Artigo Anais ABRALIC Internacional

ANAIS de Evento

ISSN: 2317-157X

ESPAÇO-TEMPO NO HAICAI E EM SUAS TRADUÇÕES

"2013-07-12 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 4311
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 961
    "inscrito_id" => 1021
    "titulo" => "ESPAÇO-TEMPO NO HAICAI E EM SUAS TRADUÇÕES"
    "resumo" => "A poesia que conhecemos como haicai possui uma íntima relação com a cultura e a língua japonesa. Quando transposta para um contexto sócio-cultural radicalmente diferente, inserindo-se nas tradições literárias do ocidente, essa poética sofre uma torção não apenas em seu campo linguístico e formal, mas nas próprias formas de percepção do real implícitas na composição do poema. Essa percepção passa, necessariamente, pelos campos do espaço e do tempo, na forma como eles são intuídos e explorados nas tradições literárias do ocidente e do oriente. Através da análise do haicai da rã, composto por Matsuo Bashô, no século XVII, em cotejo com duas traduções para o português do referido poema, o trabalho analisa essas torções espaço-temporais implícitas na transposição do texto. As transcrições estudadas obedecem a procedimentos distintos de tradução: o experimento poético proposto por Haroldo de Campos sobre o trabalho de Bashô e a tentativa de literalidade ensaiada por Paulo Franchetti e Elza Taeko Doi. Considera-se, em um primeiro momento, as próprias especificidades da língua e do sistema ideográfico do japonês, identificando nesses aspectos o que interfere na própria percepção do leitor. Para tanto, partimos da análise de Ernest Fenollosa, 'Os caracteres da escrita chinesa como instrumento para a poesia', que lê o ideograma como representação pictórica, possibilitando assim uma poética irredutivelmente gráfica. Essa pictografia, transposta para o sistema linguístico ocidental, exige uma redistribuição diferenciada da mancha sobre o fundo branco, refletindo de forma gráfica as experiências de espaço de cada cultura. As tentativas de Haroldo de Campos e Franchetti/Taeko contrapõem-se nesse aspecto, de acordo com as intenções e concepções de cada tradutor. Mas a experiência de espaço não restringe-se ao aspecto gráfico. Verifica-se no poema original e em suas traduções conteúdos morfológicos, sintáticos e semânticos que permitem uma visão diferenciada das concepção de espaço para cada poética. O mesmo se dá com o conceito de tempo. Observa-se que as preocupações com o tempo cíclico das estações no haicai japonês desaparece em suas traduções, sugerindo, tanto em Haroldo de Campos como em Franchetti/Taeko, uma interação diferente da arte com os ciclos naturais. Pretende-se assim investigar o que há de específico na percepção espaço-temporal de cada cultura poética, ocidental e oriental."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_1021_b26ede3d89f6a9b0504348eb84a691bf.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "FRANCISCO FREIRE DE AMORIM SEGUNDO"
    "autor_nome_curto" => "FRANCISCO SEGUNDO"
    "autor_email" => "ffasegundo@hotmail.com"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 4311
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 961
    "inscrito_id" => 1021
    "titulo" => "ESPAÇO-TEMPO NO HAICAI E EM SUAS TRADUÇÕES"
    "resumo" => "A poesia que conhecemos como haicai possui uma íntima relação com a cultura e a língua japonesa. Quando transposta para um contexto sócio-cultural radicalmente diferente, inserindo-se nas tradições literárias do ocidente, essa poética sofre uma torção não apenas em seu campo linguístico e formal, mas nas próprias formas de percepção do real implícitas na composição do poema. Essa percepção passa, necessariamente, pelos campos do espaço e do tempo, na forma como eles são intuídos e explorados nas tradições literárias do ocidente e do oriente. Através da análise do haicai da rã, composto por Matsuo Bashô, no século XVII, em cotejo com duas traduções para o português do referido poema, o trabalho analisa essas torções espaço-temporais implícitas na transposição do texto. As transcrições estudadas obedecem a procedimentos distintos de tradução: o experimento poético proposto por Haroldo de Campos sobre o trabalho de Bashô e a tentativa de literalidade ensaiada por Paulo Franchetti e Elza Taeko Doi. Considera-se, em um primeiro momento, as próprias especificidades da língua e do sistema ideográfico do japonês, identificando nesses aspectos o que interfere na própria percepção do leitor. Para tanto, partimos da análise de Ernest Fenollosa, 'Os caracteres da escrita chinesa como instrumento para a poesia', que lê o ideograma como representação pictórica, possibilitando assim uma poética irredutivelmente gráfica. Essa pictografia, transposta para o sistema linguístico ocidental, exige uma redistribuição diferenciada da mancha sobre o fundo branco, refletindo de forma gráfica as experiências de espaço de cada cultura. As tentativas de Haroldo de Campos e Franchetti/Taeko contrapõem-se nesse aspecto, de acordo com as intenções e concepções de cada tradutor. Mas a experiência de espaço não restringe-se ao aspecto gráfico. Verifica-se no poema original e em suas traduções conteúdos morfológicos, sintáticos e semânticos que permitem uma visão diferenciada das concepção de espaço para cada poética. O mesmo se dá com o conceito de tempo. Observa-se que as preocupações com o tempo cíclico das estações no haicai japonês desaparece em suas traduções, sugerindo, tanto em Haroldo de Campos como em Franchetti/Taeko, uma interação diferente da arte com os ciclos naturais. Pretende-se assim investigar o que há de específico na percepção espaço-temporal de cada cultura poética, ocidental e oriental."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_1021_b26ede3d89f6a9b0504348eb84a691bf.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "FRANCISCO FREIRE DE AMORIM SEGUNDO"
    "autor_nome_curto" => "FRANCISCO SEGUNDO"
    "autor_email" => "ffasegundo@hotmail.com"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 12 de julho de 2013

