Artigo Anais IV ENID / UEPB

ANAIS de Evento

ISSN: 2318-7379

Visualizações: 276
O DEBATE COMO RECURSO PARA REFLEXÃO DE AFRICANIDADES NA AULA DE LP

Palavra-chaves: AFRICANIDADES, GÊNEROS ORAIS, DEBATE Comunicação Oral (CO) Teoria e prática no ensino de língua portuguesa: unindo escola e sociedade Publicado em 22 de novembro de 2014

Resumo

Este artigo tem por finalidade expor os resultados das atividades realizadas nas aulas de Língua Portuguesa, as quais foram desenvolvidas o projeto Africanidades no 2º ano do Ensino Médio da Escola Estadual do Ensino Fundamental e Médio Professor José Soares de Carvalho na cidade de Guarabira - PB, este teve o objetivo de mostrar ao alunado as reflexões sobre o preconceito e discriminação, dando vaga a temas ligados à africanidades, como personalidades negras, danças, artes, cinema, literatura, comidas e culturas, objetivando fazer com que os alunos percebam o quão foi e ainda são importante às influências africanas no nosso país e nada mais justo que colocar em foco o estudo, a discussão em sala de aula de uma forma interdisciplinar, ou seja, não somente na aula de Português, a pauta sobre africanidades, considerando que a escola brasileira tem uma diversidade ímpar. Procurou-se mostrar, portanto, um assunto ainda pouco explorado em sala de aula, ou seja, as reflexões sobre africanidades, num país veemente influenciado pelos povos africanos. Por essa razão se fez necessário um ensino nas aulas de LP que despertasse no aluno a vontade de expor suas opiniões, de como o negro é visualizado na sociedade de então, por isso foram utilizados os gêneros orais como o debate. Podemos dizer que o ensino do oral nas aulas de Língua Portuguesa é pouco explorado, por isso o uso de gêneros orais como o debate se torna essencial para desenvolver no alunado uma utilização de discursos coerentes, críticos que possam possibilitar aos mesmos uma construção de identidade através de opiniões formadas. Quanto ao aporte teórico, utilizamos Cunha Júnior (2013) que aborda diretamente sobre Africanidades Brasileiras, já sobre os gêneros orais, tomamos como base as discussões de Dolz, Schneuwly, De Pietro (2004) e Marcuschi (2002).

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.