Artigo Anais ABRALIC Internacional

ANAIS de Evento

ISSN: 2317-157X

POR UMA REVISAO CONCEITUAL DO GÊNERO CRÔNICA: ENTRE A MONTANHA E O RÉS DO CHÃO

"2013-07-12 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 4451
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 254
    "inscrito_id" => 577
    "titulo" => "POR UMA REVISAO CONCEITUAL DO GÊNERO CRÔNICA: ENTRE A MONTANHA E O RÉS DO CHÃO"
    "resumo" => "Este trabalho é um desenvolvimento do Projeto Prociência UERJ/Faperj, dos trabalhos encaminhados junto ao GT História da Literatura e ao grupo Periódicos e Literatura, da Biblioteca Nacional. Pretendemos uma revisão historiográfica da rede conceitual que envolve a crônica no Brasil, a partir dos clichês de definição institucionalizados por parte da crítica (Cândido, 1992; Coutinho, 2003; Moisés,1967; Sá, 2002) e aceitos pela comunidade leitora como explicação do gênero em foco. Como intersecção dos discursos jornalístico e literário, o gênero crônica vem carregando para si, desde os periódicos do século XIX, os mitos dos seus constituintes (Medeiros, 2004). Modalizadas as diferenças em relação ao século seguinte, tais mitos - objetividade, verdade-da-informação (Mariani, 1998), no caso do gênero jornalístico, e subjetividade, polissemia, no caso do literário - associam-se a outros estigmas, tais como: hibridismo, efemeridade, coloquialidade, leveza, atributo ‘menor’, ‘talento do autor e ‘natureza’ do texto, um conjunto do que chamamos conceitos-fetiche (Eco, 1976; Gusmão, 2012). O grau de subjetividade dos mitos e estigmas circunscritos à crônica os torna ineficazes do ponto de vista epistemológico. Herdeiros de uma concepção essencialista de literatura – e consequentemente da crônica -, os críticos dessa vertente não conseguem lidar com a pluralidade de tecidos textuais sob o mesmo rótulo (Medeiros, 2004), na tessitura de enlaçamentos que os constituem. Sugerimos entender o funcionamento do gênero, portanto, dentro das suas condições de produção e compreender a provisoriedade das marcas, tendências e vozes, e a relação com outros discursos, vistos como constituintes (Maingueneau, 2006). Dizemos, ainda, que o impasse da definição do gênero insere-se num contexto mais amplo: aliado ao escasso manuseio de fontes primárias, lidamos com o difícil estabelecimento de conceitos precisos na contemporaneidade, em função da experiência da diversidade dos objetos, sujeitos e eventos, interpenetração de fronteiras, rapidez da informação, interdiscursividades. O obstáculo, entretanto, não inviabiliza a proposta aqui apresentada. A revisão conceitual do gênero hoje é bastante salutar na medida em que incide diretamente sobre a prática do pesquisador e do docente e implica em rever o modus operandi com que lidamos, na contemporaneidade, com o discurso cronístico."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_577_a560b35675f2037574509e74293ee0e8.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "MARIA CRISTINA CARDOSO RIBAS"
    "autor_nome_curto" => "MARIA CRISTINA RIBAS"
    "autor_email" => "maricrisribas@uol.com.br"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 4451
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 254
    "inscrito_id" => 577
    "titulo" => "POR UMA REVISAO CONCEITUAL DO GÊNERO CRÔNICA: ENTRE A MONTANHA E O RÉS DO CHÃO"
    "resumo" => "Este trabalho é um desenvolvimento do Projeto Prociência UERJ/Faperj, dos trabalhos encaminhados junto ao GT História da Literatura e ao grupo Periódicos e Literatura, da Biblioteca Nacional. Pretendemos uma revisão historiográfica da rede conceitual que envolve a crônica no Brasil, a partir dos clichês de definição institucionalizados por parte da crítica (Cândido, 1992; Coutinho, 2003; Moisés,1967; Sá, 2002) e aceitos pela comunidade leitora como explicação do gênero em foco. Como intersecção dos discursos jornalístico e literário, o gênero crônica vem carregando para si, desde os periódicos do século XIX, os mitos dos seus constituintes (Medeiros, 2004). Modalizadas as diferenças em relação ao século seguinte, tais mitos - objetividade, verdade-da-informação (Mariani, 1998), no caso do gênero jornalístico, e subjetividade, polissemia, no caso do literário - associam-se a outros estigmas, tais como: hibridismo, efemeridade, coloquialidade, leveza, atributo ‘menor’, ‘talento do autor e ‘natureza’ do texto, um conjunto do que chamamos conceitos-fetiche (Eco, 1976; Gusmão, 2012). O grau de subjetividade dos mitos e estigmas circunscritos à crônica os torna ineficazes do ponto de vista epistemológico. Herdeiros de uma concepção essencialista de literatura – e consequentemente da crônica -, os críticos dessa vertente não conseguem lidar com a pluralidade de tecidos textuais sob o mesmo rótulo (Medeiros, 2004), na tessitura de enlaçamentos que os constituem. Sugerimos entender o funcionamento do gênero, portanto, dentro das suas condições de produção e compreender a provisoriedade das marcas, tendências e vozes, e a relação com outros discursos, vistos como constituintes (Maingueneau, 2006). Dizemos, ainda, que o impasse da definição do gênero insere-se num contexto mais amplo: aliado ao escasso manuseio de fontes primárias, lidamos com o difícil estabelecimento de conceitos precisos na contemporaneidade, em função da experiência da diversidade dos objetos, sujeitos e eventos, interpenetração de fronteiras, rapidez da informação, interdiscursividades. O obstáculo, entretanto, não inviabiliza a proposta aqui apresentada. A revisão conceitual do gênero hoje é bastante salutar na medida em que incide diretamente sobre a prática do pesquisador e do docente e implica em rever o modus operandi com que lidamos, na contemporaneidade, com o discurso cronístico."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_577_a560b35675f2037574509e74293ee0e8.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "MARIA CRISTINA CARDOSO RIBAS"
    "autor_nome_curto" => "MARIA CRISTINA RIBAS"
    "autor_email" => "maricrisribas@uol.com.br"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 12 de julho de 2013

