Artigo Anais I CONEDU

ANAIS de Evento

ISSN: 2358-8829

EDUCAÇÃO PARA O “SABER FAZER”: FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA QUE PROJETO DE SOCIEDADE?

Palavra-chaves: FORMAÇÃO DE PROFESSORES, POLÍTICA PÚBLICA, EQUIDADE Comunicação Oral (CO) FORMAÇÃO DE PROFESSORES
"2014-09-18 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 7184
    "edicao_id" => 23
    "trabalho_id" => 173
    "inscrito_id" => 4211
    "titulo" => "EDUCAÇÃO PARA O “SABER FAZER”: FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA QUE PROJETO DE SOCIEDADE?"
    "resumo" => "O presente trabalho tem como objetivo central identificar e analisar os referenciais epistemológicos, metodológicos e ético-políticos que orientaram o processo de ampliação das políticas de formação de professores no Brasil de 2003 a 2010. Temos como hipótese que, em especial, no governo Lula houve uma ressignificação de conceitos construindo-se um novo quadro teórico-epistemológico e ético-político para a formação de professores voltado para a equidade, a partir de diferentes ênfases dadas à noção de: competências, capital social e capital humano mantendo como base a epistemologia pragmática. Com isso, questionamos: em que medida essa concepção/ projeto de formação se coaduna com as políticas de equidade que têm estruturado o projeto de sociedade de governo? A diferença entre os indivíduos deve ser o ponto de sustentação e partida para se tratar o desigual? Ao focalizar na diferença não perdemos o que se define o humano como “ser genérico”? A concepção fragmentada do ser não facilita uma leitura do sujeito apenas como ser biológico e funcional? Por que as políticas se centram na equidade e não na universalidade? Partimos do materialismo histórico-dialético como referencial de análise e estabelecemos diálogo com os estudos de Gramsci (2004, 1989), Ramos (2002), Frigotto (2000), Motta (2007), dentre outros. Como resultados parciais, compreendemos que o discurso da diversidade tem sido usado no contexto neoliberal como se fosse algo do indivíduo, ou seja, descontextualizado, fora de concepções e projetos de sociedade, sem a existência de classes sociais. Com isso, perpetua-se a lógica da equidade e não na universalidade perpetuando-se uma sociedade classista e que, por essência, é desigual, segregadora. Através do empoderamento de pequenos grupos fomentam-se princípios educativos voltados para uma formação de homem (voluntário, solidários, conformado) em uma sociedade que aparentemente é colaborativa e não conflitiva."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "FORMAÇÃO DE PROFESSORES"
    "palavra_chave" => "FORMAÇÃO DE PROFESSORES, POLÍTICA PÚBLICA, EQUIDADE"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "Modalidade_1datahora_10_07_2014_09_28_19_idinscrito_4211_dd09d72674001c3698d4abaef0e49330.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:53"
    "updated_at" => "2020-06-10 11:12:25"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "FLAVIA DE FIGUEIREDO DE LAMARE"
    "autor_nome_curto" => "FLAVIA"
    "autor_email" => "flaviadelamare@fiocruz.br"
    "autor_ies" => "FIOCRUZ/UERJ"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-i-conedu"
    "edicao_nome" => "Anais I CONEDU"
    "edicao_evento" => "Congresso Nacional de Educação"
    "edicao_ano" => 2014
    "edicao_pasta" => "anais/conedu/2014"
    "edicao_logo" => "5e4a0671b0a63_17022020002017.png"
    "edicao_capa" => "5f1848d9ed142_22072020111033.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2014-09-18 00:00:00"
    "publicacao_id" => 19
    "publicacao_nome" => "Anais CONEDU"
    "publicacao_codigo" => "2358-8829"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 7184
    "edicao_id" => 23
    "trabalho_id" => 173
    "inscrito_id" => 4211
    "titulo" => "EDUCAÇÃO PARA O “SABER FAZER”: FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA QUE PROJETO DE SOCIEDADE?"
    "resumo" => "O presente trabalho tem como objetivo central identificar e analisar os referenciais epistemológicos, metodológicos e ético-políticos que orientaram o processo de ampliação das políticas de formação de professores no Brasil de 2003 a 2010. Temos como hipótese que, em especial, no governo Lula houve uma ressignificação de conceitos construindo-se um novo quadro teórico-epistemológico e ético-político para a formação de professores voltado para a equidade, a partir de diferentes ênfases dadas à noção de: competências, capital social e capital humano mantendo como base a epistemologia pragmática. Com isso, questionamos: em que medida essa concepção/ projeto de formação se coaduna com as políticas de equidade que têm estruturado o projeto de sociedade de governo? A diferença entre os indivíduos deve ser o ponto de sustentação e partida para se tratar o desigual? Ao focalizar na diferença não perdemos o que se define o humano como “ser genérico”? A concepção fragmentada do ser não facilita uma leitura do sujeito apenas como ser biológico e funcional? Por que as políticas se centram na equidade e não na universalidade? Partimos do materialismo histórico-dialético como referencial de análise e estabelecemos diálogo com os estudos de Gramsci (2004, 1989), Ramos (2002), Frigotto (2000), Motta (2007), dentre outros. Como resultados parciais, compreendemos que o discurso da diversidade tem sido usado no contexto neoliberal como se fosse algo do indivíduo, ou seja, descontextualizado, fora de concepções e projetos de sociedade, sem a existência de classes sociais. Com isso, perpetua-se a lógica da equidade e não na universalidade perpetuando-se uma sociedade classista e que, por essência, é desigual, segregadora. Através do empoderamento de pequenos grupos fomentam-se princípios educativos voltados para uma formação de homem (voluntário, solidários, conformado) em uma sociedade que aparentemente é colaborativa e não conflitiva."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "FORMAÇÃO DE PROFESSORES"
    "palavra_chave" => "FORMAÇÃO DE PROFESSORES, POLÍTICA PÚBLICA, EQUIDADE"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "Modalidade_1datahora_10_07_2014_09_28_19_idinscrito_4211_dd09d72674001c3698d4abaef0e49330.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:53"
    "updated_at" => "2020-06-10 11:12:25"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "FLAVIA DE FIGUEIREDO DE LAMARE"
    "autor_nome_curto" => "FLAVIA"
    "autor_email" => "flaviadelamare@fiocruz.br"
    "autor_ies" => "FIOCRUZ/UERJ"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-i-conedu"
    "edicao_nome" => "Anais I CONEDU"
    "edicao_evento" => "Congresso Nacional de Educação"
    "edicao_ano" => 2014
    "edicao_pasta" => "anais/conedu/2014"
    "edicao_logo" => "5e4a0671b0a63_17022020002017.png"
    "edicao_capa" => "5f1848d9ed142_22072020111033.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2014-09-18 00:00:00"
    "publicacao_id" => 19
    "publicacao_nome" => "Anais CONEDU"
    "publicacao_codigo" => "2358-8829"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 18 de setembro de 2014

