Artigo Anais ABRALIC Internacional

ANAIS de Evento

ISSN: 2317-157X

FAHRENHEIT 451: O ESVAZIAMENTO DA PALAVRA

"2013-07-12 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 4478
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 220
    "inscrito_id" => 519
    "titulo" => "FAHRENHEIT 451: O ESVAZIAMENTO DA PALAVRA"
    "resumo" => "Este trabalho analisa a narrativa literária Fahrenheit 451, de Ray Bradbury, e sua versão fílmica, dirigida por François Truffaut, no que tange à transposição do literário ao fílmico, primeiramente. Também, analisa os textos quanto ao conteúdo e ao discurso, no sentido de estudar os significados veiculados. Para isso, vale-se das teorias de Mikhail Bakhtin, estudioso da filosofia da linguagem, e de André Gardies, de Arlindo Machado, de François Jost e Andre Gaudreault, que analisam o cinema e a linguagem fílmica. Ambos os textos apresentam uma sociedade em que a palavra não tem lugar, em especial a palavra escrita, já que é proibida a leitura de livros de literatura, os quais são confiscados e queimados. Reflete-se, assim, sobre o silenciamento e sobre a palavra esvaziada de sentido, pois a ficção não mais exerce seu papel redentor na vida do ser humano. Nessa perspectiva, cada texto, com sua linguagem própria, questiona o esfacelamento das relações humanas em tal sociedade, em que a alteridade fica comprometida, na medida em que os indivíduos deixam de ver o outro e, portanto, a si mesmos."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_519_55710bd6b7bd098289be7719bacca7ba.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => null
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "MARINÊS ANDREA KUNZ"
    "autor_nome_curto" => "MARINÊS"
    "autor_email" => "marinesak@feevale.br"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE FEEVALE"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 4478
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 220
    "inscrito_id" => 519
    "titulo" => "FAHRENHEIT 451: O ESVAZIAMENTO DA PALAVRA"
    "resumo" => "Este trabalho analisa a narrativa literária Fahrenheit 451, de Ray Bradbury, e sua versão fílmica, dirigida por François Truffaut, no que tange à transposição do literário ao fílmico, primeiramente. Também, analisa os textos quanto ao conteúdo e ao discurso, no sentido de estudar os significados veiculados. Para isso, vale-se das teorias de Mikhail Bakhtin, estudioso da filosofia da linguagem, e de André Gardies, de Arlindo Machado, de François Jost e Andre Gaudreault, que analisam o cinema e a linguagem fílmica. Ambos os textos apresentam uma sociedade em que a palavra não tem lugar, em especial a palavra escrita, já que é proibida a leitura de livros de literatura, os quais são confiscados e queimados. Reflete-se, assim, sobre o silenciamento e sobre a palavra esvaziada de sentido, pois a ficção não mais exerce seu papel redentor na vida do ser humano. Nessa perspectiva, cada texto, com sua linguagem própria, questiona o esfacelamento das relações humanas em tal sociedade, em que a alteridade fica comprometida, na medida em que os indivíduos deixam de ver o outro e, portanto, a si mesmos."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_519_55710bd6b7bd098289be7719bacca7ba.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => null
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "MARINÊS ANDREA KUNZ"
    "autor_nome_curto" => "MARINÊS"
    "autor_email" => "marinesak@feevale.br"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE FEEVALE"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 12 de julho de 2013

Resumo

Este trabalho analisa a narrativa literária Fahrenheit 451, de Ray Bradbury, e sua versão fílmica, dirigida por François Truffaut, no que tange à transposição do literário ao fílmico, primeiramente. Também, analisa os textos quanto ao conteúdo e ao discurso, no sentido de estudar os significados veiculados. Para isso, vale-se das teorias de Mikhail Bakhtin, estudioso da filosofia da linguagem, e de André Gardies, de Arlindo Machado, de François Jost e Andre Gaudreault, que analisam o cinema e a linguagem fílmica. Ambos os textos apresentam uma sociedade em que a palavra não tem lugar, em especial a palavra escrita, já que é proibida a leitura de livros de literatura, os quais são confiscados e queimados. Reflete-se, assim, sobre o silenciamento e sobre a palavra esvaziada de sentido, pois a ficção não mais exerce seu papel redentor na vida do ser humano. Nessa perspectiva, cada texto, com sua linguagem própria, questiona o esfacelamento das relações humanas em tal sociedade, em que a alteridade fica comprometida, na medida em que os indivíduos deixam de ver o outro e, portanto, a si mesmos.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.