Artigo Anais IV CONEDU

ANAIS de Evento

ISSN: 2358-8829

Visualizações: 194
O USO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PELO PROFESSOR DE GEOGRAFIA NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE – PB

Palavra-chaves: GEOGRAFIA, PROINFO, TIC, FORMAÇÃO CONTINUADA Comunicação Oral (CO) GT 01 - Formação de Professores Publicado em 20 de dezembro de 2017

Resumo

Com a inclusão dos recursos tecnológicos no ambiente escolar, surgem novas possibilidades metodológicas de se conceber o processo de ensino-aprendizagem dos conteúdos educacionais. Assim sendo, é necessária uma formação continuada, direcionada para o uso das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) que não se esgote apenas em teorias, mas que transcenda os apontamentos contidos nos livros didáticos e estabeleça relações com o mundo vivido e percebido pelos sujeitos que estão manipulando estas ferramentas. Para sua materialização e estruturação, esta investigação teve como procedimentos metodológicos um levantamento bibliográfico, documental e histórico que abordasse de forma pontual a inserção das políticas públicas educacionais destinadas à implementação de recursos tecnológicos e, por conseguinte a inclusão digital nas escolas, juntamente com apontamentos sobre a importância da formação continuada para realização da prática docente do professor de Geografia do ensino médio. E por fim, mas não menos importantes, foram aplicados questionários e entrevistas a professores de Geografia que participaram da formação do ProInfo. Este estudo tem por objetivos: 1) analisar a inserção do Programa Nacional de Tecnologia Educacional (ProInfo) nas instituições públicas da educação básica; 2) tecer reflexões sobre as possibilidades metodológicas de utilização dos recursos tecnológicos pelos professores de Geografia do ensino médio da rede estadual de educação da cidade de Campina Grande – PB; 3) Avaliar a formação continuada ofertada pelo Núcleo de Tecnologia Educacional (NTE) e sua influência na prática docente do professor de Geografia desta cidade. Os cursos de licenciaturas, tidos como a formação inicial docente aborda de maneira superficial o uso dos recursos tecnológicos nos componentes curriculares direcionados para tal finalidade. Seja por uma formação bacharelesca do professor formador, pela carga horária do componente curricular (reduzida), pela falta de recursos tecnológicos nas Instituições de Ensino Superior ou pela impossibilidade de um acompanhamento efetivo nas atividades e ações propostas pelo professor formador para com seu discente. Para suprir esta lacuna na formação inicial dos profissionais da educação básica, nas instituições públicas de ensino superior, o governo federal, em parcerias com estados e municípios, implantou o Programa Nacional de Inclusão Digital. As inquietações que este estudo vem a promover versam sobre o que foi prescrito e o que está sendo realizado a partir da implantação deste programa no contexto da educação.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.