Artigo Anais I CONEDU

ANAIS de Evento

ISSN: 2358-8829

GESTO E FALA NA LINGUAGEM DA CRIANÇA COM AUTISMO

Palavra-chaves: AUTISMO, MULTIMODALIDADE, GESTUO-VOCAL Comunicação Oral (CO) EDUCAÇÃO ESPECIAL
"2014-09-18 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 7360
    "edicao_id" => 23
    "trabalho_id" => 1882
    "inscrito_id" => 5069
    "titulo" => "GESTO E FALA NA LINGUAGEM DA CRIANÇA COM AUTISMO"
    "resumo" => "O presente estudo tem como objetivo discutir sobre a linguagem presente na criança com diagnóstico de autismo partindo do pressuposto de que gesto e fala compõem uma única matriz cognitiva (McNeil, 1985, 1992, 2003; Morgenstern, 2010). Essa visão de linguagem multimodal contribui para a compreensão de que há, sim, língua a ser explorada no autista, o que desconstrói a ideia de linguagem no autista proposta por Kanner (1997), já que o gesto integra o sistema linguístico ao possuir o status de língua. Sendo assim, essas crianças desenvolvem linguagem de maneira funcional, ou seja, ela utiliza a língua e compreende os conceitos e o contexto em que esta inserida. Essa visão de língua é relevante para explicar a fala das crianças autistas que vem acompanhada dos gestos. Ela contradiz a maioria dos casos relatados na literatura geral que deixam de analisar a linguagem não-verbal desses sujeitos e passam a enquadrá-los nos diagnósticos gerais sobre essa síndrome. Portanto, propomos um novo olhar sobre as práticas interativas entre aluno-professor a fim de ser considerado o conjunto do discurso seja ele oral ou não, pois eles podem ter significado para essas crianças. A partir da visão defendida nesse artigo, acreditamos ser necessário fazer uma reanálise dos conceitos sobre aptidão comunicaiva de crianças autistas e inserir nas escolas métodos de ensino que facilitem a comunicação já existente. Em suma, concluímos apontando a necessidade de mudança nas práticas interativas entre a escola e a criança autista, já que ela é um sujeito que está imerso na linguagem."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "EDUCAÇÃO ESPECIAL"
    "palavra_chave" => "AUTISMO, MULTIMODALIDADE, GESTUO-VOCAL"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "Modalidade_1datahora_15_08_2014_12_26_36_idinscrito_5069_a3a2810277be9d59eaaa7871bb3278ba.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:54"
    "updated_at" => "2020-06-10 11:12:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "FLÁVIA GONÇALVES CALAÇA DE SOUZA"
    "autor_nome_curto" => "FLÁVIA CALAÇA"
    "autor_email" => "flavia.ufpb@hotmail.com"
    "autor_ies" => "UFPB"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-i-conedu"
    "edicao_nome" => "Anais I CONEDU"
    "edicao_evento" => "Congresso Nacional de Educação"
    "edicao_ano" => 2014
    "edicao_pasta" => "anais/conedu/2014"
    "edicao_logo" => "5e4a0671b0a63_17022020002017.png"
    "edicao_capa" => "5f1848d9ed142_22072020111033.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2014-09-18 00:00:00"
    "publicacao_id" => 19
    "publicacao_nome" => "Anais CONEDU"
    "publicacao_codigo" => "2358-8829"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 7360
    "edicao_id" => 23
    "trabalho_id" => 1882
    "inscrito_id" => 5069
    "titulo" => "GESTO E FALA NA LINGUAGEM DA CRIANÇA COM AUTISMO"
    "resumo" => "O presente estudo tem como objetivo discutir sobre a linguagem presente na criança com diagnóstico de autismo partindo do pressuposto de que gesto e fala compõem uma única matriz cognitiva (McNeil, 1985, 1992, 2003; Morgenstern, 2010). Essa visão de linguagem multimodal contribui para a compreensão de que há, sim, língua a ser explorada no autista, o que desconstrói a ideia de linguagem no autista proposta por Kanner (1997), já que o gesto integra o sistema linguístico ao possuir o status de língua. Sendo assim, essas crianças desenvolvem linguagem de maneira funcional, ou seja, ela utiliza a língua e compreende os conceitos e o contexto em que esta inserida. Essa visão de língua é relevante para explicar a fala das crianças autistas que vem acompanhada dos gestos. Ela contradiz a maioria dos casos relatados na literatura geral que deixam de analisar a linguagem não-verbal desses sujeitos e passam a enquadrá-los nos diagnósticos gerais sobre essa síndrome. Portanto, propomos um novo olhar sobre as práticas interativas entre aluno-professor a fim de ser considerado o conjunto do discurso seja ele oral ou não, pois eles podem ter significado para essas crianças. A partir da visão defendida nesse artigo, acreditamos ser necessário fazer uma reanálise dos conceitos sobre aptidão comunicaiva de crianças autistas e inserir nas escolas métodos de ensino que facilitem a comunicação já existente. Em suma, concluímos apontando a necessidade de mudança nas práticas interativas entre a escola e a criança autista, já que ela é um sujeito que está imerso na linguagem."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "EDUCAÇÃO ESPECIAL"
    "palavra_chave" => "AUTISMO, MULTIMODALIDADE, GESTUO-VOCAL"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "Modalidade_1datahora_15_08_2014_12_26_36_idinscrito_5069_a3a2810277be9d59eaaa7871bb3278ba.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:54"
    "updated_at" => "2020-06-10 11:12:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "FLÁVIA GONÇALVES CALAÇA DE SOUZA"
    "autor_nome_curto" => "FLÁVIA CALAÇA"
    "autor_email" => "flavia.ufpb@hotmail.com"
    "autor_ies" => "UFPB"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-i-conedu"
    "edicao_nome" => "Anais I CONEDU"
    "edicao_evento" => "Congresso Nacional de Educação"
    "edicao_ano" => 2014
    "edicao_pasta" => "anais/conedu/2014"
    "edicao_logo" => "5e4a0671b0a63_17022020002017.png"
    "edicao_capa" => "5f1848d9ed142_22072020111033.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2014-09-18 00:00:00"
    "publicacao_id" => 19
    "publicacao_nome" => "Anais CONEDU"
    "publicacao_codigo" => "2358-8829"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 18 de setembro de 2014

