Artigo Anais ABRALIC Internacional

ANAIS de Evento

ISSN: 2317-157X

A ARCA DE ANTÔNIO, VINICIUS E NOÉ: UMA POSSÍVEL ABORDAGEM NA SALA DE AULA

Publicado em 12 de julho de 2013

Resumo

Os estudos voltados para uma abordagem comparativa buscam, entre outras coisas, levar a perceber as leituras intertextuais que possam estar presentes em dois ou mais textos, bem como a buscar semelhanças e diferenças existentes neles, à percepção do dialogismo presente entre ambos os textos, mesmo sendo produzidos em épocas diferentes ou, ainda, lugares distantes. O presente trabalho propõe uma leitura dos poemas A Arca de Noé, do cordelista Antônio Francisco e A Arca de Noé, de Vinicius de Moraes, através de uma abordagem comparativa. Investiga-se como os poetas abordam a narrativa bíblica da salvação de seres do grande Dilúvio, retomando-a em um contexto atual através da poesia. A abordagem escolhida ancora-se nos estudos comparados, uma vez que retoma o texto bíblico para cotejar o nível de invenção acionado pelo poeta. Além disso, faz parte do objetivo apontar uma possível abordagem metodológica para a sala de aula, do primeiro ano do ensino médio, tendo como pressupostos o trabalho intertextual e reflexivo existente nos textos literários já citados. Para tanto, o estudo fundamenta-se, principalmente, nas considerações de Márcia Abreu (2006), no que tange o desenvolvimento do folheto em território brasileiro e suas especificidades que o diferem do cordel português; Tânia Carvalhal (2004), no que aponta a linguagem poética como um possível meio de estudo intertextual e nos documentos parametrizadores do ensino médio – OCM e Referenciais Curriculares da Paraíba. Entre os resultados, podemos destacar a mudança de espaço entre as narrativas presentes no livro sagrado e nos poemas dos autores contemporâneos, o uso de uma linguagem que se aproxima da oralidade no poema do cordelista, bem como a função educativa, que difere do discurso moralizador da narrativa bíblica.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.