Artigo Anais X CONAGES

ANAIS de Evento

ISSN: 2177-4781

Visualizações: 192
EROS À DERIVA: CINEMA, VIOLÊNCIA E HOMOEROTISMO

Palavra-chaves: CINEMA, PSICANÁLISE, HOMOEROTISMO Comunicação Oral (CO) Cinema, gênero e educação

Resumo

Imersa na história da humanidade, envolta a controvérsias, injúrias e tabus, a homossexualidade vem, aos poucos, ganhando desenhos mais definidos, malgrado ainda seja alvo de distorções conceituais e de discriminação. Estudos filosóficos, sociológicos, antropológicos e, mormente, psicanalíticos têm contribuído, de maneira decisiva, para dissipar a névoa da ignorância que ainda paira sobre o mundo, engessando concepções arcaicas sobre o gênero, o sexo e a sexualidade, as quais carreiam e estimulam atos de violência contra aqueles que, nas palavras do escritor e dramaturgo Oscar Wilde, albergam o amor que não ousa dizer seu nome. Se, no medievo, a barbárie monástica dizimou milhares de mulheres inocentes, aniquiladas em fogueiras, sob a acusação de cooperarem com o demônio, na hodiernidade, a recorrência às artes de satã, como força propulsora do desejo homossexual, continua a servir de “argumento” para macular, corromper e neutralizar a atração e o afeto entre iguais. Os inquisidores transformaram-se em cidadãos homofóbicos que, diferentemente daqueles, desprezam, muitas vezes, os rituais de tortura (já que não almejam a confissão de suas vítimas) e privilegiam a cerimônia de mutilação e extermínio. Reativam, em prol de suas crenças, discursos oriundos da sexologia do século XIX, responsável por descingir o homossexual de sua sanidade, avaliando-o a partir dos signos da degeneração, da inversão e da perversão. Esta pesquisa, numa interface entre a psicanálise e a semiótica discursiva, pretende examinar o texto fílmico Save-me, do diretor Robert Cary, com vistas a compreender e explicar, a partir dos percursos passionais de determinadas personagens, as matizes do desejo homossexual face às pressões familiares e, consequentemente, em meio à repressão de uma instituição religiosa que visa transformar jovens gays em héteros. Utilizamos, como arcabouço teórico, o artigo Três ensaios sobre a teoria da sexualidade¸ compilado pelo fundador da psicanálise, além dos trabalhos de Mcdougall (2001) e Rodrigues (2010).

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.