Artigo Anais ABRALIC Internacional

ANAIS de Evento

ISSN: 2317-157X

REGIONALISMOS E CONFLITOS – ESTUDO CRÍTICO-COMPARATIVO ENTRE TIL, JOSÉ DE ALENCAR, E MEU TIO O IAUARETÊ, DE JOÃO GUIMARÃES ROSA.

"2013-07-12 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 4567
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 85
    "inscrito_id" => 222
    "titulo" => "REGIONALISMOS E CONFLITOS – ESTUDO CRÍTICO-COMPARATIVO ENTRE TIL, JOSÉ DE ALENCAR, E MEU TIO O IAUARETÊ, DE JOÃO GUIMARÃES ROSA."
    "resumo" => "Este trabalho estabelece um estudo comparativo entre o romance Til (1872), de José de Alencar, e a narrativa “Meu tio o iauaretê” (1969), de João Guimarães Rosa, examinando duas questões: 1) a articulação dos aspectos regionais a que os dois escritores procedem a fim de abordar problemas dos meios focalizados, 2) os conflitos entre ordens culturais distintas que se desenvolvem nos espaços das duas narrativas. Para tanto, selecionamos dois personagens de cada obra: Jão Fera, de Til, e Tonho Tigreiro, de “Meu Tio o iauaretê”, ambos assassinos e marginalizados. Objetiva-se: identificar semelhanças e disparidades entre o regionalismo dos textos selecionados tomando por base os personagens escolhidos; refletir sobre as questões que são articuladas a partir da inserção dos personagens nas ambiências rurais e suas tentativas de sobrevivência ao espaço por meio de homicídios. A partir do cotejo entre esses personagens, observa-se que a alusão aos elementos regionais é fundamental para a fatura das narrativas, bem como para suas sínteses estéticas e ideológicas. Há um diálogo entre homem e região, de modo que a região engendra nos personagens problemáticas históricas e sociais, não sendo as referências a aspectos locais um ponto negativo, castradores da amplitude dos textos. Conclui-se, a partir da comparação, que o regionalismo presente nos discursos literários de José de Alencar e Guimarães Rosa é basilar para a constituição das visões de mundo vigentes no romance e no conto, tornando-se um fator produtivo e positivo à medida que reconstitui e debate certos processos de exclusão constantes em nossa sociedade. Além disso, pode-se redimensionar e, sobretudo, questionar o conceito de regionalismo, compreendido por renomados críticos literários brasileiros do século XIX e parte do século XX como um defeito capaz de diminuir o valor de algumas obras e torná-las medíocres. O regionalismo não é um defeito, mas uma forma de estilizar e problematizar o Brasil, uma vez que os aspectos regionais, orquestrados por narradores agudamente conscientes de seu tempo, mais que simples referências ou alusões, integram a dinâmica interna das narrativas, engendrando interpretações de processos sociais latino-americanos os mais diversos."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_222_1fc8572a9dbde81810bff139bc575bef.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "SARAH MARIA FORTE DIOGO"
    "autor_nome_curto" => "SARAH FORTE"
    "autor_email" => "sarahfortebr@hotmail.com"
    "autor_ies" => ""
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 4567
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 85
    "inscrito_id" => 222
    "titulo" => "REGIONALISMOS E CONFLITOS – ESTUDO CRÍTICO-COMPARATIVO ENTRE TIL, JOSÉ DE ALENCAR, E MEU TIO O IAUARETÊ, DE JOÃO GUIMARÃES ROSA."
    "resumo" => "Este trabalho estabelece um estudo comparativo entre o romance Til (1872), de José de Alencar, e a narrativa “Meu tio o iauaretê” (1969), de João Guimarães Rosa, examinando duas questões: 1) a articulação dos aspectos regionais a que os dois escritores procedem a fim de abordar problemas dos meios focalizados, 2) os conflitos entre ordens culturais distintas que se desenvolvem nos espaços das duas narrativas. Para tanto, selecionamos dois personagens de cada obra: Jão Fera, de Til, e Tonho Tigreiro, de “Meu Tio o iauaretê”, ambos assassinos e marginalizados. Objetiva-se: identificar semelhanças e disparidades entre o regionalismo dos textos selecionados tomando por base os personagens escolhidos; refletir sobre as questões que são articuladas a partir da inserção dos personagens nas ambiências rurais e suas tentativas de sobrevivência ao espaço por meio de homicídios. A partir do cotejo entre esses personagens, observa-se que a alusão aos elementos regionais é fundamental para a fatura das narrativas, bem como para suas sínteses estéticas e ideológicas. Há um diálogo entre homem e região, de modo que a região engendra nos personagens problemáticas históricas e sociais, não sendo as referências a aspectos locais um ponto negativo, castradores da amplitude dos textos. Conclui-se, a partir da comparação, que o regionalismo presente nos discursos literários de José de Alencar e Guimarães Rosa é basilar para a constituição das visões de mundo vigentes no romance e no conto, tornando-se um fator produtivo e positivo à medida que reconstitui e debate certos processos de exclusão constantes em nossa sociedade. Além disso, pode-se redimensionar e, sobretudo, questionar o conceito de regionalismo, compreendido por renomados críticos literários brasileiros do século XIX e parte do século XX como um defeito capaz de diminuir o valor de algumas obras e torná-las medíocres. O regionalismo não é um defeito, mas uma forma de estilizar e problematizar o Brasil, uma vez que os aspectos regionais, orquestrados por narradores agudamente conscientes de seu tempo, mais que simples referências ou alusões, integram a dinâmica interna das narrativas, engendrando interpretações de processos sociais latino-americanos os mais diversos."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_222_1fc8572a9dbde81810bff139bc575bef.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "SARAH MARIA FORTE DIOGO"
    "autor_nome_curto" => "SARAH FORTE"
    "autor_email" => "sarahfortebr@hotmail.com"
    "autor_ies" => ""
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 12 de julho de 2013

