Artigo Anais IV SINALGE

ANAIS de Evento

ISSN: 2527-0028

BRANCA DE NEVE E OS SETE ANÕES: UMA ANÁLISE COMPARATIVA DO CORDEL LUSO-BRASILEIRO

Palavra-chaves: FOLHETO DE CORDEL, BRANCA DE NEVE E OS SETE ANÕES, CONTOS DE FADAS Comunicação Oral (CO) GT17-LITERATURA INFANTOJUVENIL E DIVERSIDADE DE GÊNEROS LITERÁRIOS
"2017-04-27 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 27272
    "edicao_id" => 57
    "trabalho_id" => 368
    "inscrito_id" => 173
    "titulo" => "BRANCA DE NEVE E OS SETE ANÕES: UMA ANÁLISE COMPARATIVA DO CORDEL LUSO-BRASILEIRO"
    "resumo" => "O trabalho a seguir surgiu durante a disciplina Literatura de Cordel, ofertada pela POSLE (UFCG) e se propõe a realizar reflexões analíticas entre o folheto lusitano de Branca de Neve e os sete anões e sua versão em cordel nordestino intitulada História de Branca de Neve e os Sete anões. Conhecido mundialmente, o conto dos irmãos Grimm, publicado nos primórdios do século XIX, baseou-se em histórias de tradição oral e despertou a curiosidade e envolvimento de vários leitores, tornando-se uma das adaptações de narrativas infantis mais conhecidas no Brasil. Marcou diversas gerações de leitores, até os dias atuais, através do seu enredo e da magia que o envolve. A história também foi reeditada em forma de folheto lusitano, com ajustamentos próprios ao gênero. Posteriormente, Branca de Neve também foi “aclimatada” para o formato de folheto nordestino, havendo adequação da linguagem e das personagens ao contexto das vivências nordestinas e narrando a história em forma de versos cheios de rima e com um ritmo bastante marcado, como é característico dos cordéis brasileiros. Nesse sentido, lançamos um olhar comparativo entre os folhetos, buscando realçar as diferenças e confluências existentes na produção desse gênero literário em Portugal e no Brasil. Tal perspectiva poderá contribuir para a leitura de ambas as obras em sala de aula e para a percepção da riqueza estética existente nas “traduções” de textos literários originários da tradição oral. Para tanto, nos embasaremos nos apontamentos de Abreu (1999), Ayala (1997), Coelho (1987) e (1991), Lajolo e Zilbeman (1994), entre outras vozes teóricas."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "GT17-LITERATURA INFANTOJUVENIL E DIVERSIDADE DE GÊNEROS LITERÁRIOS"
    "palavra_chave" => "FOLHETO DE CORDEL, BRANCA DE NEVE E OS SETE ANÕES, CONTOS DE FADAS"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV066_MD1_SA17_ID173_15032017171724.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:13"
    "updated_at" => "2020-06-10 12:56:11"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "THALYTA COSTA VIDAL "
    "autor_nome_curto" => "THALYTA VIDAL"
    "autor_email" => "vidal.thalyta@hotmail.com"
    "autor_ies" => "UFCG"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-iv-sinalge"
    "edicao_nome" => "Anais IV SINALGE"
    "edicao_evento" => "IV Simpósio Nacional de Linguagens e Gêneros Textuais"
    "edicao_ano" => 2017
    "edicao_pasta" => "anais/sinalge/2017"
    "edicao_logo" => "5e4d8586dda3e_19022020155918.png"
    "edicao_capa" => "5f1880a141ece_22072020150833.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2017-04-27 00:00:00"
    "publicacao_id" => 35
    "publicacao_nome" => "Anais SINALGE"
    "publicacao_codigo" => "2527-0028"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 27272
    "edicao_id" => 57
    "trabalho_id" => 368
    "inscrito_id" => 173
    "titulo" => "BRANCA DE NEVE E OS SETE ANÕES: UMA ANÁLISE COMPARATIVA DO CORDEL LUSO-BRASILEIRO"
    "resumo" => "O trabalho a seguir surgiu durante a disciplina Literatura de Cordel, ofertada pela POSLE (UFCG) e se propõe a realizar reflexões analíticas entre o folheto lusitano de Branca de Neve e os sete anões e sua versão em cordel nordestino intitulada História de Branca de Neve e os Sete anões. Conhecido mundialmente, o conto dos irmãos Grimm, publicado nos primórdios do século XIX, baseou-se em histórias de tradição oral e despertou a curiosidade e envolvimento de vários leitores, tornando-se uma das adaptações de narrativas infantis mais conhecidas no Brasil. Marcou diversas gerações de leitores, até os dias atuais, através do seu enredo e da magia que o envolve. A história também foi reeditada em forma de folheto lusitano, com ajustamentos próprios ao gênero. Posteriormente, Branca de Neve também foi “aclimatada” para o formato de folheto nordestino, havendo adequação da linguagem e das personagens ao contexto das vivências nordestinas e narrando a história em forma de versos cheios de rima e com um ritmo bastante marcado, como é característico dos cordéis brasileiros. Nesse sentido, lançamos um olhar comparativo entre os folhetos, buscando realçar as diferenças e confluências existentes na produção desse gênero literário em Portugal e no Brasil. Tal perspectiva poderá contribuir para a leitura de ambas as obras em sala de aula e para a percepção da riqueza estética existente nas “traduções” de textos literários originários da tradição oral. Para tanto, nos embasaremos nos apontamentos de Abreu (1999), Ayala (1997), Coelho (1987) e (1991), Lajolo e Zilbeman (1994), entre outras vozes teóricas."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "GT17-LITERATURA INFANTOJUVENIL E DIVERSIDADE DE GÊNEROS LITERÁRIOS"
    "palavra_chave" => "FOLHETO DE CORDEL, BRANCA DE NEVE E OS SETE ANÕES, CONTOS DE FADAS"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV066_MD1_SA17_ID173_15032017171724.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:13"
    "updated_at" => "2020-06-10 12:56:11"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "THALYTA COSTA VIDAL "
    "autor_nome_curto" => "THALYTA VIDAL"
    "autor_email" => "vidal.thalyta@hotmail.com"
    "autor_ies" => "UFCG"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-iv-sinalge"
    "edicao_nome" => "Anais IV SINALGE"
    "edicao_evento" => "IV Simpósio Nacional de Linguagens e Gêneros Textuais"
    "edicao_ano" => 2017
    "edicao_pasta" => "anais/sinalge/2017"
    "edicao_logo" => "5e4d8586dda3e_19022020155918.png"
    "edicao_capa" => "5f1880a141ece_22072020150833.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2017-04-27 00:00:00"
    "publicacao_id" => 35
    "publicacao_nome" => "Anais SINALGE"
    "publicacao_codigo" => "2527-0028"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 27 de abril de 2017

