Artigo Anais ABRALIC Internacional

ANAIS de Evento

ISSN: 2317-157X

QUEIMA DE ARQUIVO: UM MAL DO ARQUIVO

"2013-07-12 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 4331
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 108
    "inscrito_id" => 283
    "titulo" => "QUEIMA DE ARQUIVO: UM MAL DO ARQUIVO"
    "resumo" => "A palavra grega arkhê designa, ao mesmo tempo, começo e comando, daí vem também a palavra do arkheîon para casa ou um domicílio de magistrados superiores, ou os arcontes, que tinham o controle sobre os documentos oficiais e também o poder de interpretá-los. O conceito de arquivo, no entanto, enfrenta um paradoxo: a reunião do arquivo pressupõe também sua destruição. Este será o percurso desta comunicação. Ela intenta um diálogo com o conceito de arquivo, assim como com o que Jacques Derrida chama de "Mal de arquivo". O conceito de arquivo, por meio do anacronismo, delinea as dobras da virada para uma teoria da memória que fuja ao modelo de chrónos, impondo uma leitura de tempos intensos, kairós. A escritura, maldita na modernidade, representa perigo, é associada ao vazio, ao silêncio, ao jogo. Ela pode, desta forma, resistir, subverter. Foi preciso, muitas vezes na história, destruir, apagar, extinguir a escritura, ou até mesmo a impronta, a marca, o rastro, o arquivo, a biblioteca. Por queima de arquivo entendemos comumente a execução de uma testemunha importante e que poderia denunciar executores de um delito. Apagar o arquivo, dessa forma, é apagar as pistas do crime. Aquele que detém o arquivo, nesta lógica, detém o poder, ou a potência de mudar a história. Apaga-se o detentor do arquivo, ou o arconte (e nesse caso, arquivo e arconte se confundem), porque se acredita, através de uma transferência de valores, extinguir o próprio arquivo. Do morto só restam cinzas e as cinzas, ao contrário do que se pensa, não são apenas o resultado de um arquivo extinto, mudo. As cinzas falam pelo morto secretamente. A discussão crítica será perpassada, principalmente, pelo pensamento de Didi-Huberman, Walter Benjamin e Jacques Derrida."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_283_8d649bb44f3174103ef89c4c9d65445d.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => null
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "HELANO JADER CAVALCANTE RIBEIRO"
    "autor_nome_curto" => "HELANO RIBEIRO"
    "autor_email" => "hjcribeiro@gmail.com"
    "autor_ies" => "UFSC"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 4331
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 108
    "inscrito_id" => 283
    "titulo" => "QUEIMA DE ARQUIVO: UM MAL DO ARQUIVO"
    "resumo" => "A palavra grega arkhê designa, ao mesmo tempo, começo e comando, daí vem também a palavra do arkheîon para casa ou um domicílio de magistrados superiores, ou os arcontes, que tinham o controle sobre os documentos oficiais e também o poder de interpretá-los. O conceito de arquivo, no entanto, enfrenta um paradoxo: a reunião do arquivo pressupõe também sua destruição. Este será o percurso desta comunicação. Ela intenta um diálogo com o conceito de arquivo, assim como com o que Jacques Derrida chama de "Mal de arquivo". O conceito de arquivo, por meio do anacronismo, delinea as dobras da virada para uma teoria da memória que fuja ao modelo de chrónos, impondo uma leitura de tempos intensos, kairós. A escritura, maldita na modernidade, representa perigo, é associada ao vazio, ao silêncio, ao jogo. Ela pode, desta forma, resistir, subverter. Foi preciso, muitas vezes na história, destruir, apagar, extinguir a escritura, ou até mesmo a impronta, a marca, o rastro, o arquivo, a biblioteca. Por queima de arquivo entendemos comumente a execução de uma testemunha importante e que poderia denunciar executores de um delito. Apagar o arquivo, dessa forma, é apagar as pistas do crime. Aquele que detém o arquivo, nesta lógica, detém o poder, ou a potência de mudar a história. Apaga-se o detentor do arquivo, ou o arconte (e nesse caso, arquivo e arconte se confundem), porque se acredita, através de uma transferência de valores, extinguir o próprio arquivo. Do morto só restam cinzas e as cinzas, ao contrário do que se pensa, não são apenas o resultado de um arquivo extinto, mudo. As cinzas falam pelo morto secretamente. A discussão crítica será perpassada, principalmente, pelo pensamento de Didi-Huberman, Walter Benjamin e Jacques Derrida."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_283_8d649bb44f3174103ef89c4c9d65445d.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => null
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "HELANO JADER CAVALCANTE RIBEIRO"
    "autor_nome_curto" => "HELANO RIBEIRO"
    "autor_email" => "hjcribeiro@gmail.com"
    "autor_ies" => "UFSC"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 12 de julho de 2013

Resumo

A palavra grega arkhê designa, ao mesmo tempo, começo e comando, daí vem também a palavra do arkheîon para casa ou um domicílio de magistrados superiores, ou os arcontes, que tinham o controle sobre os documentos oficiais e também o poder de interpretá-los. O conceito de arquivo, no entanto, enfrenta um paradoxo: a reunião do arquivo pressupõe também sua destruição. Este será o percurso desta comunicação. Ela intenta um diálogo com o conceito de arquivo, assim como com o que Jacques Derrida chama de "Mal de arquivo". O conceito de arquivo, por meio do anacronismo, delinea as dobras da virada para uma teoria da memória que fuja ao modelo de chrónos, impondo uma leitura de tempos intensos, kairós. A escritura, maldita na modernidade, representa perigo, é associada ao vazio, ao silêncio, ao jogo. Ela pode, desta forma, resistir, subverter. Foi preciso, muitas vezes na história, destruir, apagar, extinguir a escritura, ou até mesmo a impronta, a marca, o rastro, o arquivo, a biblioteca. Por queima de arquivo entendemos comumente a execução de uma testemunha importante e que poderia denunciar executores de um delito. Apagar o arquivo, dessa forma, é apagar as pistas do crime. Aquele que detém o arquivo, nesta lógica, detém o poder, ou a potência de mudar a história. Apaga-se o detentor do arquivo, ou o arconte (e nesse caso, arquivo e arconte se confundem), porque se acredita, através de uma transferência de valores, extinguir o próprio arquivo. Do morto só restam cinzas e as cinzas, ao contrário do que se pensa, não são apenas o resultado de um arquivo extinto, mudo. As cinzas falam pelo morto secretamente. A discussão crítica será perpassada, principalmente, pelo pensamento de Didi-Huberman, Walter Benjamin e Jacques Derrida.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.