Artigo Anais ABRALIC Internacional

ANAIS de Evento

ISSN: 2317-157X

BALÕES VERMELHOS E BEXIGAS: FRAGILIDADE E SUPERPROTEÇÃO DO CORPO INFANTIL NA MANUTENÇÃO DO MEDO DA MORTE EM OLHINHOS DE GATO

"2013-07-12 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 4355
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 594
    "inscrito_id" => 1010
    "titulo" => "BALÕES VERMELHOS E BEXIGAS: FRAGILIDADE E SUPERPROTEÇÃO DO CORPO INFANTIL NA MANUTENÇÃO DO MEDO DA MORTE EM OLHINHOS DE GATO"
    "resumo" => "Olhinhos de Gato, narrativa de natureza autobiográfica de Cecília Meireles, traz as memórias de infância da autora transfiguradas poeticamente a partir da escrita literária. São narradas as vivências da frágil órfã Olhinhos de Gato, que vive com sua avó Boquinha de Doce, a negra Dentinho de Arroz e Maria Maruca, moça que ajuda nos afazeres domésticos. Circundada pelas lembranças e objetos dos pais e irmãos falecidos (todos por doença) a menina que “Graças a Deus escapou!” é protegida de todo tipo de mal, por ter saúde frágil. Buscamos nesse trabalho examinar, a partir da leitura em profundida da narrativa, a possibilidade de que a superproteção dos adultos possa interferir substancialmente na relação dessa personagem com a morte e sua experiência da vida, uma vez que Olhinhos de gato é uma menina enferma. Traremos para nosso estudo, como suporte teórico leituras relacionadas à narrativa da doença (SONTAG, 2007; KLEINMAN, 1988; CHARON 2004, 2005 e 2011, dentre outros) e observaremos em que moldes se dá, nessa narrativa, o cuidado da criança doente, os espaços que ela ocupa nos momentos de fragilidade e dor, a representação dos sintomas, e de que forma essas atitudes colaboram para a manutenção de costumes (lembremos que a realidade que figura na narrativa é a das primeiras décadas do século XX no Brasil) que relacionam a doença à sujeira e à morte, palavra e presença interdita na narração. A partir dessas considerações será possível perceber que os cuidados dos adultos cerceiam a liberdade de trânsito da criança, restringindo intensamente o contato com seus iguais, além da sustentação de uma atmosfera de morbidade que incentiva o medo aterrorizante que a morte possa atingir a própria criança e os entes queridos a sua volta."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_1010_f9a3c2d0c72eeac35d2a27f704f32c80.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "JENNIFER PEREIRA GOMES"
    "autor_nome_curto" => "JENNIFER PEREIRA"
    "autor_email" => "jenniferpereira@gmail.com"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ - UFC"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 4355
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 594
    "inscrito_id" => 1010
    "titulo" => "BALÕES VERMELHOS E BEXIGAS: FRAGILIDADE E SUPERPROTEÇÃO DO CORPO INFANTIL NA MANUTENÇÃO DO MEDO DA MORTE EM OLHINHOS DE GATO"
    "resumo" => "Olhinhos de Gato, narrativa de natureza autobiográfica de Cecília Meireles, traz as memórias de infância da autora transfiguradas poeticamente a partir da escrita literária. São narradas as vivências da frágil órfã Olhinhos de Gato, que vive com sua avó Boquinha de Doce, a negra Dentinho de Arroz e Maria Maruca, moça que ajuda nos afazeres domésticos. Circundada pelas lembranças e objetos dos pais e irmãos falecidos (todos por doença) a menina que “Graças a Deus escapou!” é protegida de todo tipo de mal, por ter saúde frágil. Buscamos nesse trabalho examinar, a partir da leitura em profundida da narrativa, a possibilidade de que a superproteção dos adultos possa interferir substancialmente na relação dessa personagem com a morte e sua experiência da vida, uma vez que Olhinhos de gato é uma menina enferma. Traremos para nosso estudo, como suporte teórico leituras relacionadas à narrativa da doença (SONTAG, 2007; KLEINMAN, 1988; CHARON 2004, 2005 e 2011, dentre outros) e observaremos em que moldes se dá, nessa narrativa, o cuidado da criança doente, os espaços que ela ocupa nos momentos de fragilidade e dor, a representação dos sintomas, e de que forma essas atitudes colaboram para a manutenção de costumes (lembremos que a realidade que figura na narrativa é a das primeiras décadas do século XX no Brasil) que relacionam a doença à sujeira e à morte, palavra e presença interdita na narração. A partir dessas considerações será possível perceber que os cuidados dos adultos cerceiam a liberdade de trânsito da criança, restringindo intensamente o contato com seus iguais, além da sustentação de uma atmosfera de morbidade que incentiva o medo aterrorizante que a morte possa atingir a própria criança e os entes queridos a sua volta."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_1010_f9a3c2d0c72eeac35d2a27f704f32c80.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "JENNIFER PEREIRA GOMES"
    "autor_nome_curto" => "JENNIFER PEREIRA"
    "autor_email" => "jenniferpereira@gmail.com"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ - UFC"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 12 de julho de 2013

Resumo

Olhinhos de Gato, narrativa de natureza autobiográfica de Cecília Meireles, traz as memórias de infância da autora transfiguradas poeticamente a partir da escrita literária. São narradas as vivências da frágil órfã Olhinhos de Gato, que vive com sua avó Boquinha de Doce, a negra Dentinho de Arroz e Maria Maruca, moça que ajuda nos afazeres domésticos. Circundada pelas lembranças e objetos dos pais e irmãos falecidos (todos por doença) a menina que “Graças a Deus escapou!” é protegida de todo tipo de mal, por ter saúde frágil. Buscamos nesse trabalho examinar, a partir da leitura em profundida da narrativa, a possibilidade de que a superproteção dos adultos possa interferir substancialmente na relação dessa personagem com a morte e sua experiência da vida, uma vez que Olhinhos de gato é uma menina enferma. Traremos para nosso estudo, como suporte teórico leituras relacionadas à narrativa da doença (SONTAG, 2007; KLEINMAN, 1988; CHARON 2004, 2005 e 2011, dentre outros) e observaremos em que moldes se dá, nessa narrativa, o cuidado da criança doente, os espaços que ela ocupa nos momentos de fragilidade e dor, a representação dos sintomas, e de que forma essas atitudes colaboram para a manutenção de costumes (lembremos que a realidade que figura na narrativa é a das primeiras décadas do século XX no Brasil) que relacionam a doença à sujeira e à morte, palavra e presença interdita na narração. A partir dessas considerações será possível perceber que os cuidados dos adultos cerceiam a liberdade de trânsito da criança, restringindo intensamente o contato com seus iguais, além da sustentação de uma atmosfera de morbidade que incentiva o medo aterrorizante que a morte possa atingir a própria criança e os entes queridos a sua volta.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.