Artigo Anais IV SINALGE

ANAIS de Evento

ISSN: 2527-0028

Visualizações: 218
LÁ E AQUI: ESTRATÉGIAS NARRATIVAS NO LIVRO ILUSTRADO

Palavra-chaves: LITERATURA INFANTIL, LIVRO ILUSTRADO, ODILON MORAES Comunicação Oral (CO) GT17-LITERATURA INFANTOJUVENIL E DIVERSIDADE DE GÊNEROS LITERÁRIOS Publicado em 27 de abril de 2017

Resumo

Os livros de literatura infantil, comumente, recebem dedicação especial em sua formatação para que possam vir a estimular o interesse da criança pela leitura. Um dos focos desse cuidado diz respeito aos seus aspectos gráficos: capa, tipo e tamanho das fontes, cores das páginas e das letras, relevos, dimensões físicas do livro, e ilustração. Dessa forma, ao mesmo tempo em que lemos os textos também lemos as ilustrações e entendemos que estas podem modificar, ampliar, subverter ou explicar interferindo na apreensão do texto escrito. O livro infantil contemporâneo, em um movimento crescente desde a década de 1970, acumulou várias modificações técnicas, discursos variados e recursos de cortes e formas que resultaram na valorização desse objeto desenvolvido para um leitor na infância. Antes desse momento, era comum o uso das ilustrações com objetivos explicativos de apresentação das narrativas. Ao assumir um espaço de destaque no livro a imagem passa a compor o papel de protagonista dividindo com o texto a composição do Livro Infantil. Para este artigo desenvolveremos considerações sobre Lá e Aqui (2015) de Carolyna Moreyra, ilustrado por Odilon Moraes. O enredo é sobre o processo de separação de um casal sob o ponto de vista sensível do filho. Entre imagens de páginas duplas, sem margens e sem fundo, a história se estabelece através de jogos metonímicos de apresentação dos elementos gráficos que compõem o ritmo narrativo. Podemos dizer que o espaço gráfico e narrativo são usados de forma estratégica e o jogo de significados entre casa, moradores, lá e aqui, segmenta a narrativa entre os momentos do antes e do depois. Faremos uma proposta de leitura permeada pelo uso das estratégias de construção de sentido centradas nas inferências, verificaremos quais elementos plásticos estão dispostos no projeto gráfico e na composição do diálogo entre texto e imagem. Para tanto, utilizaremos as discussões de RAMOS (2013) sobre imagem e livro infantil, OLIVEIRA (2008) sobre as técnicas para ilustrar o livro para crianças, ARAÚJO e OLIVEIRA (2012) sobre leitura de imagens e NIKOLAJEVA e SCOTT (2011) acerca do livro ilustrado e suas peculiaridades.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.