Artigo Anais ABRALIC Internacional

ANAIS de Evento

ISSN: 2317-157X

AS VEREDAS ESTÉTICAS DE ROSA EM OUTRA CRONOTOPIA DE COUTO

Publicado em 12 de julho de 2013

Resumo

Embora Guimarães Rosa nunca tenha lançado nenhum manifesto que abordasse seu projeto estético-literário, a força de sua narrativa influenciou vários escritores (além fronteiras brasileiras). Um deles foi Mia Couto, laureado escritor moçambicano, que produz contos, romances e ensaios tendo (como alguns de seus temas) a reconstrução do espaço moçambicano e uma redefinição identitária de seu povo. Em uma análise comparativa a partir de “Grande sertão: veredas” de Guimarães Rosa e de “Um Outro Pé de Sereia” de Mia Couto (além de outras obras do renomado escritor – “Terra Sonâmbula” e “Um rio chamado tempo, uma casa chamada terra”), realiza-se, nesta comunicação, uma identificação da presença de várias características estruturais (sobretudo na sobreposição cronológica – deslocamento temporal para discutir o presente a partir do passado). No entanto, essa característica juntamente a outras (múltipla estrutura de gêneros – tal como uma matrioska; foco narrativo múltiplo; narração polifônica etc.) servem a uma composição estética mais ampla que denomino de hiper-regional; e essa, por sua vez, teria como objetivo principal, além de uma transfiguração mítica do espaço e tempo em um novo eixo cronotópico bakhtiniano, uma reconfiguração dinâmica da identidade dos sujeitos no que Michel Maffesoli denominou de “enraizamento dinâmico”.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.