Artigo Anais ABRALIC Internacional

ANAIS de Evento

ISSN: 2317-157X

METAMORFOSES DE MEDEIA, DE EURÍPIDES A PASOLINI

"2013-07-12 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 4601
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 697
    "inscrito_id" => 311
    "titulo" => "METAMORFOSES DE MEDEIA, DE EURÍPIDES A PASOLINI"
    "resumo" => "Muitas são as releituras de Medeia, tragédia escrita pelo ateniense Eurípides no século V a.C. Tantas versões acentuam ou atenuam o caráter hediondo do crime de Medeia, o assassinato dos próprios filhos. Eurípides, na obra original, atenua, inicialmente o caráter terrível de Medeia e a faz somente lamentar-se e queixar-se aos novos deuses, os deuses da polis. A tragédia grega tinha por meta a catarse, a reação da plateia de purgar seus males identificando-se com o herói trágico e sentindo o terror. Tratava-se de recalcar o lado instintivo e violento do ser humano, que já havia sido representado por Ésquilo, também tragediógrafo ateniense, na sua trilogia Oréstia. Ésquilo expõe para sua plateia a transformação das Erínias, entidades antigas, sanguinárias e vingativas, nas pacificadas Eumênides. No século XVIII o filósofo iluminista G.E. Lessing, ao analisar o grupo escultórico Laocoonte, originário do século I a.C., tece considerações acerca do que expressaria a boca entreaberta do sacerdote ali representado, concluindo que não poderia ser um grito terrível, pois isso comprometeria o belo presente na obra. Também no século XVIII o filósofo e historiador Edmund Burke descreve o sentimento do sublime, a mais forte emoção que o homem pode experimentar, e identifica sua origem no sofrimento e no terror. No século XX, o autor cinematográfico italiano Pier Paolo Pasolini, influenciado pela obra de Ésquilo e pela psicanálise, realiza seu filme Medeia, identificando o caráter terrível da personagem com a sobrevivência no ser humano de elementos do mundo antigo, dificilmente superados. Dessa forma, Pasolini reinventa a personagem Medeia, exagerando propositalmente seu caráter mítico, mágico, terrível e vingativo, herdado das forças da natureza, oposto à civilização. Pasolini entende que o simbolismo da transformação das Erínias em Eumênides representa o fim da barbárie, mas que esta nunca estará totalmente superada nos seres humanos, resultando numa existência trágica, ainda hoje, da humanidade."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_311_4819bf30d96ad52bd20e7e76bf8ff45c.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "ULYSSES MACIEL DE OLIVEIRA NETO"
    "autor_nome_curto" => "ULYSSES MACIEL"
    "autor_email" => "ulyssesodisseu@gmail.com"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 4601
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 697
    "inscrito_id" => 311
    "titulo" => "METAMORFOSES DE MEDEIA, DE EURÍPIDES A PASOLINI"
    "resumo" => "Muitas são as releituras de Medeia, tragédia escrita pelo ateniense Eurípides no século V a.C. Tantas versões acentuam ou atenuam o caráter hediondo do crime de Medeia, o assassinato dos próprios filhos. Eurípides, na obra original, atenua, inicialmente o caráter terrível de Medeia e a faz somente lamentar-se e queixar-se aos novos deuses, os deuses da polis. A tragédia grega tinha por meta a catarse, a reação da plateia de purgar seus males identificando-se com o herói trágico e sentindo o terror. Tratava-se de recalcar o lado instintivo e violento do ser humano, que já havia sido representado por Ésquilo, também tragediógrafo ateniense, na sua trilogia Oréstia. Ésquilo expõe para sua plateia a transformação das Erínias, entidades antigas, sanguinárias e vingativas, nas pacificadas Eumênides. No século XVIII o filósofo iluminista G.E. Lessing, ao analisar o grupo escultórico Laocoonte, originário do século I a.C., tece considerações acerca do que expressaria a boca entreaberta do sacerdote ali representado, concluindo que não poderia ser um grito terrível, pois isso comprometeria o belo presente na obra. Também no século XVIII o filósofo e historiador Edmund Burke descreve o sentimento do sublime, a mais forte emoção que o homem pode experimentar, e identifica sua origem no sofrimento e no terror. No século XX, o autor cinematográfico italiano Pier Paolo Pasolini, influenciado pela obra de Ésquilo e pela psicanálise, realiza seu filme Medeia, identificando o caráter terrível da personagem com a sobrevivência no ser humano de elementos do mundo antigo, dificilmente superados. Dessa forma, Pasolini reinventa a personagem Medeia, exagerando propositalmente seu caráter mítico, mágico, terrível e vingativo, herdado das forças da natureza, oposto à civilização. Pasolini entende que o simbolismo da transformação das Erínias em Eumênides representa o fim da barbárie, mas que esta nunca estará totalmente superada nos seres humanos, resultando numa existência trágica, ainda hoje, da humanidade."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_311_4819bf30d96ad52bd20e7e76bf8ff45c.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "ULYSSES MACIEL DE OLIVEIRA NETO"
    "autor_nome_curto" => "ULYSSES MACIEL"
    "autor_email" => "ulyssesodisseu@gmail.com"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 12 de julho de 2013

Resumo

Muitas são as releituras de Medeia, tragédia escrita pelo ateniense Eurípides no século V a.C. Tantas versões acentuam ou atenuam o caráter hediondo do crime de Medeia, o assassinato dos próprios filhos. Eurípides, na obra original, atenua, inicialmente o caráter terrível de Medeia e a faz somente lamentar-se e queixar-se aos novos deuses, os deuses da polis. A tragédia grega tinha por meta a catarse, a reação da plateia de purgar seus males identificando-se com o herói trágico e sentindo o terror. Tratava-se de recalcar o lado instintivo e violento do ser humano, que já havia sido representado por Ésquilo, também tragediógrafo ateniense, na sua trilogia Oréstia. Ésquilo expõe para sua plateia a transformação das Erínias, entidades antigas, sanguinárias e vingativas, nas pacificadas Eumênides. No século XVIII o filósofo iluminista G.E. Lessing, ao analisar o grupo escultórico Laocoonte, originário do século I a.C., tece considerações acerca do que expressaria a boca entreaberta do sacerdote ali representado, concluindo que não poderia ser um grito terrível, pois isso comprometeria o belo presente na obra. Também no século XVIII o filósofo e historiador Edmund Burke descreve o sentimento do sublime, a mais forte emoção que o homem pode experimentar, e identifica sua origem no sofrimento e no terror. No século XX, o autor cinematográfico italiano Pier Paolo Pasolini, influenciado pela obra de Ésquilo e pela psicanálise, realiza seu filme Medeia, identificando o caráter terrível da personagem com a sobrevivência no ser humano de elementos do mundo antigo, dificilmente superados. Dessa forma, Pasolini reinventa a personagem Medeia, exagerando propositalmente seu caráter mítico, mágico, terrível e vingativo, herdado das forças da natureza, oposto à civilização. Pasolini entende que o simbolismo da transformação das Erínias em Eumênides representa o fim da barbárie, mas que esta nunca estará totalmente superada nos seres humanos, resultando numa existência trágica, ainda hoje, da humanidade.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.