Artigo Anais IV CONEDU

ANAIS de Evento

ISSN: 2358-8829

A EXCLUSÃO PELA LINGUAGEM: O PRECONCEITO LINGUÍSTICO NO ENSINO FUNDAMENTAL II

Palavra-chaves: LINGUAGEM, PRECONCEITO LINGUÍSTICO, EXCLUSÃO SOCIAL Comunicação Oral (CO) GT 08 - Linguagens, Letramento e Alfabetização
"2017-12-20 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 35188
    "edicao_id" => 77
    "trabalho_id" => 397
    "inscrito_id" => 4835
    "titulo" => "A EXCLUSÃO PELA LINGUAGEM: O PRECONCEITO LINGUÍSTICO NO ENSINO FUNDAMENTAL II"
    "resumo" => "Este trabalho aborda o preconceito linguístico na sala de aula, nas turmas do 6º ao 9º ano do ensino fundamental II, da cidade de Sertãozinho – PB. Objetiva-se, portanto, discutir o preconceito linguístico como mecanismo de exclusão na escola e como objetivos específicos a) refletir acerca da inclusão pela linguagem na escola e b) apresentar alternativas que trabalham com o preconceito linguístico. Como suporte teórico nos apoiamos em: Antunes (2003), Bagno (2003), Bortoni-Ricardo (2004), PCN (1998), Travaglia (2009), entre outros. Em nossa análise de dados estão destacados diálogos estabelecidos entre a professora e os alunos, nas aulas de língua portuguesa, que expressaram a variação linguística em sala de aula e o preconceito contra as variantes não-padronizadas. A metodologia pautou-se em uma pesquisa-campo com uma abordagem qualitativa de caráter descritivo-interpretativo.Como respostas às nossas questões, verificamos que o trabalho contra o preconceito linguístico não ocorreu de maneira efetiva, isto é, a professora desconsiderou expressões preconceituosas ocorridas em sala. Percebemos que ela não soube lidar com esse tema, pois nas situações de preconceito linguístico, não utilizou nenhuma oportunidades para esclarecer a existência de variantes linguísticas diferentes da norma-padrão e isso comprova que a docente não estava preparada para trabalhar tal forma de preconceito. Além disso, ela não conseguiu promover a inclusão pela linguagem, desrespeitou as variantes não-padrão e reforçou a ideia de que apenas a língua padrão é correta. Diante dos fatos analisados, percebe-se que é fundamental trabalhar a inclusão das variantes diferentes da gramática normativa para amenizar o abismo existente entre o que é considerado padrão e não-padrão no uso da língua. Os processos educacionais devem, portanto, pautar-se pelo reconhecimento da diversidade linguística e pelo respeito às diferenças. Deve ser papel de todos estar vigilante e ser combativo a toda prática social, explícita ou velada, que estimule e personifique o preconceito linguístico."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "GT 08 - Linguagens, Letramento e Alfabetização"
    "palavra_chave" => "LINGUAGEM, PRECONCEITO LINGUÍSTICO, EXCLUSÃO SOCIAL"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV073_MD1_SA8_ID4835_12082017115435.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:20"
    "updated_at" => "2020-06-10 11:28:00"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "IARA FERREIRA DE MELO MARTINS"
    "autor_nome_curto" => "IARA MARTINS"
    "autor_email" => "iaramartins@yahoo.com"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA (UEPB)"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-iv-conedu"
    "edicao_nome" => "Anais IV CONEDU"
    "edicao_evento" => "IV Congresso Nacional de Educação"
    "edicao_ano" => 2017
    "edicao_pasta" => "anais/conedu/2017"
    "edicao_logo" => "5e4a048a72ec9_17022020001210.jpg"
    "edicao_capa" => "5f18486b9c352_22072020110843.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2017-12-20 00:00:00"
    "publicacao_id" => 19
    "publicacao_nome" => "Anais CONEDU"
    "publicacao_codigo" => "2358-8829"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 35188
    "edicao_id" => 77
    "trabalho_id" => 397
    "inscrito_id" => 4835
    "titulo" => "A EXCLUSÃO PELA LINGUAGEM: O PRECONCEITO LINGUÍSTICO NO ENSINO FUNDAMENTAL II"
    "resumo" => "Este trabalho aborda o preconceito linguístico na sala de aula, nas turmas do 6º ao 9º ano do ensino fundamental II, da cidade de Sertãozinho – PB. Objetiva-se, portanto, discutir o preconceito linguístico como mecanismo de exclusão na escola e como objetivos específicos a) refletir acerca da inclusão pela linguagem na escola e b) apresentar alternativas que trabalham com o preconceito linguístico. Como suporte teórico nos apoiamos em: Antunes (2003), Bagno (2003), Bortoni-Ricardo (2004), PCN (1998), Travaglia (2009), entre outros. Em nossa análise de dados estão destacados diálogos estabelecidos entre a professora e os alunos, nas aulas de língua portuguesa, que expressaram a variação linguística em sala de aula e o preconceito contra as variantes não-padronizadas. A metodologia pautou-se em uma pesquisa-campo com uma abordagem qualitativa de caráter descritivo-interpretativo.Como respostas às nossas questões, verificamos que o trabalho contra o preconceito linguístico não ocorreu de maneira efetiva, isto é, a professora desconsiderou expressões preconceituosas ocorridas em sala. Percebemos que ela não soube lidar com esse tema, pois nas situações de preconceito linguístico, não utilizou nenhuma oportunidades para esclarecer a existência de variantes linguísticas diferentes da norma-padrão e isso comprova que a docente não estava preparada para trabalhar tal forma de preconceito. Além disso, ela não conseguiu promover a inclusão pela linguagem, desrespeitou as variantes não-padrão e reforçou a ideia de que apenas a língua padrão é correta. Diante dos fatos analisados, percebe-se que é fundamental trabalhar a inclusão das variantes diferentes da gramática normativa para amenizar o abismo existente entre o que é considerado padrão e não-padrão no uso da língua. Os processos educacionais devem, portanto, pautar-se pelo reconhecimento da diversidade linguística e pelo respeito às diferenças. Deve ser papel de todos estar vigilante e ser combativo a toda prática social, explícita ou velada, que estimule e personifique o preconceito linguístico."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "GT 08 - Linguagens, Letramento e Alfabetização"
    "palavra_chave" => "LINGUAGEM, PRECONCEITO LINGUÍSTICO, EXCLUSÃO SOCIAL"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV073_MD1_SA8_ID4835_12082017115435.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:20"
    "updated_at" => "2020-06-10 11:28:00"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "IARA FERREIRA DE MELO MARTINS"
    "autor_nome_curto" => "IARA MARTINS"
    "autor_email" => "iaramartins@yahoo.com"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA (UEPB)"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-iv-conedu"
    "edicao_nome" => "Anais IV CONEDU"
    "edicao_evento" => "IV Congresso Nacional de Educação"
    "edicao_ano" => 2017
    "edicao_pasta" => "anais/conedu/2017"
    "edicao_logo" => "5e4a048a72ec9_17022020001210.jpg"
    "edicao_capa" => "5f18486b9c352_22072020110843.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2017-12-20 00:00:00"
    "publicacao_id" => 19
    "publicacao_nome" => "Anais CONEDU"
    "publicacao_codigo" => "2358-8829"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 20 de dezembro de 2017

