Artigo Anais ABRALIC Internacional

ANAIS de Evento

ISSN: 2317-157X

UMA VOZ ENTRE A PERIFERIA E O CENTRO

Publicado em 12 de julho de 2013

Resumo

A história de Dois irmãos, do escritor Milton Hatoum, acontece na cidade de Manaus. Seu tempo narrativo atravessa fatos históricos importantes para a contextualização de seus personagens: inicia-se em 1914, ano marcante para a história da humanidade, com a Primeira Guerra Mundial, e vai até o final da década de 1960, época de Ditadura Militar no Brasil. Esse chão histórico manauara, que registra transformações pelas quais passou a cidade durante quase todo o século XX, configura-se no romance Dois irmãos tendo como contexto de primeiro plano alguns fatores de miscigenação. O narrador-personagem Nael, por exemplo, é, ao mesmo tempo, impulsionador e resultado desse processo, levando-se em consideração que, além de nascer de uma relação de miscigenação, ele dá origem a sua narrativa. Não se trata, exclusivamente, de uma história de imigrantes, mas no romance está representado um hibridismo que se apresenta na própria técnica narrativa, na medida em que o narrador-personagem Nael concede voz a outros interlocutores e apresenta um enredo marcado pela ambivalência e pelo entrecruzamento de ações, de pensamentos e de sentimentos, que são do próprio narrador, mas também de seus principais interlocutores: a mãe Domingas e o avô Halim. Por essa razão, a análise do romance que ora se apresenta busca verificar uma certa via de mão dupla – da transição de ser periférico para a condição de narradora de seu interlocutor-narrador Nael e vice-versa, ou seja, nesse jogo entre o falar e o silenciar, da margem para o centro da narratividade – em que a índia Domingas amplia a ótica narrativa por meio da qual a história de Dois irmãos é contada, constituindo, assim, uma das vozes mais importantes dessa narrativa, porque o seu posicionamento, inclusive em relação aos gêmeos Omar e Yakub, protagonistas da história, contribui para a desconfiança do narrador Nael e, consequentemente, para a ambivalência em torno da sua paternidade. Essa ambivalência é considerada, nessa análise, força motriz do romance, sendo, portanto, exatamente sobre essa força motriz que esta análise de debruça.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.