Artigo Anais I CONEDU

ANAIS de Evento

ISSN: 2358-8829

A ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS E OS DESAFIOS PARA A CONTINUIDADE DA ESCOLARIDADE: POR UMA SUPERAÇÃO DA IDEIA DE “FRACASSO”.

Palavra-chaves: ESCOLARIZAÇÃO NA EJA, FRACASSO ESCOLAR, LETRAMENTO Comunicação Oral (CO) EDUCAÇÃO DE PESSOAS JOVENS E ADULTAS
"2014-09-18 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 6649
    "edicao_id" => 23
    "trabalho_id" => 1651
    "inscrito_id" => 4454
    "titulo" => "A ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS E OS DESAFIOS PARA A CONTINUIDADE DA ESCOLARIDADE: POR UMA SUPERAÇÃO DA IDEIA DE “FRACASSO”."
    "resumo" => "No ano de 2012, passou-se a ser veiculado nas televisões uma propaganda do governo brasileiro, por meio do Ministério da Educação e Cultura, intitulada “Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa”, que define a idade de 8 (oito) anos o limite para que uma pessoa seja alfabetizada. Não é novidade que muitas crianças e jovens finalizam o ciclo destinado ao pleno domínio da leitura e da escrita sem, no entanto, poder/saber fazê-lo. Isso é preocupante já que, além de seu futuro de plena interação com a cultura escrita, o “futuro do país” também fica “comprometido”, como diz a propaganda oficial.O esforço efetivado no tempo presente certamente será decisivo para que não tenhamos, daqui a alguns anos ou décadas, um vultuoso número de pessoas em situação de analfabetismo no Brasil. No entanto, essa significativa parcela da sociedade brasileira, 13,9 milhões segundo o Censo 2010, permanece fora do foco das políticas educacionais, apesar das temáticas relacionadas à Educação de Jovens e Adultos – EJA, ganharem espaços significativos nas atuais discussões acadêmicas, principalmente no que se refere à alfabetização e ao letramento. Ler e escrever são as bases da educação escolar, e também de um padrão intelectual que corrobora para a conformação do sujeito cartesiano na escola. Estamos falando de epistemologias que levam à negação do sujeito real, o mesmo sujeito do fracasso escolar, que também se reflete no discurso das propagandas governamentais, situando a EJA em um não-lugar.Neste trabalho, trazemos reflexões sobre esse sujeito real da EJA e sobre a necessidade de (re)posicioná-lo em outro lugar que não o do sujeito do fracasso escolar, numa perspectiva inclusiva. Essa discussão é feita com base nas contribuições teóricas de Senna (2007, 2008), a partir de um estudo de caso, um relato de uma aula onde a propaganda do governo é questionada por um estudante adulto do Programa Brasil Alfabetizado do município de João Pessoa-PB."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "EDUCAÇÃO DE PESSOAS JOVENS E ADULTAS"
    "palavra_chave" => "ESCOLARIZAÇÃO NA EJA, FRACASSO ESCOLAR, LETRAMENTO"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "Modalidade_1datahora_14_08_2014_12_30_43_idinscrito_4454_2979efa5d47833b1193368da5459a5bd.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:53"
    "updated_at" => "2020-06-10 11:12:23"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "LAURITA DIAS DO NASCIMENTO"
    "autor_nome_curto" => "LAURITA DIAS"
    "autor_email" => "lauritadias.ch@gmail.com"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE - UFCG"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-i-conedu"
    "edicao_nome" => "Anais I CONEDU"
    "edicao_evento" => "Congresso Nacional de Educação"
    "edicao_ano" => 2014
    "edicao_pasta" => "anais/conedu/2014"
    "edicao_logo" => "5e4a0671b0a63_17022020002017.png"
    "edicao_capa" => "5f1848d9ed142_22072020111033.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2014-09-18 00:00:00"
    "publicacao_id" => 19
    "publicacao_nome" => "Anais CONEDU"
    "publicacao_codigo" => "2358-8829"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 6649
    "edicao_id" => 23
    "trabalho_id" => 1651
    "inscrito_id" => 4454
    "titulo" => "A ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS E OS DESAFIOS PARA A CONTINUIDADE DA ESCOLARIDADE: POR UMA SUPERAÇÃO DA IDEIA DE “FRACASSO”."
    "resumo" => "No ano de 2012, passou-se a ser veiculado nas televisões uma propaganda do governo brasileiro, por meio do Ministério da Educação e Cultura, intitulada “Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa”, que define a idade de 8 (oito) anos o limite para que uma pessoa seja alfabetizada. Não é novidade que muitas crianças e jovens finalizam o ciclo destinado ao pleno domínio da leitura e da escrita sem, no entanto, poder/saber fazê-lo. Isso é preocupante já que, além de seu futuro de plena interação com a cultura escrita, o “futuro do país” também fica “comprometido”, como diz a propaganda oficial.O esforço efetivado no tempo presente certamente será decisivo para que não tenhamos, daqui a alguns anos ou décadas, um vultuoso número de pessoas em situação de analfabetismo no Brasil. No entanto, essa significativa parcela da sociedade brasileira, 13,9 milhões segundo o Censo 2010, permanece fora do foco das políticas educacionais, apesar das temáticas relacionadas à Educação de Jovens e Adultos – EJA, ganharem espaços significativos nas atuais discussões acadêmicas, principalmente no que se refere à alfabetização e ao letramento. Ler e escrever são as bases da educação escolar, e também de um padrão intelectual que corrobora para a conformação do sujeito cartesiano na escola. Estamos falando de epistemologias que levam à negação do sujeito real, o mesmo sujeito do fracasso escolar, que também se reflete no discurso das propagandas governamentais, situando a EJA em um não-lugar.Neste trabalho, trazemos reflexões sobre esse sujeito real da EJA e sobre a necessidade de (re)posicioná-lo em outro lugar que não o do sujeito do fracasso escolar, numa perspectiva inclusiva. Essa discussão é feita com base nas contribuições teóricas de Senna (2007, 2008), a partir de um estudo de caso, um relato de uma aula onde a propaganda do governo é questionada por um estudante adulto do Programa Brasil Alfabetizado do município de João Pessoa-PB."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "EDUCAÇÃO DE PESSOAS JOVENS E ADULTAS"
    "palavra_chave" => "ESCOLARIZAÇÃO NA EJA, FRACASSO ESCOLAR, LETRAMENTO"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "Modalidade_1datahora_14_08_2014_12_30_43_idinscrito_4454_2979efa5d47833b1193368da5459a5bd.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:53"
    "updated_at" => "2020-06-10 11:12:23"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "LAURITA DIAS DO NASCIMENTO"
    "autor_nome_curto" => "LAURITA DIAS"
    "autor_email" => "lauritadias.ch@gmail.com"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE - UFCG"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-i-conedu"
    "edicao_nome" => "Anais I CONEDU"
    "edicao_evento" => "Congresso Nacional de Educação"
    "edicao_ano" => 2014
    "edicao_pasta" => "anais/conedu/2014"
    "edicao_logo" => "5e4a0671b0a63_17022020002017.png"
    "edicao_capa" => "5f1848d9ed142_22072020111033.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2014-09-18 00:00:00"
    "publicacao_id" => 19
    "publicacao_nome" => "Anais CONEDU"
    "publicacao_codigo" => "2358-8829"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 18 de setembro de 2014