Resumo

Este trabalho aborda o preconceito linguístico na sala de aula, nas turmas do 6º ao 9º ano do ensino fundamental II, da cidade de Sertãozinho – PB. Objetiva-se, portanto, discutir o preconceito linguístico como mecanismo de exclusão na escola e como objetivos específicos a) refletir acerca da inclusão pela linguagem na escola e b) apresentar alternativas que trabalham com o preconceito linguístico. Como suporte teórico nos apoiamos em: Antunes (2003), Bagno (2003), Bortoni-Ricardo (2004), PCN (1998), Travaglia (2009), entre outros. Em nossa análise de dados estão destacados diálogos estabelecidos entre a professora e os alunos, nas aulas de língua portuguesa, que expressaram a variação linguística em sala de aula e o preconceito contra as variantes não-padronizadas. A metodologia pautou-se em uma pesquisa-campo com uma abordagem qualitativa de caráter descritivo-interpretativo.Como respostas às nossas questões, verificamos que o trabalho contra o preconceito linguístico não ocorreu de maneira efetiva, isto é, a professora desconsiderou expressões preconceituosas ocorridas em sala. Percebemos que ela não soube lidar com esse tema, pois nas situações de preconceito linguístico, não utilizou nenhuma oportunidades para esclarecer a existência de variantes linguísticas diferentes da norma-padrão e isso comprova que a docente não estava preparada para trabalhar tal forma de preconceito. Além disso, ela não conseguiu promover a inclusão pela linguagem, desrespeitou as variantes não-padrão e reforçou a ideia de que apenas a língua padrão é correta. Diante dos fatos analisados, percebe-se que é fundamental trabalhar a inclusão das variantes diferentes da gramática normativa para amenizar o abismo existente entre o que é considerado padrão e não-padrão no uso da língua. Os processos educacionais devem, portanto, pautar-se pelo reconhecimento da diversidade linguística e pelo respeito às diferenças. Deve ser papel de todos estar vigilante e ser combativo a toda prática social, explícita ou velada, que estimule e personifique o preconceito linguístico.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.