Artigo Anais X CONAGES

ANAIS de Evento

ISSN: 2177-4781

Visualizações: 236
CINEMA COMO ESTRUTURA CORROBORANTE À IDEOLOGIA DOMINANTE: A RESISTÊNCIA EM EXIBIR FILMES DE TEMÁTICA LGBT E A DISCUSSÃO SOBRE O FILME “HOJE EU QUERO VOLTAR SOZINHO” NA CIDADE DE MOSSORÓ/RN

Palavra-chaves: CINEMA, ESTERIÓTIPOS, HETERONORMATIVIDADE Comunicação Oral (CO) Cinema, gênero e educação

Resumo

O desenvolvimento tecnológico trouxe diversos instrumentos ao cenário pedagógico dos indivíduos. Dentre estes, se encontra o mercado cinematográfico que, através de suas mídias, difunde ideias com velocidade e eficiência sem precedentes. Por estas características, e por se fazer presente em grande parte do nosso planeta, o cinema se torna um instrumento formador de opiniões. A problemática sobre este mecanismo se encontra na característica difusora de ideais que contribuem para a manutenção de (pre)conceitos que já deveriam ter sido superados ou para a criação de outros ainda não existentes. Estes ideais não são difundidos impositivamente, sendo “mera” reprodução reiterada de esteriótipos femininos/masculinos em filmes, por exemplo, sem uma demonstração de perspectivas diferentes, reafirma estigmas socias historicamente dominantes. Neste raciocínio, faz-se necessário inserir ideias que contemplem toda a sociedade nas manifestações artísticas, a exemplo do cinema; acontecendo a passos lentos com algumas obras cinematográficas cuja trama ocorre entre casais homoafetivos. Sob esta ótica social excludente e heteronormativa, percebemos recente relutância da franquia de cinema em Mossoró/RN, em exibir o filme nacional, “Hoje Eu Quero Voltar Sozinho”. A nota explicativa para tal (des)motivação elencava o fator de que o filme teria público “extremamente direcionado e selecionado”, o que, para a franquia, justificaria a não exibição. Poderia se inferir apenas um receio do cinema em não ter bom retorno financeiro com a obra, mas percebendo o teor do argumento, pressupor que um filme prestigiado internacionalmente não traria bom retorno, é contestável, restando a alternativa de que o problema seria o conteúdo; pondo em questão a ideia do cinema como fomentador de convenções sociais. Questão materializada na relação de passividade do sujeito frente à mídia, facilitando o convencimento das pessoas de algo através da demonstração artística de uma realidade fictícia na qual os valores presentes nesta se evidenciam fortemente no “final feliz” da trama.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.