Artigo Anais IV SINALGE

ANAIS de Evento

ISSN: 2527-0028

FACEBOOK: EMBATES DIALÓGICOS E VALORAÇÕES

Palavra-chaves: PRÁTICAS DISCURSIVAS, FACEBOOK, POSICIONAMENTO IDEOLÓGICO, POLÊMICA ABERTA, POLÊMICA ABERTA Comunicação Oral (CO) GT06-AS PRÁTICAS DISCURSIVAS DO COTIDIANO: ENTRE O PODER E A RESISTÊNCIA
"2017-04-27 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 27348
    "edicao_id" => 57
    "trabalho_id" => 512
    "inscrito_id" => 1461
    "titulo" => "FACEBOOK: EMBATES DIALÓGICOS E VALORAÇÕES"
    "resumo" => "A contemporaneidade se apresenta fluida (BAUMAN, 2001), uma vez que o tempo e o espaço se apresentam marcados pela dinamicidade e pelo movimento incessante. A quebra dos sólidos, das verdades inabaláveis, dos discursos engessados e das instituições impenetráveis, tem nos lançado para a investigação de práticas discursivas que se dão em esferas que demandam a construção de conhecimento a fim de se compreender o sujeito que se gesta nessa contemporaneidade fluida. As redes sociais, especificamente o Facebook, estão no cotidiano das pessoas, como espaço sócio-discursivo que amplia/potencializa/amplifica e promove o surgimento de vários gêneros discursivos e suportes de texto. As novas interações construídas e constituídas pela/na internet geram novas relações sociais, novos padrões de relacionamento com o outro e com o mundo, posicionamentos ideológicos e situados axiologicamente. Este trabalho objetiva analisar os posicionamentos que foram/são construídos pelos sujeitos, na rede social em questão, e como se constituem, discursivamente, as polêmicas abertas e veladas encontradas no corpus de análise. O recorte se dará temporalmente, delimitando-se um período de postagens que recobre o processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, desde a sua admissibilidade até a sua conclusão, nas páginas Verdade sem manipulação e Movimento Endireita Brasil.  Para analisar esse corpus, recorre-se ao aporte teórico de Bakhtin e o Círculo (1993, 2016) no que diz respeito às concepções de linguagem constitutivamente dialógica, de polêmicas abertas e veladas, de embate dialógico; no que concerne à modernidade líquida, recorre-se às postulações de Bauman (2001) e de cultura da conexão de Jenkins (2014). A construção dos dados, em andamento na investigação, dá-se a partir do enfoque da pesquisa qualitativo-interpretativista, lançando mão da interpretação dos índices linguístico/discursivos, a partir do paradigma indiciário de Ginsburg (1990)."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "GT06-AS PRÁTICAS DISCURSIVAS DO COTIDIANO: ENTRE O PODER E A RESISTÊNCIA"
    "palavra_chave" => "PRÁTICAS DISCURSIVAS, FACEBOOK, POSICIONAMENTO IDEOLÓGICO, POLÊMICA ABERTA, POLÊMICA ABERTA"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV066_MD1_SA6_ID1461_22032017122624.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:13"
    "updated_at" => "2020-06-10 12:56:12"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "MORGANA LOBÃO DOS SANTOS PAZ"
    "autor_nome_curto" => "MORGANA LOBÃO"
    "autor_email" => "morganalobao@hotmail.com"
    "autor_ies" => "UFRN"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-iv-sinalge"
    "edicao_nome" => "Anais IV SINALGE"
    "edicao_evento" => "IV Simpósio Nacional de Linguagens e Gêneros Textuais"
    "edicao_ano" => 2017
    "edicao_pasta" => "anais/sinalge/2017"
    "edicao_logo" => "5e4d8586dda3e_19022020155918.png"
    "edicao_capa" => "5f1880a141ece_22072020150833.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2017-04-27 00:00:00"
    "publicacao_id" => 35
    "publicacao_nome" => "Anais SINALGE"
    "publicacao_codigo" => "2527-0028"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 27348
    "edicao_id" => 57
    "trabalho_id" => 512
    "inscrito_id" => 1461
    "titulo" => "FACEBOOK: EMBATES DIALÓGICOS E VALORAÇÕES"
    "resumo" => "A contemporaneidade se apresenta fluida (BAUMAN, 2001), uma vez que o tempo e o espaço se apresentam marcados pela dinamicidade e pelo movimento incessante. A quebra dos sólidos, das verdades inabaláveis, dos discursos engessados e das instituições impenetráveis, tem nos lançado para a investigação de práticas discursivas que se dão em esferas que demandam a construção de conhecimento a fim de se compreender o sujeito que se gesta nessa contemporaneidade fluida. As redes sociais, especificamente o Facebook, estão no cotidiano das pessoas, como espaço sócio-discursivo que amplia/potencializa/amplifica e promove o surgimento de vários gêneros discursivos e suportes de texto. As novas interações construídas e constituídas pela/na internet geram novas relações sociais, novos padrões de relacionamento com o outro e com o mundo, posicionamentos ideológicos e situados axiologicamente. Este trabalho objetiva analisar os posicionamentos que foram/são construídos pelos sujeitos, na rede social em questão, e como se constituem, discursivamente, as polêmicas abertas e veladas encontradas no corpus de análise. O recorte se dará temporalmente, delimitando-se um período de postagens que recobre o processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, desde a sua admissibilidade até a sua conclusão, nas páginas Verdade sem manipulação e Movimento Endireita Brasil.  Para analisar esse corpus, recorre-se ao aporte teórico de Bakhtin e o Círculo (1993, 2016) no que diz respeito às concepções de linguagem constitutivamente dialógica, de polêmicas abertas e veladas, de embate dialógico; no que concerne à modernidade líquida, recorre-se às postulações de Bauman (2001) e de cultura da conexão de Jenkins (2014). A construção dos dados, em andamento na investigação, dá-se a partir do enfoque da pesquisa qualitativo-interpretativista, lançando mão da interpretação dos índices linguístico/discursivos, a partir do paradigma indiciário de Ginsburg (1990)."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "GT06-AS PRÁTICAS DISCURSIVAS DO COTIDIANO: ENTRE O PODER E A RESISTÊNCIA"
    "palavra_chave" => "PRÁTICAS DISCURSIVAS, FACEBOOK, POSICIONAMENTO IDEOLÓGICO, POLÊMICA ABERTA, POLÊMICA ABERTA"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV066_MD1_SA6_ID1461_22032017122624.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:13"
    "updated_at" => "2020-06-10 12:56:12"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "MORGANA LOBÃO DOS SANTOS PAZ"
    "autor_nome_curto" => "MORGANA LOBÃO"
    "autor_email" => "morganalobao@hotmail.com"
    "autor_ies" => "UFRN"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-iv-sinalge"
    "edicao_nome" => "Anais IV SINALGE"
    "edicao_evento" => "IV Simpósio Nacional de Linguagens e Gêneros Textuais"
    "edicao_ano" => 2017
    "edicao_pasta" => "anais/sinalge/2017"
    "edicao_logo" => "5e4d8586dda3e_19022020155918.png"
    "edicao_capa" => "5f1880a141ece_22072020150833.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2017-04-27 00:00:00"
    "publicacao_id" => 35
    "publicacao_nome" => "Anais SINALGE"
    "publicacao_codigo" => "2527-0028"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 27 de abril de 2017

