Artigo Anais IV SINALGE

ANAIS de Evento

ISSN: 2527-0028

LETRAMENTO LITERÁRIO E A CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS EM SALA DE AULA: UM DIÁLOGO ENTRE FÁBULA E POESIA

Palavra-chaves: POESIA, CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS, FORMAÇÃO DO LEITOR INFANTO-JUVENIL Comunicação Oral (CO) GT17-LITERATURA INFANTOJUVENIL E DIVERSIDADE DE GÊNEROS LITERÁRIOS
"2017-04-27 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 27418
    "edicao_id" => 57
    "trabalho_id" => 466
    "inscrito_id" => 1460
    "titulo" => "LETRAMENTO LITERÁRIO E A CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS EM SALA DE AULA: UM DIÁLOGO ENTRE FÁBULA E POESIA"
    "resumo" => "Muitas discussões teóricas (Rojo, Lajolo, Kleiman, Pinheiro) têm fundamentado as práticas de letramento na escola como caminho para a formação crítica dos educandos. Rojo em Letramentos múltiplos, escola e inclusão social nos diz que o letramento pode ser construído através da prática de leituras de textos literários, já que a experiência com a literatura pode gerar um percurso significativo no processo de ensino e aprendizagem. Diante das questões reverberadas anteriormente, a nossa proposta aponta a contação de histórias feita por meio dos gêneros fábula e poesia como uma perspectiva relevante para a formação crítica do leitor infanto-juvenil, uma vez que apresenta diferentes perspectivas de uma mesma história modalizadas conforme a intencionalidade e o gênero literário. A contação de histórias sempre teve um papel determinante na educação, e em sociedades antigas representava o eixo central de transmissão de valores através da narrativa oral, como se deu na África do poeta Amadou Ampâté Bá. Com a expansão urbana e industrial a contação oral das histórias foi minimizada. As histórias orais se não deram lugar, motivaram o surgimento das narrativas escritas de caráter popular, a exemplo das fábulas. Nesse contexto, o novo contador de histórias é aquele que se apropria da palavra escrita para representar os valores da tradição e preservar, assim, a memória coletiva que ratifica a identidade de um povo. Premissa que já ressalta a presença salutar das histórias populares como meio de encontro com a própria cultura, e por isso mesmo, estimulante no processo ensino/aprendizagem. Os novos contadores através de cordéis, fábulas e contos populares matizam lendas, mitos e histórias que estão no imaginário popular, estimulando por meio de um tecido dialógico ou intertextual a empatia do leitor infanto-juvenil, promovendo por sua vez a fruição estética, a interpretação do texto e consequentemente do mundo. Por isso, procuraremos discutir como as narrativas da oralidade estão representadas nos gêneros fábula e poesia e como esses gêneros podem ser trabalhados na contação de histórias e no processo de formação do leitor. Para isso faremos uma discussão crítica das fábulas A cigarra e a formiga, de Esopo; A cigarra e a formiga, de Monteiro Lobato e dos poemas A cigarra e a formiga, de João de Deus; A cigarra, de Da Costa e Silva e As cigarras, de Sérgio de Castro Pinto."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "GT17-LITERATURA INFANTOJUVENIL E DIVERSIDADE DE GÊNEROS LITERÁRIOS"
    "palavra_chave" => "POESIA, CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS, FORMAÇÃO DO LEITOR INFANTO-JUVENIL"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV066_MD1_SA17_ID1460_20032017122200.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:13"
    "updated_at" => "2020-06-10 12:56:12"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "MARIA GENECLEIDE DIAS DE SOUZA"
    "autor_nome_curto" => "GENECLEIDE DIAS"
    "autor_email" => "genecleidecz@hotmail.com"
    "autor_ies" => "UFPB"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-iv-sinalge"
    "edicao_nome" => "Anais IV SINALGE"
    "edicao_evento" => "IV Simpósio Nacional de Linguagens e Gêneros Textuais"
    "edicao_ano" => 2017
    "edicao_pasta" => "anais/sinalge/2017"
    "edicao_logo" => "5e4d8586dda3e_19022020155918.png"
    "edicao_capa" => "5f1880a141ece_22072020150833.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2017-04-27 00:00:00"
    "publicacao_id" => 35
    "publicacao_nome" => "Anais SINALGE"
    "publicacao_codigo" => "2527-0028"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 27418
    "edicao_id" => 57
    "trabalho_id" => 466
    "inscrito_id" => 1460
    "titulo" => "LETRAMENTO LITERÁRIO E A CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS EM SALA DE AULA: UM DIÁLOGO ENTRE FÁBULA E POESIA"
    "resumo" => "Muitas discussões teóricas (Rojo, Lajolo, Kleiman, Pinheiro) têm fundamentado as práticas de letramento na escola como caminho para a formação crítica dos educandos. Rojo em Letramentos múltiplos, escola e inclusão social nos diz que o letramento pode ser construído através da prática de leituras de textos literários, já que a experiência com a literatura pode gerar um percurso significativo no processo de ensino e aprendizagem. Diante das questões reverberadas anteriormente, a nossa proposta aponta a contação de histórias feita por meio dos gêneros fábula e poesia como uma perspectiva relevante para a formação crítica do leitor infanto-juvenil, uma vez que apresenta diferentes perspectivas de uma mesma história modalizadas conforme a intencionalidade e o gênero literário. A contação de histórias sempre teve um papel determinante na educação, e em sociedades antigas representava o eixo central de transmissão de valores através da narrativa oral, como se deu na África do poeta Amadou Ampâté Bá. Com a expansão urbana e industrial a contação oral das histórias foi minimizada. As histórias orais se não deram lugar, motivaram o surgimento das narrativas escritas de caráter popular, a exemplo das fábulas. Nesse contexto, o novo contador de histórias é aquele que se apropria da palavra escrita para representar os valores da tradição e preservar, assim, a memória coletiva que ratifica a identidade de um povo. Premissa que já ressalta a presença salutar das histórias populares como meio de encontro com a própria cultura, e por isso mesmo, estimulante no processo ensino/aprendizagem. Os novos contadores através de cordéis, fábulas e contos populares matizam lendas, mitos e histórias que estão no imaginário popular, estimulando por meio de um tecido dialógico ou intertextual a empatia do leitor infanto-juvenil, promovendo por sua vez a fruição estética, a interpretação do texto e consequentemente do mundo. Por isso, procuraremos discutir como as narrativas da oralidade estão representadas nos gêneros fábula e poesia e como esses gêneros podem ser trabalhados na contação de histórias e no processo de formação do leitor. Para isso faremos uma discussão crítica das fábulas A cigarra e a formiga, de Esopo; A cigarra e a formiga, de Monteiro Lobato e dos poemas A cigarra e a formiga, de João de Deus; A cigarra, de Da Costa e Silva e As cigarras, de Sérgio de Castro Pinto."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "GT17-LITERATURA INFANTOJUVENIL E DIVERSIDADE DE GÊNEROS LITERÁRIOS"
    "palavra_chave" => "POESIA, CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS, FORMAÇÃO DO LEITOR INFANTO-JUVENIL"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV066_MD1_SA17_ID1460_20032017122200.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:13"
    "updated_at" => "2020-06-10 12:56:12"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "MARIA GENECLEIDE DIAS DE SOUZA"
    "autor_nome_curto" => "GENECLEIDE DIAS"
    "autor_email" => "genecleidecz@hotmail.com"
    "autor_ies" => "UFPB"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-iv-sinalge"
    "edicao_nome" => "Anais IV SINALGE"
    "edicao_evento" => "IV Simpósio Nacional de Linguagens e Gêneros Textuais"
    "edicao_ano" => 2017
    "edicao_pasta" => "anais/sinalge/2017"
    "edicao_logo" => "5e4d8586dda3e_19022020155918.png"
    "edicao_capa" => "5f1880a141ece_22072020150833.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2017-04-27 00:00:00"
    "publicacao_id" => 35
    "publicacao_nome" => "Anais SINALGE"
    "publicacao_codigo" => "2527-0028"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 27 de abril de 2017

