Artigo Anais ABRALIC Internacional

ANAIS de Evento

ISSN: 2317-157X

A COMICIDADE NOS ESPERPENTOS TEATRAIS VALLE-INCLANIANOS

Publicado em 12 de julho de 2013

Resumo

A COMICIDADE NOS ESPERPENTOS TEATRAIS VALLE-INCLANIANOSAUTOR: GUSTAVO RODRIGUES DA SILVA – CO-AUTORA: PROFESSORA DOUTORA SUZI FRANKL SPERBER O autor espanhol Ramón María del Valle-Inclán (1866 – 1936) possui uma profícua produção literária, além de ser o criador do gênero esperpêntico, o qual possui várias especificidades e apresenta obras em formas teatral e prosística. Entre as características esperpênticas, podemos elencar a mistura da comicidade com a tragicicidade, o uso de vários registros lingüísticos e a crítica em seu mais amplo sentido às instituições e personalidades da época em que vive o autor, portanto o esperpento está relacionado a vários campos de saberes. Esse gênero literário é muito pouco pesquisado no Brasil e, dessa maneira, é um estudo marginal em nosso país, de acordo com nossas buscas bibliográficas à diversas fontes. Esse aspecto contrasta com o cenário de pesquisas sobre o esperpento em nível internacional, no qual o referido gênero consagrou o seu autor como um cânone e um clássico na área de literatura espanhola, segundo vários teóricos como Mar Hermida. Dentro da parca receptividade que o gênero esperpêntico e, por conseguinte, o autor Ramón María del Valle-Inclán possuem no Brasil, percebemos que o cômico é o aspecto que menos atenção ainda recebe dos pesquisadores nacionais. Ao observar tal carência, propomos o estudo da comicidade nos esperpentos teatrais valle-inclanianos apoiando-nos em vários recursos cômicos literários como a paródia, a ironia, o humor, o alogismo, a inversão, o exagero, a mentira; o trocadilho; a gíria e a degradação. As nossas fontes teóricas sobre a comicidade são a obra O riso – ensaio sobre a significação do cômico (1983) do autor Henri Bergson e a obra Comicidade e riso (1992) do autor Wladimir Propp. A nossa análise se centrará nos esperpentos teatrais Los cuernos de Don Friolera (1990) e Luces de bohemia (2001) porque, como defende os teóricos Anthony Cardona e Rodolfo Zahareas em sua obra Visión del esperpento (1987, p.11): “Y los dos primeros esperpentos, Luces de bohemia y Los cuernos de Don Friolera, son las dos obras en que se integran con más claridad y precisión los temas, las actitudes, las técnicas, el estilo, la visión y la historicidad de todos los esperpentos” . Também comentaremos a comicidade nos outros esperpentos teatrais do autor como Divinas Palabras - tragicomedia de aldea (2011). Com tal estudo, pretendemos demonstrar que o gênero esperpêntico pode ser considerado como um sub-gênero cômico moderno e tardio também, visto que se enquadra na noção de estilo tardio proposta pelo autor Theodor Adorno em seu ensaio The late style in Beethowen (1963). Toda a nossa pesquisa tem como base os pressupostos teóricos da corrente literária da estética da recepção como a noção da fusão de horizontes literários defendida pelo autor Hans-Georg Gadamer, além de algumas premissas teóricas do autor Antonio Candido, que corroboram com aquela corrente literária.Palavras-chave: 1. Teatro, 2. Esperpentos, 3. Comicidade.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.