Resumo

Este trabalho é um desenvolvimento do Projeto Prociência UERJ/Faperj, dos trabalhos encaminhados junto ao GT História da Literatura e ao grupo Periódicos e Literatura, da Biblioteca Nacional. Pretendemos uma revisão historiográfica da rede conceitual que envolve a crônica no Brasil, a partir dos clichês de definição institucionalizados por parte da crítica (Cândido, 1992; Coutinho, 2003; Moisés,1967; Sá, 2002) e aceitos pela comunidade leitora como explicação do gênero em foco. Como intersecção dos discursos jornalístico e literário, o gênero crônica vem carregando para si, desde os periódicos do século XIX, os mitos dos seus constituintes (Medeiros, 2004). Modalizadas as diferenças em relação ao século seguinte, tais mitos - objetividade, verdade-da-informação (Mariani, 1998), no caso do gênero jornalístico, e subjetividade, polissemia, no caso do literário - associam-se a outros estigmas, tais como: hibridismo, efemeridade, coloquialidade, leveza, atributo ‘menor’, ‘talento do autor e ‘natureza’ do texto, um conjunto do que chamamos conceitos-fetiche (Eco, 1976; Gusmão, 2012). O grau de subjetividade dos mitos e estigmas circunscritos à crônica os torna ineficazes do ponto de vista epistemológico. Herdeiros de uma concepção essencialista de literatura – e consequentemente da crônica -, os críticos dessa vertente não conseguem lidar com a pluralidade de tecidos textuais sob o mesmo rótulo (Medeiros, 2004), na tessitura de enlaçamentos que os constituem. Sugerimos entender o funcionamento do gênero, portanto, dentro das suas condições de produção e compreender a provisoriedade das marcas, tendências e vozes, e a relação com outros discursos, vistos como constituintes (Maingueneau, 2006). Dizemos, ainda, que o impasse da definição do gênero insere-se num contexto mais amplo: aliado ao escasso manuseio de fontes primárias, lidamos com o difícil estabelecimento de conceitos precisos na contemporaneidade, em função da experiência da diversidade dos objetos, sujeitos e eventos, interpenetração de fronteiras, rapidez da informação, interdiscursividades. O obstáculo, entretanto, não inviabiliza a proposta aqui apresentada. A revisão conceitual do gênero hoje é bastante salutar na medida em que incide diretamente sobre a prática do pesquisador e do docente e implica em rever o modus operandi com que lidamos, na contemporaneidade, com o discurso cronístico.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.