Resumo

Este trabalho estabelece um estudo comparativo entre o romance Til (1872), de José de Alencar, e a narrativa “Meu tio o iauaretê” (1969), de João Guimarães Rosa, examinando duas questões: 1) a articulação dos aspectos regionais a que os dois escritores procedem a fim de abordar problemas dos meios focalizados, 2) os conflitos entre ordens culturais distintas que se desenvolvem nos espaços das duas narrativas. Para tanto, selecionamos dois personagens de cada obra: Jão Fera, de Til, e Tonho Tigreiro, de “Meu Tio o iauaretê”, ambos assassinos e marginalizados. Objetiva-se: identificar semelhanças e disparidades entre o regionalismo dos textos selecionados tomando por base os personagens escolhidos; refletir sobre as questões que são articuladas a partir da inserção dos personagens nas ambiências rurais e suas tentativas de sobrevivência ao espaço por meio de homicídios. A partir do cotejo entre esses personagens, observa-se que a alusão aos elementos regionais é fundamental para a fatura das narrativas, bem como para suas sínteses estéticas e ideológicas. Há um diálogo entre homem e região, de modo que a região engendra nos personagens problemáticas históricas e sociais, não sendo as referências a aspectos locais um ponto negativo, castradores da amplitude dos textos. Conclui-se, a partir da comparação, que o regionalismo presente nos discursos literários de José de Alencar e Guimarães Rosa é basilar para a constituição das visões de mundo vigentes no romance e no conto, tornando-se um fator produtivo e positivo à medida que reconstitui e debate certos processos de exclusão constantes em nossa sociedade. Além disso, pode-se redimensionar e, sobretudo, questionar o conceito de regionalismo, compreendido por renomados críticos literários brasileiros do século XIX e parte do século XX como um defeito capaz de diminuir o valor de algumas obras e torná-las medíocres. O regionalismo não é um defeito, mas uma forma de estilizar e problematizar o Brasil, uma vez que os aspectos regionais, orquestrados por narradores agudamente conscientes de seu tempo, mais que simples referências ou alusões, integram a dinâmica interna das narrativas, engendrando interpretações de processos sociais latino-americanos os mais diversos.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.