Resumo

No ano de 2012, passou-se a ser veiculado nas televisões uma propaganda do governo brasileiro, por meio do Ministério da Educação e Cultura, intitulada “Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa”, que define a idade de 8 (oito) anos o limite para que uma pessoa seja alfabetizada. Não é novidade que muitas crianças e jovens finalizam o ciclo destinado ao pleno domínio da leitura e da escrita sem, no entanto, poder/saber fazê-lo. Isso é preocupante já que, além de seu futuro de plena interação com a cultura escrita, o “futuro do país” também fica “comprometido”, como diz a propaganda oficial.O esforço efetivado no tempo presente certamente será decisivo para que não tenhamos, daqui a alguns anos ou décadas, um vultuoso número de pessoas em situação de analfabetismo no Brasil. No entanto, essa significativa parcela da sociedade brasileira, 13,9 milhões segundo o Censo 2010, permanece fora do foco das políticas educacionais, apesar das temáticas relacionadas à Educação de Jovens e Adultos – EJA, ganharem espaços significativos nas atuais discussões acadêmicas, principalmente no que se refere à alfabetização e ao letramento. Ler e escrever são as bases da educação escolar, e também de um padrão intelectual que corrobora para a conformação do sujeito cartesiano na escola. Estamos falando de epistemologias que levam à negação do sujeito real, o mesmo sujeito do fracasso escolar, que também se reflete no discurso das propagandas governamentais, situando a EJA em um não-lugar.Neste trabalho, trazemos reflexões sobre esse sujeito real da EJA e sobre a necessidade de (re)posicioná-lo em outro lugar que não o do sujeito do fracasso escolar, numa perspectiva inclusiva. Essa discussão é feita com base nas contribuições teóricas de Senna (2007, 2008), a partir de um estudo de caso, um relato de uma aula onde a propaganda do governo é questionada por um estudante adulto do Programa Brasil Alfabetizado do município de João Pessoa-PB.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.