Artigo Anais IV ENID / UEPB

ANAIS de Evento

ISSN: 2318-7379

MARCAS DE ORALIDADE EM PRODUÇÕES TEXTUAIS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: UM ESTUDO DE CASO

Comunicação Oral (CO) EDUCAÇÃO DE PESSOAS JOVENS E ADULTAS
"2014-11-21 23:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 9984
    "edicao_id" => 27
    "trabalho_id" => 885
    "inscrito_id" => 496
    "titulo" => "MARCAS DE ORALIDADE EM PRODUÇÕES TEXTUAIS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: UM ESTUDO DE CASO"
    "resumo" => "Este trabalho foi desenvolvido a partir da pesquisa de mesmo nome vinculada ao Mestrado Profissional em Formação de Professores – MFP/UEPB, a partir de vivências e desafios observados na Educação de Jovens e Adultos. Trata-se de uma modalidade de ensino que acolhe um público ao qual foi negado o direito à educação durante a infância e/ou adolescência, seja pela oferta irregular de vagas ou pelas condições socioeconômicas desfavoráveis, que induzem ao mundo do trabalho precocemente. As inadequações do/ao sistema educacional também surgem como fatores relevantes para compreender os altos índices de evasão e repetência que encontramos nas turmas de EJA, principalmente quando a desistência do aluno acontece pelo que é entendido como fracasso escolar, sobretudo nos primeiros ciclos, diante de um difícil processo de construção da escrita. Essa pesquisa foi desenvolvida com o olhar direcionado às marcas da cultura oral que se apresentam nas produções textuais dos alunos, onde esperamos contribuir para a distinção entre os tipos de erros na produção escrita: 1) erros relacionados à estrutura do código alfabético; 2) erros derivados da interferência de diferentes registros do português. De modo a verificar em que medida a avaliação do professor diante do erro do aluno assinala um acidente na construção da escrita ou um preconceito em face de um dialeto regional em particular.Longe de acreditarmos que o professor é o responsável pelo fracasso escolar do estudante, percebemos em sua ação pedagógica a força motriz capaz de fazer frente a uma tentativa estrutural de homogeneização dos sujeitos. No entanto, ficou um questionamento: é possível que essa figura engajada em promover inclusão, manifeste inconscientemente um preconceito linguístico ante as marcas de oralidade na escrita dos estudantes?Para a construção desse texto, nosso esforço teórico reuniu contribuições dos estudos de Bagno (1999), Senna (2008) e Fagundes (2010), bem como as orientações presentes nos Parâmetros Curriculares Nacionais direcionadas à temática. O texto tem base na pesquisa qualitativa, de base etnográfica, por meio de estudo de caso."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "EDUCAÇÃO DE PESSOAS JOVENS E ADULTAS"
    "palavra_chave" => ""
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "Modalidade_1datahora_06_11_2014_12_54_39_idinscrito_496_3d34abaa91b8f184add3ad26df8bc926.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:56"
    "updated_at" => "2020-06-10 12:19:15"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "LAURITA DIAS DO NASCIMENTO"
    "autor_nome_curto" => "LAURITA DIAS"
    "autor_email" => "lauritadias.ch@gmail.com"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE - UFCG"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-iv-enid---uepb"
    "edicao_nome" => "Anais IV ENID / UEPB"
    "edicao_evento" => "IV Encontro de Iniciação à Docência da UEPB / UEPB"
    "edicao_ano" => 2014
    "edicao_pasta" => "anais/enid/2014"
    "edicao_logo" => "5e4d80132b22c_19022020153603.jpg"
    "edicao_capa" => "5f1855cb47e5f_22072020120547.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2014-11-21 23:00:00"
    "publicacao_id" => 13
    "publicacao_nome" => "Revista ENID UEPB"
    "publicacao_codigo" => "2318-7379"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 9984
    "edicao_id" => 27
    "trabalho_id" => 885
    "inscrito_id" => 496
    "titulo" => "MARCAS DE ORALIDADE EM PRODUÇÕES TEXTUAIS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: UM ESTUDO DE CASO"
    "resumo" => "Este trabalho foi desenvolvido a partir da pesquisa de mesmo nome vinculada ao Mestrado Profissional em Formação de Professores – MFP/UEPB, a partir de vivências e desafios observados na Educação de Jovens e Adultos. Trata-se de uma modalidade de ensino que acolhe um público ao qual foi negado o direito à educação durante a infância e/ou adolescência, seja pela oferta irregular de vagas ou pelas condições socioeconômicas desfavoráveis, que induzem ao mundo do trabalho precocemente. As inadequações do/ao sistema educacional também surgem como fatores relevantes para compreender os altos índices de evasão e repetência que encontramos nas turmas de EJA, principalmente quando a desistência do aluno acontece pelo que é entendido como fracasso escolar, sobretudo nos primeiros ciclos, diante de um difícil processo de construção da escrita. Essa pesquisa foi desenvolvida com o olhar direcionado às marcas da cultura oral que se apresentam nas produções textuais dos alunos, onde esperamos contribuir para a distinção entre os tipos de erros na produção escrita: 1) erros relacionados à estrutura do código alfabético; 2) erros derivados da interferência de diferentes registros do português. De modo a verificar em que medida a avaliação do professor diante do erro do aluno assinala um acidente na construção da escrita ou um preconceito em face de um dialeto regional em particular.Longe de acreditarmos que o professor é o responsável pelo fracasso escolar do estudante, percebemos em sua ação pedagógica a força motriz capaz de fazer frente a uma tentativa estrutural de homogeneização dos sujeitos. No entanto, ficou um questionamento: é possível que essa figura engajada em promover inclusão, manifeste inconscientemente um preconceito linguístico ante as marcas de oralidade na escrita dos estudantes?Para a construção desse texto, nosso esforço teórico reuniu contribuições dos estudos de Bagno (1999), Senna (2008) e Fagundes (2010), bem como as orientações presentes nos Parâmetros Curriculares Nacionais direcionadas à temática. O texto tem base na pesquisa qualitativa, de base etnográfica, por meio de estudo de caso."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "EDUCAÇÃO DE PESSOAS JOVENS E ADULTAS"
    "palavra_chave" => ""
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "Modalidade_1datahora_06_11_2014_12_54_39_idinscrito_496_3d34abaa91b8f184add3ad26df8bc926.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:56"
    "updated_at" => "2020-06-10 12:19:15"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "LAURITA DIAS DO NASCIMENTO"
    "autor_nome_curto" => "LAURITA DIAS"
    "autor_email" => "lauritadias.ch@gmail.com"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE - UFCG"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-iv-enid---uepb"
    "edicao_nome" => "Anais IV ENID / UEPB"
    "edicao_evento" => "IV Encontro de Iniciação à Docência da UEPB / UEPB"
    "edicao_ano" => 2014
    "edicao_pasta" => "anais/enid/2014"
    "edicao_logo" => "5e4d80132b22c_19022020153603.jpg"
    "edicao_capa" => "5f1855cb47e5f_22072020120547.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2014-11-21 23:00:00"
    "publicacao_id" => 13
    "publicacao_nome" => "Revista ENID UEPB"
    "publicacao_codigo" => "2318-7379"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 21 de novembro de 2014