Resumo

Muitas discussões teóricas (Rojo, Lajolo, Kleiman, Pinheiro) têm fundamentado as práticas de letramento na escola como caminho para a formação crítica dos educandos. Rojo em Letramentos múltiplos, escola e inclusão social nos diz que o letramento pode ser construído através da prática de leituras de textos literários, já que a experiência com a literatura pode gerar um percurso significativo no processo de ensino e aprendizagem. Diante das questões reverberadas anteriormente, a nossa proposta aponta a contação de histórias feita por meio dos gêneros fábula e poesia como uma perspectiva relevante para a formação crítica do leitor infanto-juvenil, uma vez que apresenta diferentes perspectivas de uma mesma história modalizadas conforme a intencionalidade e o gênero literário. A contação de histórias sempre teve um papel determinante na educação, e em sociedades antigas representava o eixo central de transmissão de valores através da narrativa oral, como se deu na África do poeta Amadou Ampâté Bá. Com a expansão urbana e industrial a contação oral das histórias foi minimizada. As histórias orais se não deram lugar, motivaram o surgimento das narrativas escritas de caráter popular, a exemplo das fábulas. Nesse contexto, o novo contador de histórias é aquele que se apropria da palavra escrita para representar os valores da tradição e preservar, assim, a memória coletiva que ratifica a identidade de um povo. Premissa que já ressalta a presença salutar das histórias populares como meio de encontro com a própria cultura, e por isso mesmo, estimulante no processo ensino/aprendizagem. Os novos contadores através de cordéis, fábulas e contos populares matizam lendas, mitos e histórias que estão no imaginário popular, estimulando por meio de um tecido dialógico ou intertextual a empatia do leitor infanto-juvenil, promovendo por sua vez a fruição estética, a interpretação do texto e consequentemente do mundo. Por isso, procuraremos discutir como as narrativas da oralidade estão representadas nos gêneros fábula e poesia e como esses gêneros podem ser trabalhados na contação de histórias e no processo de formação do leitor. Para isso faremos uma discussão crítica das fábulas A cigarra e a formiga, de Esopo; A cigarra e a formiga, de Monteiro Lobato e dos poemas A cigarra e a formiga, de João de Deus; A cigarra, de Da Costa e Silva e As cigarras, de Sérgio de Castro Pinto.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.