Artigo Anais ABRALIC Internacional

ANAIS de Evento

ISSN: 2317-157X

DO CRIME EM LITERATURA: ESCRITA E ESPETÁCULO

"2013-07-12 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 4476
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 1022
    "inscrito_id" => 1339
    "titulo" => "DO CRIME EM LITERATURA: ESCRITA E ESPETÁCULO"
    "resumo" => "Embora haja, atualmente, uma vulgarização e normalização do crime resultantes da exploração midiática, não é possível afirmar que esta banalização o retirou da esfera do proibido. No entanto, em se tratando do objeto literário, podemos ver o crime sob outra ótica. Neste âmbito, propomos pensar no crime sob o ângulo não só moral, mas também estético, tendo como suporte a literatura de investigação criminal. Julgar o ato criminal sob um ponto de vista moral implica, de modo geral, na busca de um culpado ou na espera de uma confissão. Em O caso Morel (Rubem Fonseca) e em Trou de Mémoire (Hubert Aquin), o crime aparece primeiramente como elemento que impulsiona o indivíduo à escrita, porque a confissão urge. Pode-se falar, neste caso, de uma literatura que surge do crime. Por outro lado, escrever significa, para o suposto criminoso, aproximar-se de seu ato de crueldade. A escrita torna-se, ao contrário, elemento inibido pelo crime e escrever é um mal, pois pode recriar, reproduzir o fato. Lepaludier (2002) é elucidativo neste aspecto ao considerar a estrutura da investigação policial como figura da escrita e da leitura, pois ambas repousam sobre indícios. Sendo a escrita um elemento artístico, estético, estilístico, podemos pensar na seguinte hipótese para a literatura de investigação criminal: se, por um lado, os assassinatos são vistos de forma moral, motivo da dificuldade em confessá-los, por outro, o são também esteticamente, o que justificaria o receio do escritor-artista em redigi-los. Se o assassinato puder realmente ser considerado como belas artes, como afirma De Quincey (1995), o crime torna-se obra artística e passa a compor o conjunto de traços do criminoso-artista. À guisa de exemplo, em Estrela distante (Roberto Bolaño), a morte vira espetáculo como os corpos nas morgues do século XIX em Paris. A partir do que foi exposto, propomo-nos a pensar no crime e sua relação com a escrita e no crime como uma das belas artes. Para ilustrar a discussão, serão abordados exemplos em Rubem Fonseca, Roberto Bolaño e Hubert Aquin. Palavras-chave: investigação criminal, escrita, arte."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_1339_6df19f02942d6d03f7dcf35d761cba0b.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "MARINA SILVEIRA DE MELO"
    "autor_nome_curto" => "MARINA SILVEIRA DE MELO"
    "autor_email" => "marisilveiramelo@yahoo.co"
    "autor_ies" => ""
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 4476
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 1022
    "inscrito_id" => 1339
    "titulo" => "DO CRIME EM LITERATURA: ESCRITA E ESPETÁCULO"
    "resumo" => "Embora haja, atualmente, uma vulgarização e normalização do crime resultantes da exploração midiática, não é possível afirmar que esta banalização o retirou da esfera do proibido. No entanto, em se tratando do objeto literário, podemos ver o crime sob outra ótica. Neste âmbito, propomos pensar no crime sob o ângulo não só moral, mas também estético, tendo como suporte a literatura de investigação criminal. Julgar o ato criminal sob um ponto de vista moral implica, de modo geral, na busca de um culpado ou na espera de uma confissão. Em O caso Morel (Rubem Fonseca) e em Trou de Mémoire (Hubert Aquin), o crime aparece primeiramente como elemento que impulsiona o indivíduo à escrita, porque a confissão urge. Pode-se falar, neste caso, de uma literatura que surge do crime. Por outro lado, escrever significa, para o suposto criminoso, aproximar-se de seu ato de crueldade. A escrita torna-se, ao contrário, elemento inibido pelo crime e escrever é um mal, pois pode recriar, reproduzir o fato. Lepaludier (2002) é elucidativo neste aspecto ao considerar a estrutura da investigação policial como figura da escrita e da leitura, pois ambas repousam sobre indícios. Sendo a escrita um elemento artístico, estético, estilístico, podemos pensar na seguinte hipótese para a literatura de investigação criminal: se, por um lado, os assassinatos são vistos de forma moral, motivo da dificuldade em confessá-los, por outro, o são também esteticamente, o que justificaria o receio do escritor-artista em redigi-los. Se o assassinato puder realmente ser considerado como belas artes, como afirma De Quincey (1995), o crime torna-se obra artística e passa a compor o conjunto de traços do criminoso-artista. À guisa de exemplo, em Estrela distante (Roberto Bolaño), a morte vira espetáculo como os corpos nas morgues do século XIX em Paris. A partir do que foi exposto, propomo-nos a pensar no crime e sua relação com a escrita e no crime como uma das belas artes. Para ilustrar a discussão, serão abordados exemplos em Rubem Fonseca, Roberto Bolaño e Hubert Aquin. Palavras-chave: investigação criminal, escrita, arte."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_1339_6df19f02942d6d03f7dcf35d761cba0b.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "MARINA SILVEIRA DE MELO"
    "autor_nome_curto" => "MARINA SILVEIRA DE MELO"
    "autor_email" => "marisilveiramelo@yahoo.co"
    "autor_ies" => ""
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 12 de julho de 2013

Resumo

Embora haja, atualmente, uma vulgarização e normalização do crime resultantes da exploração midiática, não é possível afirmar que esta banalização o retirou da esfera do proibido. No entanto, em se tratando do objeto literário, podemos ver o crime sob outra ótica. Neste âmbito, propomos pensar no crime sob o ângulo não só moral, mas também estético, tendo como suporte a literatura de investigação criminal. Julgar o ato criminal sob um ponto de vista moral implica, de modo geral, na busca de um culpado ou na espera de uma confissão. Em O caso Morel (Rubem Fonseca) e em Trou de Mémoire (Hubert Aquin), o crime aparece primeiramente como elemento que impulsiona o indivíduo à escrita, porque a confissão urge. Pode-se falar, neste caso, de uma literatura que surge do crime. Por outro lado, escrever significa, para o suposto criminoso, aproximar-se de seu ato de crueldade. A escrita torna-se, ao contrário, elemento inibido pelo crime e escrever é um mal, pois pode recriar, reproduzir o fato. Lepaludier (2002) é elucidativo neste aspecto ao considerar a estrutura da investigação policial como figura da escrita e da leitura, pois ambas repousam sobre indícios. Sendo a escrita um elemento artístico, estético, estilístico, podemos pensar na seguinte hipótese para a literatura de investigação criminal: se, por um lado, os assassinatos são vistos de forma moral, motivo da dificuldade em confessá-los, por outro, o são também esteticamente, o que justificaria o receio do escritor-artista em redigi-los. Se o assassinato puder realmente ser considerado como belas artes, como afirma De Quincey (1995), o crime torna-se obra artística e passa a compor o conjunto de traços do criminoso-artista. À guisa de exemplo, em Estrela distante (Roberto Bolaño), a morte vira espetáculo como os corpos nas morgues do século XIX em Paris. A partir do que foi exposto, propomo-nos a pensar no crime e sua relação com a escrita e no crime como uma das belas artes. Para ilustrar a discussão, serão abordados exemplos em Rubem Fonseca, Roberto Bolaño e Hubert Aquin. Palavras-chave: investigação criminal, escrita, arte.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.