Resumo

Este trabalho foi desenvolvido a partir da pesquisa de mesmo nome vinculada ao Mestrado Profissional em Formação de Professores – MFP/UEPB, a partir de vivências e desafios observados na Educação de Jovens e Adultos. Trata-se de uma modalidade de ensino que acolhe um público ao qual foi negado o direito à educação durante a infância e/ou adolescência, seja pela oferta irregular de vagas ou pelas condições socioeconômicas desfavoráveis, que induzem ao mundo do trabalho precocemente. As inadequações do/ao sistema educacional também surgem como fatores relevantes para compreender os altos índices de evasão e repetência que encontramos nas turmas de EJA, principalmente quando a desistência do aluno acontece pelo que é entendido como fracasso escolar, sobretudo nos primeiros ciclos, diante de um difícil processo de construção da escrita. Essa pesquisa foi desenvolvida com o olhar direcionado às marcas da cultura oral que se apresentam nas produções textuais dos alunos, onde esperamos contribuir para a distinção entre os tipos de erros na produção escrita: 1) erros relacionados à estrutura do código alfabético; 2) erros derivados da interferência de diferentes registros do português. De modo a verificar em que medida a avaliação do professor diante do erro do aluno assinala um acidente na construção da escrita ou um preconceito em face de um dialeto regional em particular.Longe de acreditarmos que o professor é o responsável pelo fracasso escolar do estudante, percebemos em sua ação pedagógica a força motriz capaz de fazer frente a uma tentativa estrutural de homogeneização dos sujeitos. No entanto, ficou um questionamento: é possível que essa figura engajada em promover inclusão, manifeste inconscientemente um preconceito linguístico ante as marcas de oralidade na escrita dos estudantes?Para a construção desse texto, nosso esforço teórico reuniu contribuições dos estudos de Bagno (1999), Senna (2008) e Fagundes (2010), bem como as orientações presentes nos Parâmetros Curriculares Nacionais direcionadas à temática. O texto tem base na pesquisa qualitativa, de base etnográfica, por meio de estudo de caso.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.