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo central identificar e analisar os referenciais epistemológicos, metodológicos e ético-políticos que orientaram o processo de ampliação das políticas de formação de professores no Brasil de 2003 a 2010. Temos como hipótese que, em especial, no governo Lula houve uma ressignificação de conceitos construindo-se um novo quadro teórico-epistemológico e ético-político para a formação de professores voltado para a equidade, a partir de diferentes ênfases dadas à noção de: competências, capital social e capital humano mantendo como base a epistemologia pragmática. Com isso, questionamos: em que medida essa concepção/ projeto de formação se coaduna com as políticas de equidade que têm estruturado o projeto de sociedade de governo? A diferença entre os indivíduos deve ser o ponto de sustentação e partida para se tratar o desigual? Ao focalizar na diferença não perdemos o que se define o humano como “ser genérico”? A concepção fragmentada do ser não facilita uma leitura do sujeito apenas como ser biológico e funcional? Por que as políticas se centram na equidade e não na universalidade? Partimos do materialismo histórico-dialético como referencial de análise e estabelecemos diálogo com os estudos de Gramsci (2004, 1989), Ramos (2002), Frigotto (2000), Motta (2007), dentre outros. Como resultados parciais, compreendemos que o discurso da diversidade tem sido usado no contexto neoliberal como se fosse algo do indivíduo, ou seja, descontextualizado, fora de concepções e projetos de sociedade, sem a existência de classes sociais. Com isso, perpetua-se a lógica da equidade e não na universalidade perpetuando-se uma sociedade classista e que, por essência, é desigual, segregadora. Através do empoderamento de pequenos grupos fomentam-se princípios educativos voltados para uma formação de homem (voluntário, solidários, conformado) em uma sociedade que aparentemente é colaborativa e não conflitiva.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.