Artigo Anais ABRALIC Internacional

ANAIS de Evento

ISSN: 2317-157X

O ESPAÇO REVISITADO: LEITURA COMPARADA DOS CONTOS DE GUIMARÃES ROSA, MIA COUTO E TEIXEIRA DE SOUSA

"2013-07-12 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 4321
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 773
    "inscrito_id" => 485
    "titulo" => "O ESPAÇO REVISITADO: LEITURA COMPARADA DOS CONTOS DE GUIMARÃES ROSA, MIA COUTO E TEIXEIRA DE SOUSA"
    "resumo" => "O objetivo é propor uma leitura comparada entre os contos “Bicho mau”, de Guimarães Rosa, “O menino que escrevia versos”, de Mia Couto, e “Jocasta”, de Teixeira de Sousa, na tentativa de entender a correlação entre a figura do médico e das enfermidades que aparecem nas tramas e a representação tipológica dos espaços. Conjectura-se que os elementos científicos e míticos presentes nestes contos permitem uma apreensão diferente do espaço: este não seria visto de modo binário, mas de modo integral. Assim, não apenas se coadunam elementos denominados interiores e exteriores, abertos e fechados, rurais e urbanos, mas torna-se possível vislumbrar o não-visível, o imaterial no interior do próprio signo linguístico ou, ainda, nas pequenas variações que advêm da percepção (José Gil, 2005). Na análise comparada, o mundo que se sustenta pela “imaginação explicativa” e o outro, pela “imaginação poética” (cf. Antonio Candido) não apenas geram tensão, mas permitem alcançar outro entendimento ou outra reestruturação deste espaço. Mas o saber científico versus o popular é quase regra na contemporaneidade. Segundo Jean Abreu (2006), antes do século XVIII, não havia distinção entre elementos físicos é espirituais e, por conseguinte, a adoção de práticas médicas e populares não caracterizava a classe social a que pertencia um indivíduo. Com o tempo, a medicina intelectualizada afasta-se da popular. Em certas obras literárias, expõem-se espaços separados, destruídos, desencantados, como é o caso de "Ensaio sobre a cegueira", de Saramago. Estaríamos, neste caso, mais próximos do que Adorno e Horkheimer (2006) afirmam: o objetivo da ciência seria o de extinguir a possibilidade do mistério. Neste trajeto da ciência moderna, a tentativa de encontrar mais liberdade através do pensamento racional torna-se malfadada, pois o mundo já estaria desencantado. O feiticeiro já não tem os mesmos poderes, pois substituiu suas práticas por “pensamentos autônomos”. Não há mais o mistério porque uma “unidade conceitual” domina toda a forma de vida e pensamentos. Porém, nos contos a que aludimos, procuramos evidenciar que a mistura de sentimentos e ideias revela outras dimensões que podem escapar do controle rigoroso da Dialética. Como aporte teórico utilizamos ainda as obras de José Gil, Nise da Silveira e Maurice Blanchot. "Grande sertão: veredas" também nos possibilitou fundamentar a análise. Neste romance de 1956, alguns críticos afirmam a existência da passagem do mitos ao logos e que o mundo misturado – na linguagem, nos espaços, nos gêneros, nos sentimentos – representa a passagem do homem em busca do ser que deseja (Arrigucci, 1995). Outros veem na mistura que há a opção pelo mito, visto que permanece em primeiro plano o mundo das “crianças, dos loucos, dos bichos e dos homens telúricos” (Chiappini, 2002: 219). Estabelecer uma leitura dos contos de Guimarães Rosa à luz dos de Mia Couto e Teixeira de Sousa permite-nos pensar para além de uma margem ou de outra, pois são contos que mostram contornos de um espaço que desafia a imagem de que a ciência esteja afastada das humanidades, e vice-versa."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_485_24ef3b19c3d174060b6f391c30c9c517.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "GISELI CRISTINA TORDIN"
    "autor_nome_curto" => "GISELI C. TORDIN"
    "autor_email" => "giselict@gmail.com"
    "autor_ies" => "UNIVERSITY OF MASSACHUSETTS - AMHERST"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 4321
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 773
    "inscrito_id" => 485
    "titulo" => "O ESPAÇO REVISITADO: LEITURA COMPARADA DOS CONTOS DE GUIMARÃES ROSA, MIA COUTO E TEIXEIRA DE SOUSA"
    "resumo" => "O objetivo é propor uma leitura comparada entre os contos “Bicho mau”, de Guimarães Rosa, “O menino que escrevia versos”, de Mia Couto, e “Jocasta”, de Teixeira de Sousa, na tentativa de entender a correlação entre a figura do médico e das enfermidades que aparecem nas tramas e a representação tipológica dos espaços. Conjectura-se que os elementos científicos e míticos presentes nestes contos permitem uma apreensão diferente do espaço: este não seria visto de modo binário, mas de modo integral. Assim, não apenas se coadunam elementos denominados interiores e exteriores, abertos e fechados, rurais e urbanos, mas torna-se possível vislumbrar o não-visível, o imaterial no interior do próprio signo linguístico ou, ainda, nas pequenas variações que advêm da percepção (José Gil, 2005). Na análise comparada, o mundo que se sustenta pela “imaginação explicativa” e o outro, pela “imaginação poética” (cf. Antonio Candido) não apenas geram tensão, mas permitem alcançar outro entendimento ou outra reestruturação deste espaço. Mas o saber científico versus o popular é quase regra na contemporaneidade. Segundo Jean Abreu (2006), antes do século XVIII, não havia distinção entre elementos físicos é espirituais e, por conseguinte, a adoção de práticas médicas e populares não caracterizava a classe social a que pertencia um indivíduo. Com o tempo, a medicina intelectualizada afasta-se da popular. Em certas obras literárias, expõem-se espaços separados, destruídos, desencantados, como é o caso de "Ensaio sobre a cegueira", de Saramago. Estaríamos, neste caso, mais próximos do que Adorno e Horkheimer (2006) afirmam: o objetivo da ciência seria o de extinguir a possibilidade do mistério. Neste trajeto da ciência moderna, a tentativa de encontrar mais liberdade através do pensamento racional torna-se malfadada, pois o mundo já estaria desencantado. O feiticeiro já não tem os mesmos poderes, pois substituiu suas práticas por “pensamentos autônomos”. Não há mais o mistério porque uma “unidade conceitual” domina toda a forma de vida e pensamentos. Porém, nos contos a que aludimos, procuramos evidenciar que a mistura de sentimentos e ideias revela outras dimensões que podem escapar do controle rigoroso da Dialética. Como aporte teórico utilizamos ainda as obras de José Gil, Nise da Silveira e Maurice Blanchot. "Grande sertão: veredas" também nos possibilitou fundamentar a análise. Neste romance de 1956, alguns críticos afirmam a existência da passagem do mitos ao logos e que o mundo misturado – na linguagem, nos espaços, nos gêneros, nos sentimentos – representa a passagem do homem em busca do ser que deseja (Arrigucci, 1995). Outros veem na mistura que há a opção pelo mito, visto que permanece em primeiro plano o mundo das “crianças, dos loucos, dos bichos e dos homens telúricos” (Chiappini, 2002: 219). Estabelecer uma leitura dos contos de Guimarães Rosa à luz dos de Mia Couto e Teixeira de Sousa permite-nos pensar para além de uma margem ou de outra, pois são contos que mostram contornos de um espaço que desafia a imagem de que a ciência esteja afastada das humanidades, e vice-versa."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_485_24ef3b19c3d174060b6f391c30c9c517.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "GISELI CRISTINA TORDIN"
    "autor_nome_curto" => "GISELI C. TORDIN"
    "autor_email" => "giselict@gmail.com"
    "autor_ies" => "UNIVERSITY OF MASSACHUSETTS - AMHERST"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 12 de julho de 2013

