Artigo Anais ABRALIC Internacional

ANAIS de Evento

ISSN: 2317-157X

A ESCRITA MEMORIALÍSTICA DE SUSANA GERTOPÁN: REINVENTANDO HISTÓRIAS

"2013-07-12 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1637
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 4152
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 121
    "inscrito_id" => 4
    "titulo" => "A ESCRITA MEMORIALÍSTICA DE SUSANA GERTOPÁN: REINVENTANDO HISTÓRIAS"
    "resumo" => "O capítulo pretende refletir sobre relações de gênero e interculturalidade a partir da obra El nombre prestado, da escritora paraguaia Susana Gertopán. A narrativa em análise possibilita apreender a representação literária a partir do ponto de vista de uma autora feminina, descendente de judeus que imigraram para a América Latina, especialmente para Argentina e Paraguai, no período da Segunda Guerra Mundial. Após sobreviverem ao holocausto, os homens e as mulheres retratados por Gertopán necessitam recompor suas identidades, fragmentadas entre o desejo de se manterem fiéis à tradição judaica e à necessidade de interagir com o Outro. A escrita de autoria feminina, na América Latina, é marcada por uma trajetória de opressão e de negação à voz feminina. E como o que “não está escrito não existe” (NAVARRO, 1995, p. 13), o silenciamento imposto à mulher fez com que, por um longo período, ela se mantivesse a margem dos importantes momentos históricos vividos em solo latino americano. Na década de 80 do século XX, vozes femininas inscrevem-se na história da Literatura a partir de textos engajados, que discutem política e grandes dramas humanos. Trata-se de textos que denunciam a ditadura de diferentes países latinos, que “rompem a regra do silêncio imposto à mulher e desafiam, portanto, a construção social tradicional do sujeito feminino” (NAVARRO, 1995, p. 14). Após citar os trabalhos de Isabel Allende, Nélida Piñon, Eva Luna e Gioconda Belli, Navarro lembra que ao escrever seus romances, as escritoras fixam sua forma de encarar os fatos que marcam a história. São textos críticos, políticos e reveladores, mas marcados pela voz feminina e por tudo aquilo que é caro a essa voz. Nesse sentido, As seis narrativas de Susana Gertopán, ainda não traduzidas para a Língua Portuguesa, adotam a estrutura de um texto memorialístico: uma personagem, já de idade avançada, rememora a fuga do holocausto e a luta para encontrar uma identidade que a defina. El nombre prestado (2000), segunda narrativa de Gertopán, não é diferente.  Nela, pai e filho são responsáveis por revisitar o passado. O narrador-protagonista, que na narrativa é o filho, traduz a angustia de não conseguir seguir a tradição judaica pregada por seu pai e, ao mesmo tempo, descortina ao leitor a fragilidade de seu pai frente à necessidade de interagir que uma cultura que não é a sua. Assim, a personagem Iósele, José, que depois passa a se chamar Alejandro, enquanto narra suas lembranças, apresenta as demais personagens e os conflitos que movimentam o enredo, dentre eles estão: a incompatibilidade de ideias entre ele e o pai; a angústia do pai em preservar a língua e os costumes judaicos e o sentimento de não pertencimento de ambos. O sujeito da diáspora necessita, portanto, se descontruir, para, por fim, reconstruir-se em um novo território."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_4_55e0402bf36a2d21847938470d49df82.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:25"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "ALEXANDRA SANTOS PINHEIRO"
    "autor_nome_curto" => "ALEXANDRA PINHEIRO"
    "autor_email" => "alexandrasantospinheiro@y"
    "autor_ies" => "UNICAMP"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 4152
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 121
    "inscrito_id" => 4
    "titulo" => "A ESCRITA MEMORIALÍSTICA DE SUSANA GERTOPÁN: REINVENTANDO HISTÓRIAS"
    "resumo" => "O capítulo pretende refletir sobre relações de gênero e interculturalidade a partir da obra El nombre prestado, da escritora paraguaia Susana Gertopán. A narrativa em análise possibilita apreender a representação literária a partir do ponto de vista de uma autora feminina, descendente de judeus que imigraram para a América Latina, especialmente para Argentina e Paraguai, no período da Segunda Guerra Mundial. Após sobreviverem ao holocausto, os homens e as mulheres retratados por Gertopán necessitam recompor suas identidades, fragmentadas entre o desejo de se manterem fiéis à tradição judaica e à necessidade de interagir com o Outro. A escrita de autoria feminina, na América Latina, é marcada por uma trajetória de opressão e de negação à voz feminina. E como o que “não está escrito não existe” (NAVARRO, 1995, p. 13), o silenciamento imposto à mulher fez com que, por um longo período, ela se mantivesse a margem dos importantes momentos históricos vividos em solo latino americano. Na década de 80 do século XX, vozes femininas inscrevem-se na história da Literatura a partir de textos engajados, que discutem política e grandes dramas humanos. Trata-se de textos que denunciam a ditadura de diferentes países latinos, que “rompem a regra do silêncio imposto à mulher e desafiam, portanto, a construção social tradicional do sujeito feminino” (NAVARRO, 1995, p. 14). Após citar os trabalhos de Isabel Allende, Nélida Piñon, Eva Luna e Gioconda Belli, Navarro lembra que ao escrever seus romances, as escritoras fixam sua forma de encarar os fatos que marcam a história. São textos críticos, políticos e reveladores, mas marcados pela voz feminina e por tudo aquilo que é caro a essa voz. Nesse sentido, As seis narrativas de Susana Gertopán, ainda não traduzidas para a Língua Portuguesa, adotam a estrutura de um texto memorialístico: uma personagem, já de idade avançada, rememora a fuga do holocausto e a luta para encontrar uma identidade que a defina. El nombre prestado (2000), segunda narrativa de Gertopán, não é diferente.  Nela, pai e filho são responsáveis por revisitar o passado. O narrador-protagonista, que na narrativa é o filho, traduz a angustia de não conseguir seguir a tradição judaica pregada por seu pai e, ao mesmo tempo, descortina ao leitor a fragilidade de seu pai frente à necessidade de interagir que uma cultura que não é a sua. Assim, a personagem Iósele, José, que depois passa a se chamar Alejandro, enquanto narra suas lembranças, apresenta as demais personagens e os conflitos que movimentam o enredo, dentre eles estão: a incompatibilidade de ideias entre ele e o pai; a angústia do pai em preservar a língua e os costumes judaicos e o sentimento de não pertencimento de ambos. O sujeito da diáspora necessita, portanto, se descontruir, para, por fim, reconstruir-se em um novo território."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_4_55e0402bf36a2d21847938470d49df82.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:25"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "ALEXANDRA SANTOS PINHEIRO"
    "autor_nome_curto" => "ALEXANDRA PINHEIRO"
    "autor_email" => "alexandrasantospinheiro@y"
    "autor_ies" => "UNICAMP"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 12 de julho de 2013