Resumo

A poesia que conhecemos como haicai possui uma íntima relação com a cultura e a língua japonesa. Quando transposta para um contexto sócio-cultural radicalmente diferente, inserindo-se nas tradições literárias do ocidente, essa poética sofre uma torção não apenas em seu campo linguístico e formal, mas nas próprias formas de percepção do real implícitas na composição do poema. Essa percepção passa, necessariamente, pelos campos do espaço e do tempo, na forma como eles são intuídos e explorados nas tradições literárias do ocidente e do oriente. Através da análise do haicai da rã, composto por Matsuo Bashô, no século XVII, em cotejo com duas traduções para o português do referido poema, o trabalho analisa essas torções espaço-temporais implícitas na transposição do texto. As transcrições estudadas obedecem a procedimentos distintos de tradução: o experimento poético proposto por Haroldo de Campos sobre o trabalho de Bashô e a tentativa de literalidade ensaiada por Paulo Franchetti e Elza Taeko Doi. Considera-se, em um primeiro momento, as próprias especificidades da língua e do sistema ideográfico do japonês, identificando nesses aspectos o que interfere na própria percepção do leitor. Para tanto, partimos da análise de Ernest Fenollosa, 'Os caracteres da escrita chinesa como instrumento para a poesia', que lê o ideograma como representação pictórica, possibilitando assim uma poética irredutivelmente gráfica. Essa pictografia, transposta para o sistema linguístico ocidental, exige uma redistribuição diferenciada da mancha sobre o fundo branco, refletindo de forma gráfica as experiências de espaço de cada cultura. As tentativas de Haroldo de Campos e Franchetti/Taeko contrapõem-se nesse aspecto, de acordo com as intenções e concepções de cada tradutor. Mas a experiência de espaço não restringe-se ao aspecto gráfico. Verifica-se no poema original e em suas traduções conteúdos morfológicos, sintáticos e semânticos que permitem uma visão diferenciada das concepção de espaço para cada poética. O mesmo se dá com o conceito de tempo. Observa-se que as preocupações com o tempo cíclico das estações no haicai japonês desaparece em suas traduções, sugerindo, tanto em Haroldo de Campos como em Franchetti/Taeko, uma interação diferente da arte com os ciclos naturais. Pretende-se assim investigar o que há de específico na percepção espaço-temporal de cada cultura poética, ocidental e oriental.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.