Artigo Anais CONACIS

ANAIS de Evento

ISSN: 2358-0186

Visualizações: 216
PERFIL DA TUBERCULOSE EM CRIANÇAS DE UM MUNICÍPIO DO AGRESTE PARAIBANO

Palavra-chaves: TUBERCULOSE, CRIANÇA, EPIDEMIOLOGIA Tema Livre (TL) Saúde Pública Publicado em 09 de abril de 2014

Resumo

A tuberculose (TB) continua sendo um dos maiores problemas de saúde pública no mundo, principalmente nos países em desenvolvimento, devido às condições favoráveis para sua transmissão. Em 2010, foram registrados quase 9 milhões de casos novos. Estima-se que, um terço da população mundial está infectada com o agente patológico da TB (Mycobacterium tuberculosis), mas não chegam a desenvolver a doença porque além da infecção, outros fatores influenciam no adoecimento por TB. No início dos anos 2000, a incidência da doença no grupo de 0 a 14 anos era de aproximadamente um milhão de doentes, correspondendo a 10% do total dos casos no início da década. Neste sentido, o trabalho objetivou descrever o perfil epidemiológico dos casos de tuberculose em menores de quatorze anos, no município de Campina Grande – PB, no período de 2001 à 2013. Estudo descritivo e temporal, de abordagem quantitativa. O cenário de estudo foi o município de Campina Grande - PB. A população foi constituída dos casos de tuberculose em menores de 14 anos notificados no Sistema de Informação de Agravos e Notificação (SINAN) no período de 2001 à 2013. Utilizou-se o Excel 2010 para tabulação dos dados e construção das tabelas e gráficos. Os cálculos foram realizados através dos programas Tabnet e Tabwin do Ministério da Saúde (MS). A análise descritiva dos dados envolveu as seguintes variáveis: sexo, raça, forma da doença, tipo de entrada e situação de encerramento do tratamento. Após a análise conclui-se que o sexo feminino foi o mais acometido durante o período estudado, a raça mais acometida foi a parda, seguida da branca, a forma predominante foi a pulmonar, o tipo de entrada foram os casos novos e a situação de encerramento foi a cura, mostrando resultados abaixo das metas preconizadas pela pactuação do MS/OMS.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.