Artigo Anais ABRALIC Internacional

ANAIS de Evento

ISSN: 2317-157X

A ESCRITURA DO TÉDIO EM JOÃO GILBERTO NOLL

"2013-07-12 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 4312
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 839
    "inscrito_id" => 1124
    "titulo" => "A ESCRITURA DO TÉDIO EM JOÃO GILBERTO NOLL"
    "resumo" => "Nas curvas espiraladas das poéticas contemporâneas e nos espaços das ficções em trânsito, instauram-se os nomadismos da escritura do artista João Gilberto Noll. Uma escrita nômade que desterritorializa a língua, através do errar que é dos ontos, o mais humano, pois é condição humana vivenciar o erro. O narrador errante nolliano, na constituição da obra, se destece ao desenrolar da linguagem, numa trama que invade o corpo e a alma dos personagens repletos de tédio, quase estrangeiros de si mesmo, moventes no tempo e no espaço. Personas à beira do abismo, à beira do tédio que vai de encontro ao leitor. Nessa perspectiva, objetiva-se estudar o aspecto do tédio no romance Harmada (1993) e suas implicações para a desconstrução do modelo romanesco. Em Noll, observa-se um romance de deformação, revelador de tensões entre um movimento de letargia e outro de fúria. Vetores de forças e intensidades que provocam choques. A narrativa é compreendida neste artigo, pelo viés da crítica literária, como marcas de uma potência denotadora de uma das estratégias profícuas na pós-modernidade.  Para se compreender o ato de escrever de Noll, verifica-se que a linguagem é descascada ao caroço, o autor vai do talo às sementes para retratar no tédio não apenas a condição abismal, mas a simples condição do ente – doente e suas consequências na literatura, para a arte e para o conhecimento da condição existencial humana. A pesquisa circunscreve-se com fundamentação teórico-metodológica no horizonte da crítica pós-estruturalista, no que concerne aos pensadores críticos e teóricos: Derrida (2009), Deleuze (1995), Foucault (1996;2001), Barthes(1977), Svendsen (2006) e Hutcheon (1999). Por fim, este estudo aborda a relação entre a escritura e a experiência do tédio como ponto de inflexão no “des-romance”, gerando confrontos paradoxais refletidos no ato estratégico de escrever literatura, da qual extrai o mais singular efeito, incorporado no devir de ser-escritor entediado consigo, com o mundo, com a arte literária frente à página do leitor de Noll."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_1124_befae3044e44af09db47c023c0b74525.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "FRANCISCO LEANDRO TORRES"
    "autor_nome_curto" => "LEANDRO L."
    "autor_email" => "paz_verde7@hotmail.com"
    "autor_ies" => "UFRN"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 4312
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 839
    "inscrito_id" => 1124
    "titulo" => "A ESCRITURA DO TÉDIO EM JOÃO GILBERTO NOLL"
    "resumo" => "Nas curvas espiraladas das poéticas contemporâneas e nos espaços das ficções em trânsito, instauram-se os nomadismos da escritura do artista João Gilberto Noll. Uma escrita nômade que desterritorializa a língua, através do errar que é dos ontos, o mais humano, pois é condição humana vivenciar o erro. O narrador errante nolliano, na constituição da obra, se destece ao desenrolar da linguagem, numa trama que invade o corpo e a alma dos personagens repletos de tédio, quase estrangeiros de si mesmo, moventes no tempo e no espaço. Personas à beira do abismo, à beira do tédio que vai de encontro ao leitor. Nessa perspectiva, objetiva-se estudar o aspecto do tédio no romance Harmada (1993) e suas implicações para a desconstrução do modelo romanesco. Em Noll, observa-se um romance de deformação, revelador de tensões entre um movimento de letargia e outro de fúria. Vetores de forças e intensidades que provocam choques. A narrativa é compreendida neste artigo, pelo viés da crítica literária, como marcas de uma potência denotadora de uma das estratégias profícuas na pós-modernidade.  Para se compreender o ato de escrever de Noll, verifica-se que a linguagem é descascada ao caroço, o autor vai do talo às sementes para retratar no tédio não apenas a condição abismal, mas a simples condição do ente – doente e suas consequências na literatura, para a arte e para o conhecimento da condição existencial humana. A pesquisa circunscreve-se com fundamentação teórico-metodológica no horizonte da crítica pós-estruturalista, no que concerne aos pensadores críticos e teóricos: Derrida (2009), Deleuze (1995), Foucault (1996;2001), Barthes(1977), Svendsen (2006) e Hutcheon (1999). Por fim, este estudo aborda a relação entre a escritura e a experiência do tédio como ponto de inflexão no “des-romance”, gerando confrontos paradoxais refletidos no ato estratégico de escrever literatura, da qual extrai o mais singular efeito, incorporado no devir de ser-escritor entediado consigo, com o mundo, com a arte literária frente à página do leitor de Noll."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_1124_befae3044e44af09db47c023c0b74525.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "FRANCISCO LEANDRO TORRES"
    "autor_nome_curto" => "LEANDRO L."
    "autor_email" => "paz_verde7@hotmail.com"
    "autor_ies" => "UFRN"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 12 de julho de 2013

Resumo

Nas curvas espiraladas das poéticas contemporâneas e nos espaços das ficções em trânsito, instauram-se os nomadismos da escritura do artista João Gilberto Noll. Uma escrita nômade que desterritorializa a língua, através do errar que é dos ontos, o mais humano, pois é condição humana vivenciar o erro. O narrador errante nolliano, na constituição da obra, se destece ao desenrolar da linguagem, numa trama que invade o corpo e a alma dos personagens repletos de tédio, quase estrangeiros de si mesmo, moventes no tempo e no espaço. Personas à beira do abismo, à beira do tédio que vai de encontro ao leitor. Nessa perspectiva, objetiva-se estudar o aspecto do tédio no romance Harmada (1993) e suas implicações para a desconstrução do modelo romanesco. Em Noll, observa-se um romance de deformação, revelador de tensões entre um movimento de letargia e outro de fúria. Vetores de forças e intensidades que provocam choques. A narrativa é compreendida neste artigo, pelo viés da crítica literária, como marcas de uma potência denotadora de uma das estratégias profícuas na pós-modernidade. Para se compreender o ato de escrever de Noll, verifica-se que a linguagem é descascada ao caroço, o autor vai do talo às sementes para retratar no tédio não apenas a condição abismal, mas a simples condição do ente – doente e suas consequências na literatura, para a arte e para o conhecimento da condição existencial humana. A pesquisa circunscreve-se com fundamentação teórico-metodológica no horizonte da crítica pós-estruturalista, no que concerne aos pensadores críticos e teóricos: Derrida (2009), Deleuze (1995), Foucault (1996;2001), Barthes(1977), Svendsen (2006) e Hutcheon (1999). Por fim, este estudo aborda a relação entre a escritura e a experiência do tédio como ponto de inflexão no “des-romance”, gerando confrontos paradoxais refletidos no ato estratégico de escrever literatura, da qual extrai o mais singular efeito, incorporado no devir de ser-escritor entediado consigo, com o mundo, com a arte literária frente à página do leitor de Noll.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.