Artigo Anais ABRALIC Internacional

ANAIS de Evento

ISSN: 2317-157X

PORTAS, JANELAS E MOLDURAS: TOPOFILIA, IDENTIDADE, GLOBALIZAÇÃO E OS ESTUDOS DE LITERATURA DE RORAIMA

"2013-07-12 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 4223
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 916
    "inscrito_id" => 1276
    "titulo" => "PORTAS, JANELAS E MOLDURAS: TOPOFILIA, IDENTIDADE, GLOBALIZAÇÃO E OS ESTUDOS DE LITERATURA DE RORAIMA"
    "resumo" => "Hoje, o uso do termo “regional” para designar a produção literária de determinados espaços geográficos pode parecer, para uns, um contrassenso; para outros, um ato de afirmação política. O fato é que ao abordar esse tema, deparamo-nos, a todo o momento, com a ideia de fronteiras: literatura/não-literatura, literatura nacional/estrangeira, boa/má literatura; literatura canônica/não canônica; literaturas centrais/periféricas; literatura regional/universal, entre outras. Trata-se de binômios que causam desconfortos e polêmicas e que representam, simbolicamente, limites tênues, quase sempre erigidos sobre pontos de vista distintos, que partem de referenciais diferentes e dão voz a variados juízos de valor, mas que, se não o pretendem, com frequência acabam por definir categorias que “confinam” os textos literários. Propomo-nos aqui a levantar algumas questões relacionadas à noção de “literatura regional” e seu lugar num mundo globalizado em que os Estudos Literários apontam, cada vez mais, para a discussão de questões de cultura e identidade. Partimos, a priori, dos pontos de vista de Afrânio Coutinhos, Ligia Chiappini, Yi-Fu Tuan e Stuart Hall para problematizar o lugar de tais reflexões frente aos processos de globalização, considerando que a literatura convencionalmente chamada de “regional” precisa ser abordada a partir de novos olhares que observem as singularidades “locais” presentes no texto, sem, contudo, tomar o texto como uma singularidade “local” por si só. É nesse ponto que encontramos a noção de “topofilia”, de Tuan, que surge como um caminho alternativo de acesso às especificidades dos textos “locais” a partir de argumentos que, ao invés de distanciá-los de tudo o que não seja eles mesmos, possibilita seu diálogo com textos de qualquer tempo, de qualquer parte do mundo, pois a topofolia está relacionada à percepção do lugar pelo(s) sujeito(s). Assim, é possível aproximar textos clássicos e contemporâneos, canônicos ou não, redimensionando o impacto daqueles binômios iniciais no estudo de textos literários."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_1276_ae2718af2cb1bcfaec89da09c947d0ed.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "CÁTIA MONTEIRO WANKLER"
    "autor_nome_curto" => "CÁTIA M. WANKLER"
    "autor_email" => "cwankler@uol.com.br"
    "autor_ies" => "PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL-PUCRS"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 4223
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 916
    "inscrito_id" => 1276
    "titulo" => "PORTAS, JANELAS E MOLDURAS: TOPOFILIA, IDENTIDADE, GLOBALIZAÇÃO E OS ESTUDOS DE LITERATURA DE RORAIMA"
    "resumo" => "Hoje, o uso do termo “regional” para designar a produção literária de determinados espaços geográficos pode parecer, para uns, um contrassenso; para outros, um ato de afirmação política. O fato é que ao abordar esse tema, deparamo-nos, a todo o momento, com a ideia de fronteiras: literatura/não-literatura, literatura nacional/estrangeira, boa/má literatura; literatura canônica/não canônica; literaturas centrais/periféricas; literatura regional/universal, entre outras. Trata-se de binômios que causam desconfortos e polêmicas e que representam, simbolicamente, limites tênues, quase sempre erigidos sobre pontos de vista distintos, que partem de referenciais diferentes e dão voz a variados juízos de valor, mas que, se não o pretendem, com frequência acabam por definir categorias que “confinam” os textos literários. Propomo-nos aqui a levantar algumas questões relacionadas à noção de “literatura regional” e seu lugar num mundo globalizado em que os Estudos Literários apontam, cada vez mais, para a discussão de questões de cultura e identidade. Partimos, a priori, dos pontos de vista de Afrânio Coutinhos, Ligia Chiappini, Yi-Fu Tuan e Stuart Hall para problematizar o lugar de tais reflexões frente aos processos de globalização, considerando que a literatura convencionalmente chamada de “regional” precisa ser abordada a partir de novos olhares que observem as singularidades “locais” presentes no texto, sem, contudo, tomar o texto como uma singularidade “local” por si só. É nesse ponto que encontramos a noção de “topofilia”, de Tuan, que surge como um caminho alternativo de acesso às especificidades dos textos “locais” a partir de argumentos que, ao invés de distanciá-los de tudo o que não seja eles mesmos, possibilita seu diálogo com textos de qualquer tempo, de qualquer parte do mundo, pois a topofolia está relacionada à percepção do lugar pelo(s) sujeito(s). Assim, é possível aproximar textos clássicos e contemporâneos, canônicos ou não, redimensionando o impacto daqueles binômios iniciais no estudo de textos literários."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_1276_ae2718af2cb1bcfaec89da09c947d0ed.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "CÁTIA MONTEIRO WANKLER"
    "autor_nome_curto" => "CÁTIA M. WANKLER"
    "autor_email" => "cwankler@uol.com.br"
    "autor_ies" => "PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL-PUCRS"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 12 de julho de 2013

Resumo

Hoje, o uso do termo “regional” para designar a produção literária de determinados espaços geográficos pode parecer, para uns, um contrassenso; para outros, um ato de afirmação política. O fato é que ao abordar esse tema, deparamo-nos, a todo o momento, com a ideia de fronteiras: literatura/não-literatura, literatura nacional/estrangeira, boa/má literatura; literatura canônica/não canônica; literaturas centrais/periféricas; literatura regional/universal, entre outras. Trata-se de binômios que causam desconfortos e polêmicas e que representam, simbolicamente, limites tênues, quase sempre erigidos sobre pontos de vista distintos, que partem de referenciais diferentes e dão voz a variados juízos de valor, mas que, se não o pretendem, com frequência acabam por definir categorias que “confinam” os textos literários. Propomo-nos aqui a levantar algumas questões relacionadas à noção de “literatura regional” e seu lugar num mundo globalizado em que os Estudos Literários apontam, cada vez mais, para a discussão de questões de cultura e identidade. Partimos, a priori, dos pontos de vista de Afrânio Coutinhos, Ligia Chiappini, Yi-Fu Tuan e Stuart Hall para problematizar o lugar de tais reflexões frente aos processos de globalização, considerando que a literatura convencionalmente chamada de “regional” precisa ser abordada a partir de novos olhares que observem as singularidades “locais” presentes no texto, sem, contudo, tomar o texto como uma singularidade “local” por si só. É nesse ponto que encontramos a noção de “topofilia”, de Tuan, que surge como um caminho alternativo de acesso às especificidades dos textos “locais” a partir de argumentos que, ao invés de distanciá-los de tudo o que não seja eles mesmos, possibilita seu diálogo com textos de qualquer tempo, de qualquer parte do mundo, pois a topofolia está relacionada à percepção do lugar pelo(s) sujeito(s). Assim, é possível aproximar textos clássicos e contemporâneos, canônicos ou não, redimensionando o impacto daqueles binômios iniciais no estudo de textos literários.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.