Artigo Anais IV SINALGE

ANAIS de Evento

ISSN: 2527-0028

PRÁTICAS E HISTÓRIAS DE PROFESSORES LEITORES: O PODER NAS ENTRELINHAS DO DISCURSO

Palavra-chaves: DISCURSOS, HISTÓRIA, LEITURA, PROFESSOR, PROFESSOR Comunicação Oral (CO) GT06-AS PRÁTICAS DISCURSIVAS DO COTIDIANO: ENTRE O PODER E A RESISTÊNCIA Publicado em 27 de abril de 2017

Resumo

Apesar de constantemente revisitada, a temática da leitura apresenta-se ainda como objeto de investigação. Partimos da hipótese de que recuperar os discursos e a história de leitura de professores poderá contribuir para (re)pensar o poder que está presente em todas as instâncias da sociedade. As práticas de leitura e os dizeres educacionais são um exemplo disso. Nesse sentido, este trabalho apresenta reflexões acerca dos discursos de professores de língua portuguesa sobre a leitura, a fim de compreender, a partir da história de suas práticas de leitura, as relações de poder que se instauram no exercício das leituras do professor do ensino médio de escolas públicas e privadas, no município de João Pessoa-PB. Para a análise dos dados, partimos dos pressupostos teóricos de Bakhtin/Volochinov (2002) e Foucault (2003) sobre o discurso e tendo em vista a leitura enquanto prática institucionalizada e diversificada, amparamo-nos em estudos desenvolvidos por Orlandi (2012). Considerando a leitura enquanto uma prática social e cultural, temos como referencial teórico os trabalhos de Certeau (2012), Chartier (1990, 1991, 1998) e Manguel (1997), referenciamos também os trabalhos de Abreu (1999, 2010), Lajolo (2008) e Zilberman (2009), Sousa (2002, 2008, 2009), Coracini (2010), Alves (2011), entre outros. Em termos metodológicos, este trabalho constitui-se em uma pesquisa qualitativa, cujos dados são resultantes de entrevistas, constituídas de perguntas semiestruturadas, realizadas com professores de ensino médio de 3 (três) escolas públicas e de 3 (três) escolas privadas do município de João Pessoa-PB. Como categorias de análise, apontamos duas possibilidades de investigação que permitiram uma compreensão mais abrangente do nosso sujeito, o professor-leitor: antes da sua atuação profissional e durante/após a sua atuação profissional. Desse modo, pretendemos observar a relação que o sujeito manteve com a leitura na infância e/ou na juventude e a relação que esse mesmo sujeito manteve com a leitura enquanto professor-leitor. A partir da análise dos dados, concluímos que os professores em exercício no ensino médio, nas escolas públicas e privadas de João Pessoa-PB, trazem consigo uma trajetória leitora, adquirida ao longo de sua vida, na formação inicial e durante sua atuação profissional, marcada por alguns discursos já cristalizados na sociedade atual. Em outras palavras, chegamos à conclusão de que os discursos dos professores revelam resquícios de uma história da leitura que remonta a práticas historicamente solidificadas de aquisição e aprendizagem da leitura no âmbito familiar e escolar, assim como dizeres naturalizados que o construíram enquanto sujeito leitor. Isto é, de acordo com as relações de poder, os aspectos culturais de sua formação leitora são marcados socialmente, sendo organizados e controlados, a partir de critérios e regras construídos e solidificados através do tempo. É também importante ressaltar que as questões que envolvem o acesso e a produção de leitura desses professores são determinadas tanto pelas condições sociais nas quais eles se encontram, quanto pela própria tomada de iniciativa desses sujeitos em prol de seu exercício profissional.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.