Resumo

O objetivo é propor uma leitura comparada entre os contos “Bicho mau”, de Guimarães Rosa, “O menino que escrevia versos”, de Mia Couto, e “Jocasta”, de Teixeira de Sousa, na tentativa de entender a correlação entre a figura do médico e das enfermidades que aparecem nas tramas e a representação tipológica dos espaços. Conjectura-se que os elementos científicos e míticos presentes nestes contos permitem uma apreensão diferente do espaço: este não seria visto de modo binário, mas de modo integral. Assim, não apenas se coadunam elementos denominados interiores e exteriores, abertos e fechados, rurais e urbanos, mas torna-se possível vislumbrar o não-visível, o imaterial no interior do próprio signo linguístico ou, ainda, nas pequenas variações que advêm da percepção (José Gil, 2005). Na análise comparada, o mundo que se sustenta pela “imaginação explicativa” e o outro, pela “imaginação poética” (cf. Antonio Candido) não apenas geram tensão, mas permitem alcançar outro entendimento ou outra reestruturação deste espaço. Mas o saber científico versus o popular é quase regra na contemporaneidade. Segundo Jean Abreu (2006), antes do século XVIII, não havia distinção entre elementos físicos é espirituais e, por conseguinte, a adoção de práticas médicas e populares não caracterizava a classe social a que pertencia um indivíduo. Com o tempo, a medicina intelectualizada afasta-se da popular. Em certas obras literárias, expõem-se espaços separados, destruídos, desencantados, como é o caso de "Ensaio sobre a cegueira", de Saramago. Estaríamos, neste caso, mais próximos do que Adorno e Horkheimer (2006) afirmam: o objetivo da ciência seria o de extinguir a possibilidade do mistério. Neste trajeto da ciência moderna, a tentativa de encontrar mais liberdade através do pensamento racional torna-se malfadada, pois o mundo já estaria desencantado. O feiticeiro já não tem os mesmos poderes, pois substituiu suas práticas por “pensamentos autônomos”. Não há mais o mistério porque uma “unidade conceitual” domina toda a forma de vida e pensamentos. Porém, nos contos a que aludimos, procuramos evidenciar que a mistura de sentimentos e ideias revela outras dimensões que podem escapar do controle rigoroso da Dialética. Como aporte teórico utilizamos ainda as obras de José Gil, Nise da Silveira e Maurice Blanchot. "Grande sertão: veredas" também nos possibilitou fundamentar a análise. Neste romance de 1956, alguns críticos afirmam a existência da passagem do mitos ao logos e que o mundo misturado – na linguagem, nos espaços, nos gêneros, nos sentimentos – representa a passagem do homem em busca do ser que deseja (Arrigucci, 1995). Outros veem na mistura que há a opção pelo mito, visto que permanece em primeiro plano o mundo das “crianças, dos loucos, dos bichos e dos homens telúricos” (Chiappini, 2002: 219). Estabelecer uma leitura dos contos de Guimarães Rosa à luz dos de Mia Couto e Teixeira de Sousa permite-nos pensar para além de uma margem ou de outra, pois são contos que mostram contornos de um espaço que desafia a imagem de que a ciência esteja afastada das humanidades, e vice-versa.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.