Resumo

O capítulo pretende refletir sobre relações de gênero e interculturalidade a partir da obra El nombre prestado, da escritora paraguaia Susana Gertopán. A narrativa em análise possibilita apreender a representação literária a partir do ponto de vista de uma autora feminina, descendente de judeus que imigraram para a América Latina, especialmente para Argentina e Paraguai, no período da Segunda Guerra Mundial. Após sobreviverem ao holocausto, os homens e as mulheres retratados por Gertopán necessitam recompor suas identidades, fragmentadas entre o desejo de se manterem fiéis à tradição judaica e à necessidade de interagir com o Outro. A escrita de autoria feminina, na América Latina, é marcada por uma trajetória de opressão e de negação à voz feminina. E como o que “não está escrito não existe” (NAVARRO, 1995, p. 13), o silenciamento imposto à mulher fez com que, por um longo período, ela se mantivesse a margem dos importantes momentos históricos vividos em solo latino americano. Na década de 80 do século XX, vozes femininas inscrevem-se na história da Literatura a partir de textos engajados, que discutem política e grandes dramas humanos. Trata-se de textos que denunciam a ditadura de diferentes países latinos, que “rompem a regra do silêncio imposto à mulher e desafiam, portanto, a construção social tradicional do sujeito feminino” (NAVARRO, 1995, p. 14). Após citar os trabalhos de Isabel Allende, Nélida Piñon, Eva Luna e Gioconda Belli, Navarro lembra que ao escrever seus romances, as escritoras fixam sua forma de encarar os fatos que marcam a história. São textos críticos, políticos e reveladores, mas marcados pela voz feminina e por tudo aquilo que é caro a essa voz. Nesse sentido, As seis narrativas de Susana Gertopán, ainda não traduzidas para a Língua Portuguesa, adotam a estrutura de um texto memorialístico: uma personagem, já de idade avançada, rememora a fuga do holocausto e a luta para encontrar uma identidade que a defina. El nombre prestado (2000), segunda narrativa de Gertopán, não é diferente. Nela, pai e filho são responsáveis por revisitar o passado. O narrador-protagonista, que na narrativa é o filho, traduz a angustia de não conseguir seguir a tradição judaica pregada por seu pai e, ao mesmo tempo, descortina ao leitor a fragilidade de seu pai frente à necessidade de interagir que uma cultura que não é a sua. Assim, a personagem Iósele, José, que depois passa a se chamar Alejandro, enquanto narra suas lembranças, apresenta as demais personagens e os conflitos que movimentam o enredo, dentre eles estão: a incompatibilidade de ideias entre ele e o pai; a angústia do pai em preservar a língua e os costumes judaicos e o sentimento de não pertencimento de ambos. O sujeito da diáspora necessita, portanto, se descontruir, para, por fim, reconstruir-se em um novo território.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.