ff0a7733652c39b57f94.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "JOÃO OLINTO TRINDADE JUNIOR"
    "autor_nome_curto" => "JOÃO TRINDADE"
    "autor_email" => "joaotrindade@gmail.com"
    "autor_ies" => "UERJ/UERJ"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 4363
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 842
    "inscrito_id" => 701
    "titulo" => "DEUS EX MACHINA: O INSÓLITO EM “A ESTRANHA MÁQUINA EXTRAVIADA”, DE J. J. VEIGA E “SANGUE DA AVÓ, MANCHANDO A ALCATIFA”, DE MIA COUTO"
    "resumo" => "Ao longo do processo de construção ficcional, valendo-se de recursos formais da narrativa para manter a verossimilhança responsável por captar a atenção do leitor, o escritor, ao optar pela manifestação do insólito ao longo de seu processo de construção ficcional, vale-se de recursos presentes na construção da narrativa para manter a verossimilhança interna responsável por captar a atenção do leitor. Ao parasitar a realidade empírica que lhe serve de modelo, tem como resultado final um universo diegésico que é um duplo do qual se alimenta, por mais estranhas e absurdas que sejam suas manifestações narrativas. Há, no texto, uma relação entre o desenrolar da trama e essas manifestações/ocorrências  que lhe servem de guia. É através do insólito que o escritor, ao mesmo tempo em que “descobre” as várias facetas de sua realidade empírica, questiona a função das instituições sociais que lhe servem, permitindo uma maior sensibilidade acerca do meio em que esse (f)ato ocorre.Tanto J. J. Veiga quanto Mia Couto, ao voltarem-se para dentro de suas terras de origem – Goiás, estado brasileiro, e Moçambique, estado africano –, resgatam-nas em suas facetas mais insólitas. Ao fazer ressurgir ficcionalmente o Brasil “escondido em cidadezinhas e cidadezinhas que pontilham o mapa do país”(CAMPEDELLI, 1982,  p. 94) e a nação Moçambicana que reside em sua capacidade de ser um mosaico cultural, os escritores trazem a tona os males da modernidade que desconstroem as identidades culturais regionais, seus costumes, histórias, enfim, seus elementos mais significativos. Os escritores denunciam, em seus textos, como o advento da “modernidade” elege novos ícones a serem seguidos pelos grupos sociais, de maneira que suas vidas passem a girar em torno de símbolos insolitamente ambíguos. O insólito, como fio condutor dos eventos ocorridos em “A estranha máquina extraviada”, de J. J. Veiga e “Sangue da avó, manchando a alcatifa”, de Mia Couto, denúncia não apenas a desconstrução dos valores sociais vigentes, como, também, o surgimento de novos símbolos que tomam o lugar desses valores, influenciando insolitamente a vida das personagens envolvidas nas tramas."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_701_3a5e84412515ff0a7733652c39b57f94.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "JOÃO OLINTO TRINDADE JUNIOR"
    "autor_nome_curto" => "JOÃO TRINDADE"
    "autor_email" => "joaotrindade@gmail.com"
    "autor_ies" => "UERJ/UERJ"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 12 de julho de 2013

Resumo

Ao longo do processo de construção ficcional, valendo-se de recursos formais da narrativa para manter a verossimilhança responsável por captar a atenção do leitor, o escritor, ao optar pela manifestação do insólito ao longo de seu processo de construção ficcional, vale-se de recursos presentes na construção da narrativa para manter a verossimilhança interna responsável por captar a atenção do leitor. Ao parasitar a realidade empírica que lhe serve de modelo, tem como resultado final um universo diegésico que é um duplo do qual se alimenta, por mais estranhas e absurdas que sejam suas manifestações narrativas. Há, no texto, uma relação entre o desenrolar da trama e essas manifestações/ocorrências que lhe servem de guia. É através do insólito que o escritor, ao mesmo tempo em que “descobre” as várias facetas de sua realidade empírica, questiona a função das instituições sociais que lhe servem, permitindo uma maior sensibilidade acerca do meio em que esse (f)ato ocorre.Tanto J. J. Veiga quanto Mia Couto, ao voltarem-se para dentro de suas terras de origem – Goiás, estado brasileiro, e Moçambique, estado africano –, resgatam-nas em suas facetas mais insólitas. Ao fazer ressurgir ficcionalmente o Brasil “escondido em cidadezinhas e cidadezinhas que pontilham o mapa do país”(CAMPEDELLI, 1982, p. 94) e a nação Moçambicana que reside em sua capacidade de ser um mosaico cultural, os escritores trazem a tona os males da modernidade que desconstroem as identidades culturais regionais, seus costumes, histórias, enfim, seus elementos mais significativos. Os escritores denunciam, em seus textos, como o advento da “modernidade” elege novos ícones a serem seguidos pelos grupos sociais, de maneira que suas vidas passem a girar em torno de símbolos insolitamente ambíguos. O insólito, como fio condutor dos eventos ocorridos em “A estranha máquina extraviada”, de J. J. Veiga e “Sangue da avó, manchando a alcatifa”, de Mia Couto, denúncia não apenas a desconstrução dos valores sociais vigentes, como, também, o surgimento de novos símbolos que tomam o lugar desses valores, influenciando insolitamente a vida das personagens envolvidas nas tramas.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.