Resumo

A contemporaneidade se apresenta fluida (BAUMAN, 2001), uma vez que o tempo e o espaço se apresentam marcados pela dinamicidade e pelo movimento incessante. A quebra dos sólidos, das verdades inabaláveis, dos discursos engessados e das instituições impenetráveis, tem nos lançado para a investigação de práticas discursivas que se dão em esferas que demandam a construção de conhecimento a fim de se compreender o sujeito que se gesta nessa contemporaneidade fluida. As redes sociais, especificamente o Facebook, estão no cotidiano das pessoas, como espaço sócio-discursivo que amplia/potencializa/amplifica e promove o surgimento de vários gêneros discursivos e suportes de texto. As novas interações construídas e constituídas pela/na internet geram novas relações sociais, novos padrões de relacionamento com o outro e com o mundo, posicionamentos ideológicos e situados axiologicamente. Este trabalho objetiva analisar os posicionamentos que foram/são construídos pelos sujeitos, na rede social em questão, e como se constituem, discursivamente, as polêmicas abertas e veladas encontradas no corpus de análise. O recorte se dará temporalmente, delimitando-se um período de postagens que recobre o processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, desde a sua admissibilidade até a sua conclusão, nas páginas Verdade sem manipulação e Movimento Endireita Brasil. Para analisar esse corpus, recorre-se ao aporte teórico de Bakhtin e o Círculo (1993, 2016) no que diz respeito às concepções de linguagem constitutivamente dialógica, de polêmicas abertas e veladas, de embate dialógico; no que concerne à modernidade líquida, recorre-se às postulações de Bauman (2001) e de cultura da conexão de Jenkins (2014). A construção dos dados, em andamento na investigação, dá-se a partir do enfoque da pesquisa qualitativo-interpretativista, lançando mão da interpretação dos índices linguístico/discursivos, a partir do paradigma indiciário de Ginsburg (1990).

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.