Artigo Anais ABRALIC Internacional

ANAIS de Evento

ISSN: 2317-157X

UMA BOTIJA E MUITOS TESOUROS: O POPULAR EM CLOTILDE TAVARES

Publicado em 12 de julho de 2013

Resumo

A discussão acerca de temas relacionados aos estudos culturais, em particular à cultura e suas tradições têm se intensificado e se destacado nos espaços acadêmicos, promovendo o resgate, o estudo e a valorização de nossas raízes culturais. No entanto, a cultura popular e suas manifestações ainda são pouco percebidas no cânone literário nacional, assim como nos espaços de discussão e no próprio ensino da literatura, pois predomina sobre eles uma visão elitista quanto ao termo Literatura. Embora a cultura elitizada, toda ela, beba nas fontes da tradição popular, em suas raízes e o aproveitamento do popular pelo cânone seja percebido nas obras de autores consagrados como Ariano Suassuna – O romance d’A pedra do reino e o príncipe do Vai-e-volta (2004), João Guimarães Rosa – Grande sertão: veredas (2010), José Lins do Rego – Histórias da velha Totônia (1981) e Jorge Amado – Tenda dos milagres (1981), tal fato ainda é pouco discutido na Academia e, em consequência, sua ausência percebida na sala de aula. Desse modo, a tradição literária corrobora, por vezes, para que textos que versem sobre o popular sejam pouco utilizados no ambiente escolar, haja vista que este toma por parâmetro a cultura letrada. Partindo destas constatações, este trabalho se propõe a refletir acerca da recepção e da leitura literária do romance A botija (2003) de Clotilde Tavares, expondo alternativas metodológicas de como o trabalho com a referida obra pode contribuir com a formação leitora do alunado a partir do diálogo intertextual que estabelece com o cordel Romance do Pavão Misterioso (2000) de José Camelo de Melo Rezende, o conto “Príncipe Pequeno” em Histórias da Velha Totônia (2001) de José Lins do Rego e o conto “História dos dois que sonharam”, pertencente As mil e uma noites e recontado por Jorge Luís Borges em História universal da infâmia e outras histórias (1975). Nosso intuito é dialogar entre os textos originais e o que foi recriado na palavra de Clotilde Tavares, contemplando os alunos em sala de aula, fornecendo-lhes elementos ou meios que lhes proporcione prazer no ato de ler. Nossa pesquisa estará embasada pelos estudos de Bamberger (2008), Bordini (1991), Pinheiro (2007), Todorov (2009), Cosson (2011), Jauss (1994) e Colomer (2007).

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.