Artigo Anais ABRALIC Internacional

ANAIS de Evento

ISSN: 2317-157X

UMA VOZ ENTRE A PERIFERIA E O CENTRO

"2013-07-12 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 4438
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 917
    "inscrito_id" => 1277
    "titulo" => "UMA VOZ ENTRE A PERIFERIA E O CENTRO"
    "resumo" => "A história de Dois irmãos, do escritor Milton Hatoum, acontece na cidade de Manaus. Seu tempo narrativo atravessa fatos históricos importantes para a contextualização de seus personagens: inicia-se em 1914, ano marcante para a história da humanidade, com a Primeira Guerra Mundial, e vai até o final da década de 1960, época de Ditadura Militar no Brasil. Esse chão histórico manauara, que registra transformações pelas quais passou a cidade durante quase todo o século XX, configura-se no romance Dois irmãos tendo como contexto de primeiro plano alguns fatores de miscigenação. O narrador-personagem Nael, por exemplo, é, ao mesmo tempo, impulsionador e resultado desse processo, levando-se em consideração que, além de nascer de uma relação de miscigenação, ele dá origem a sua narrativa. Não se trata, exclusivamente, de uma história de imigrantes, mas no romance está representado um hibridismo que se apresenta na própria técnica narrativa, na medida em que o narrador-personagem Nael concede voz a outros interlocutores e apresenta um enredo marcado pela ambivalência e pelo entrecruzamento de ações, de pensamentos e de sentimentos, que são do próprio narrador, mas também de seus principais interlocutores: a mãe Domingas e o avô Halim. Por essa razão, a análise do romance que ora se apresenta busca verificar uma certa via de mão dupla – da transição de ser periférico para a condição de narradora de seu interlocutor-narrador Nael e vice-versa, ou seja, nesse jogo entre o falar e o silenciar, da margem para o centro da narratividade – em que a índia Domingas amplia a ótica narrativa por meio da qual a história de Dois irmãos é contada, constituindo, assim, uma das vozes mais importantes dessa narrativa, porque o seu posicionamento, inclusive em relação aos gêmeos Omar e Yakub, protagonistas da história, contribui para a desconfiança do narrador Nael e, consequentemente, para a ambivalência em torno da sua paternidade. Essa ambivalência é considerada, nessa análise, força motriz do romance, sendo, portanto, exatamente sobre essa força motriz que esta análise de debruça."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_1277_0e67eb7ce6ba7476faf858737a4ebbe0.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "MARIA ANALICE PEREIRA DA SILVA"
    "autor_nome_curto" => "ANALICE PEREIRA"
    "autor_email" => "marianalice@hotmail.com"
    "autor_ies" => "UFPB"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 4438
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 917
    "inscrito_id" => 1277
    "titulo" => "UMA VOZ ENTRE A PERIFERIA E O CENTRO"
    "resumo" => "A história de Dois irmãos, do escritor Milton Hatoum, acontece na cidade de Manaus. Seu tempo narrativo atravessa fatos históricos importantes para a contextualização de seus personagens: inicia-se em 1914, ano marcante para a história da humanidade, com a Primeira Guerra Mundial, e vai até o final da década de 1960, época de Ditadura Militar no Brasil. Esse chão histórico manauara, que registra transformações pelas quais passou a cidade durante quase todo o século XX, configura-se no romance Dois irmãos tendo como contexto de primeiro plano alguns fatores de miscigenação. O narrador-personagem Nael, por exemplo, é, ao mesmo tempo, impulsionador e resultado desse processo, levando-se em consideração que, além de nascer de uma relação de miscigenação, ele dá origem a sua narrativa. Não se trata, exclusivamente, de uma história de imigrantes, mas no romance está representado um hibridismo que se apresenta na própria técnica narrativa, na medida em que o narrador-personagem Nael concede voz a outros interlocutores e apresenta um enredo marcado pela ambivalência e pelo entrecruzamento de ações, de pensamentos e de sentimentos, que são do próprio narrador, mas também de seus principais interlocutores: a mãe Domingas e o avô Halim. Por essa razão, a análise do romance que ora se apresenta busca verificar uma certa via de mão dupla – da transição de ser periférico para a condição de narradora de seu interlocutor-narrador Nael e vice-versa, ou seja, nesse jogo entre o falar e o silenciar, da margem para o centro da narratividade – em que a índia Domingas amplia a ótica narrativa por meio da qual a história de Dois irmãos é contada, constituindo, assim, uma das vozes mais importantes dessa narrativa, porque o seu posicionamento, inclusive em relação aos gêmeos Omar e Yakub, protagonistas da história, contribui para a desconfiança do narrador Nael e, consequentemente, para a ambivalência em torno da sua paternidade. Essa ambivalência é considerada, nessa análise, força motriz do romance, sendo, portanto, exatamente sobre essa força motriz que esta análise de debruça."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_1277_0e67eb7ce6ba7476faf858737a4ebbe0.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "MARIA ANALICE PEREIRA DA SILVA"
    "autor_nome_curto" => "ANALICE PEREIRA"
    "autor_email" => "marianalice@hotmail.com"
    "autor_ies" => "UFPB"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 12 de julho de 2013

Resumo

A história de Dois irmãos, do escritor Milton Hatoum, acontece na cidade de Manaus. Seu tempo narrativo atravessa fatos históricos importantes para a contextualização de seus personagens: inicia-se em 1914, ano marcante para a história da humanidade, com a Primeira Guerra Mundial, e vai até o final da década de 1960, época de Ditadura Militar no Brasil. Esse chão histórico manauara, que registra transformações pelas quais passou a cidade durante quase todo o século XX, configura-se no romance Dois irmãos tendo como contexto de primeiro plano alguns fatores de miscigenação. O narrador-personagem Nael, por exemplo, é, ao mesmo tempo, impulsionador e resultado desse processo, levando-se em consideração que, além de nascer de uma relação de miscigenação, ele dá origem a sua narrativa. Não se trata, exclusivamente, de uma história de imigrantes, mas no romance está representado um hibridismo que se apresenta na própria técnica narrativa, na medida em que o narrador-personagem Nael concede voz a outros interlocutores e apresenta um enredo marcado pela ambivalência e pelo entrecruzamento de ações, de pensamentos e de sentimentos, que são do próprio narrador, mas também de seus principais interlocutores: a mãe Domingas e o avô Halim. Por essa razão, a análise do romance que ora se apresenta busca verificar uma certa via de mão dupla – da transição de ser periférico para a condição de narradora de seu interlocutor-narrador Nael e vice-versa, ou seja, nesse jogo entre o falar e o silenciar, da margem para o centro da narratividade – em que a índia Domingas amplia a ótica narrativa por meio da qual a história de Dois irmãos é contada, constituindo, assim, uma das vozes mais importantes dessa narrativa, porque o seu posicionamento, inclusive em relação aos gêmeos Omar e Yakub, protagonistas da história, contribui para a desconfiança do narrador Nael e, consequentemente, para a ambivalência em torno da sua paternidade. Essa ambivalência é considerada, nessa análise, força motriz do romance, sendo, portanto, exatamente sobre essa força motriz que esta análise de debruça.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.