Resumo

O presente estudo tem como objetivo discutir sobre a linguagem presente na criança com diagnóstico de autismo partindo do pressuposto de que gesto e fala compõem uma única matriz cognitiva (McNeil, 1985, 1992, 2003; Morgenstern, 2010). Essa visão de linguagem multimodal contribui para a compreensão de que há, sim, língua a ser explorada no autista, o que desconstrói a ideia de linguagem no autista proposta por Kanner (1997), já que o gesto integra o sistema linguístico ao possuir o status de língua. Sendo assim, essas crianças desenvolvem linguagem de maneira funcional, ou seja, ela utiliza a língua e compreende os conceitos e o contexto em que esta inserida. Essa visão de língua é relevante para explicar a fala das crianças autistas que vem acompanhada dos gestos. Ela contradiz a maioria dos casos relatados na literatura geral que deixam de analisar a linguagem não-verbal desses sujeitos e passam a enquadrá-los nos diagnósticos gerais sobre essa síndrome. Portanto, propomos um novo olhar sobre as práticas interativas entre aluno-professor a fim de ser considerado o conjunto do discurso seja ele oral ou não, pois eles podem ter significado para essas crianças. A partir da visão defendida nesse artigo, acreditamos ser necessário fazer uma reanálise dos conceitos sobre aptidão comunicaiva de crianças autistas e inserir nas escolas métodos de ensino que facilitem a comunicação já existente. Em suma, concluímos apontando a necessidade de mudança nas práticas interativas entre a escola e a criança autista, já que ela é um sujeito que está imerso na linguagem.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.