Artigo Anais ABRALIC Internacional

ANAIS de Evento

ISSN: 2317-157X

A MODERNIDADE E O (NEO)REGIONALISMO EM CARTILHA DO SILÊNCIO

"2013-07-12 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 4461
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 1121
    "inscrito_id" => 1333
    "titulo" => "A MODERNIDADE E O (NEO)REGIONALISMO EM CARTILHA DO SILÊNCIO"
    "resumo" => "Maria Helissa de Medeirosi (UFRN)Derivaldo dos Santosii (UFRN/PPgEL) Este trabalho parte do pressuposto de que o romance Cartilha do silêncio, de Francisco Dantas, constitui-se de um duplo movimento, mas sempre articulado um ao outro. Um voltado para a experiência moderna com a ideia de que a modernidade está impregnada de contrários, como nos lembra Nietzsche; outro vinculado a modos de vida baseados na experiência tradicional, mais espontânea e com aspectos (neo)regionais.  Interessa-nos, pois, analisar questões voltadas para o campo crítico-social que permeiam a vida e a história das personagens do romance, no que se refere à evocação do passado como instância de permanência da tradição em relação ao que apresenta como elementos constituintes da vida social moderna, o que dá à narrativa seu caráter paradoxal. Para subsidiar nossa análise, teremos como principal fundamentação teórica as reflexões de Marshall Berman constantes no livro Tudo que é sólido desmancha no ar e na obra Os cinco paradoxos da modernidade, de Antoine Compagnon. A fim de discutir acerca dos aspectos modernos da narrativa em estudo, a pesquisa apoia-se ainda no estudo de Karl Erik Schollhammer acerca do (neo)regionalismo, em Ficção brasileira contemporânea e no referencial teórico sistematizado por Rosenfeld, em seu ensaio Reflexões sobre o romance moderno. Como a perspectiva adotada em nossa investigação articula texto e contexto, o literário e a vida social, verificamos como Cartilha do silêncio nos dar a ver questões de ordem estética conjugadas à vida social. Nesse sentido, o trabalho analisa como a identidade das personagens se constrói durante a narrativa e se mantém resistente à acomodação no seu contexto social na transição da tradição patriarcal para a modernidade, criando uma atmosfera de tensão entre os dois registros. Palavras-chave: tradição, modernidade, (neo)regionalismo."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_1333_3b19a6f5648e9051a944ffc23e9e9aef.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "MARIA HELISSA DE MEDEIROS"
    "autor_nome_curto" => "HELISSA MEDEIROS"
    "autor_email" => "helissamedeiros@hotmail.c"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 4461
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 1121
    "inscrito_id" => 1333
    "titulo" => "A MODERNIDADE E O (NEO)REGIONALISMO EM CARTILHA DO SILÊNCIO"
    "resumo" => "Maria Helissa de Medeirosi (UFRN)Derivaldo dos Santosii (UFRN/PPgEL) Este trabalho parte do pressuposto de que o romance Cartilha do silêncio, de Francisco Dantas, constitui-se de um duplo movimento, mas sempre articulado um ao outro. Um voltado para a experiência moderna com a ideia de que a modernidade está impregnada de contrários, como nos lembra Nietzsche; outro vinculado a modos de vida baseados na experiência tradicional, mais espontânea e com aspectos (neo)regionais.  Interessa-nos, pois, analisar questões voltadas para o campo crítico-social que permeiam a vida e a história das personagens do romance, no que se refere à evocação do passado como instância de permanência da tradição em relação ao que apresenta como elementos constituintes da vida social moderna, o que dá à narrativa seu caráter paradoxal. Para subsidiar nossa análise, teremos como principal fundamentação teórica as reflexões de Marshall Berman constantes no livro Tudo que é sólido desmancha no ar e na obra Os cinco paradoxos da modernidade, de Antoine Compagnon. A fim de discutir acerca dos aspectos modernos da narrativa em estudo, a pesquisa apoia-se ainda no estudo de Karl Erik Schollhammer acerca do (neo)regionalismo, em Ficção brasileira contemporânea e no referencial teórico sistematizado por Rosenfeld, em seu ensaio Reflexões sobre o romance moderno. Como a perspectiva adotada em nossa investigação articula texto e contexto, o literário e a vida social, verificamos como Cartilha do silêncio nos dar a ver questões de ordem estética conjugadas à vida social. Nesse sentido, o trabalho analisa como a identidade das personagens se constrói durante a narrativa e se mantém resistente à acomodação no seu contexto social na transição da tradição patriarcal para a modernidade, criando uma atmosfera de tensão entre os dois registros. Palavras-chave: tradição, modernidade, (neo)regionalismo."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_1333_3b19a6f5648e9051a944ffc23e9e9aef.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "MARIA HELISSA DE MEDEIROS"
    "autor_nome_curto" => "HELISSA MEDEIROS"
    "autor_email" => "helissamedeiros@hotmail.c"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 12 de julho de 2013

Resumo

Maria Helissa de Medeirosi (UFRN)Derivaldo dos Santosii (UFRN/PPgEL) Este trabalho parte do pressuposto de que o romance Cartilha do silêncio, de Francisco Dantas, constitui-se de um duplo movimento, mas sempre articulado um ao outro. Um voltado para a experiência moderna com a ideia de que a modernidade está impregnada de contrários, como nos lembra Nietzsche; outro vinculado a modos de vida baseados na experiência tradicional, mais espontânea e com aspectos (neo)regionais. Interessa-nos, pois, analisar questões voltadas para o campo crítico-social que permeiam a vida e a história das personagens do romance, no que se refere à evocação do passado como instância de permanência da tradição em relação ao que apresenta como elementos constituintes da vida social moderna, o que dá à narrativa seu caráter paradoxal. Para subsidiar nossa análise, teremos como principal fundamentação teórica as reflexões de Marshall Berman constantes no livro Tudo que é sólido desmancha no ar e na obra Os cinco paradoxos da modernidade, de Antoine Compagnon. A fim de discutir acerca dos aspectos modernos da narrativa em estudo, a pesquisa apoia-se ainda no estudo de Karl Erik Schollhammer acerca do (neo)regionalismo, em Ficção brasileira contemporânea e no referencial teórico sistematizado por Rosenfeld, em seu ensaio Reflexões sobre o romance moderno. Como a perspectiva adotada em nossa investigação articula texto e contexto, o literário e a vida social, verificamos como Cartilha do silêncio nos dar a ver questões de ordem estética conjugadas à vida social. Nesse sentido, o trabalho analisa como a identidade das personagens se constrói durante a narrativa e se mantém resistente à acomodação no seu contexto social na transição da tradição patriarcal para a modernidade, criando uma atmosfera de tensão entre os dois registros. Palavras-chave: tradição, modernidade, (neo)regionalismo.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.