Artigo Anais IV CONEDU

ANAIS de Evento

ISSN: 2358-8829

Visualizações: 307
EDUCAÇÃO EMOCIONAL, INCLUSÃO E EMPODERAMENTO: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO PARA OS/AS PROFISSIONAIS DA FUNAD

Palavra-chaves: EDUCAÇÃO EMOCIONAL, EDUCAÇÃO ESPECIAL, EMPODERAMENTO Pôster (PO) GT 18 - Educação Emocional Publicado em 20 de dezembro de 2017

Resumo

Este projeto possui como foco o empoderamento de profissionais da educação especial através da educação emocional. O argumento central é que o autoconhecimento e a vivência das emoções proporcionados pela educação emocional pode contribuir para o empoderamento desses profissionais através do desenvolvimento de novas competências e habilidades e da promoção de um ambiente de trabalho emocional mais saudável. Além disso, o presente trabalho possui uma metodologia de intervenção, que decorreu da aplicação do Inventário de Educação Emocional Gonsalves e da realização de oficinas, objetivando momentos pedagógicos de formação em educação emocional com os/as profissionais envolvidos na educação especial da Fundação Centro Integrado de Apoio ao Portador de Deficiência – FUNAD. As pessoas com deficiência trazem consigo marcas de exclusão devido ao seu contexto histórico que é marcado pela desigualdade social no que se refere aos seus direitos e sua atuação como individuo autônomo na sociedade. Essa exclusão permeia todas as áreas de sua vida, sejam elas: familiar, educacional, profissional, dentre outras; levando muitas vezes ao isolamento do indivíduo com deficiência, gerando o sentimento de incapacidade. Tal contexto é reconhecido na literatura como nocivo ao processo de construção da autonomia dessas pessoas, uma vez que por causa deste modelo esses indivíduos têm sido segregados, “patologizados” e considerados incapazes. Nesse contexto, percebe-se a relevância de preparar o emocional destes profissionais que lidam de forma próxima com as pessoas com deficiência, identificando suas emoções. A partir do autoconhecimento é possível compreender a gerir melhor a forma de atuar no meio social, conhecendo os contextos de cada um e respeitando suas particularidades. Tendo um conhecimento maior sobre si mesmo e sobre as emoções do ser humano, é possível melhorar o trabalho realizado com as pessoas com deficiência e contribuir para o empoderamento desse grupo. A Educação Emocional surge como campo cujas atividades colaboram para a quebra da rigidez e a falta de afetividade presente nos espaços sociais. As emoções passam a ser vistas como fontes essenciais ao desenvolvimento integral de todos os indivíduos, especialmente daqueles que são historicamente vitimas de marginalização e exclusão social como ocorre com o grupo constituído pelas pessoas com deficiências. A escola e demais instituições especializadas voltadas para as pessoas com deficiência necessitam de projetos educacionais inovadores que acompanhem o ritmo das transformações deste século e que se direcionem para uma educação ampla que contemple não apenas conteúdos de aprendizagem de natureza cognitiva, mas também a dimensão emocional. Por essa razão, a proposta deste projeto de educação emocional teve como prioridade os profissionais da educação especial que trabalham com as pessoas com deficiência em uma instituição governamental, uma vez que são estes profissionais que colocarão em movimento os conhecimentos adquiridos e vivenciados junto ao grupo de pessoas com deficiência e seus familiares que freqüentam a FUNAD. Nesse sentido, a Educação Emocional torna-se um caminho para confrontar os preconceitos e estereótipos que guardamos dentro de nós e que muitas vezes são responsáveis por nos impedir de enxergar a realidade, contribuindo assim para o empoderamento e transformação pessoal.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.