Resumo

O trabalho a seguir surgiu durante a disciplina Literatura de Cordel, ofertada pela POSLE (UFCG) e se propõe a realizar reflexões analíticas entre o folheto lusitano de Branca de Neve e os sete anões e sua versão em cordel nordestino intitulada História de Branca de Neve e os Sete anões. Conhecido mundialmente, o conto dos irmãos Grimm, publicado nos primórdios do século XIX, baseou-se em histórias de tradição oral e despertou a curiosidade e envolvimento de vários leitores, tornando-se uma das adaptações de narrativas infantis mais conhecidas no Brasil. Marcou diversas gerações de leitores, até os dias atuais, através do seu enredo e da magia que o envolve. A história também foi reeditada em forma de folheto lusitano, com ajustamentos próprios ao gênero. Posteriormente, Branca de Neve também foi “aclimatada” para o formato de folheto nordestino, havendo adequação da linguagem e das personagens ao contexto das vivências nordestinas e narrando a história em forma de versos cheios de rima e com um ritmo bastante marcado, como é característico dos cordéis brasileiros. Nesse sentido, lançamos um olhar comparativo entre os folhetos, buscando realçar as diferenças e confluências existentes na produção desse gênero literário em Portugal e no Brasil. Tal perspectiva poderá contribuir para a leitura de ambas as obras em sala de aula e para a percepção da riqueza estética existente nas “traduções” de textos literários originários da tradição oral. Para tanto, nos embasaremos nos apontamentos de Abreu (1999), Ayala (1997), Coelho (1987) e (1991), Lajolo e Zilbeman (1994), entre outras vozes teóricas.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Comentários

Por que meu comentário não aparece?
  • Kássiane Cardoso

    Qual foi o ambiente da história?

    20/04/2022 12:10:41
  • Ana Luiza Meneses

    Isso ai

    26/03/2021 12:20:34
  • Ana Luiza Meneses

    Isso ai

    26/03/2021 12:20:34

Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.