Artigo Anais IV SINALGE

ANAIS de Evento

ISSN: 2527-0028

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA A PARTIR DA NOÇÃO DE GÊNEROS E TIPOS TEXTUAIS: UM ENFOQUE SOBRE O DIÁRIO DE LEITURA

Palavra-chaves: GÊNEROS TEXTUAIS, SOCIOINTERACIONISMO, LEITURA E ESCRITA Comunicação Oral (CO) GT16-GÊNEROS DISCURSIVO E/OU TEXTUAL: ENSINO/APRENDIZAGEM
"2017-04-27 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 27602
    "edicao_id" => 57
    "trabalho_id" => 40
    "inscrito_id" => 186
    "titulo" => "PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA A PARTIR DA NOÇÃO DE GÊNEROS E TIPOS TEXTUAIS: UM ENFOQUE SOBRE O DIÁRIO DE LEITURA"
    "resumo" => "Conforme a finalidade do interlocutor, o texto pode se apresentar materializado em formas e modelos variados. Essa distinção se deve aos variados propósitos comunicativos, o que caracteriza a natureza dos gêneros textuais. Surgida primeiramente no domínio da literatura, a classificação dos gêneros textuais segue a orientação teórica bakhtiniana dos gêneros do discurso. Segundo ele, a língua se manifesta a partir de enunciados (orais e escritos) e se apresenta em distintos modelos de atividade comunicativa. Outrossim, os inúmeros gêneros textuais existentes também corroboram para a percepção de que eles são tipologicamente heterogêneos. Numa perspectiva sociointeracionista, a inserção do estudo, análise e produção de gêneros textuais na escola é uma tarefa significativa e positivamente enriquecedora de múltiplas aprendizagens. Para Schneuwly e Dolz (1994), na escola, lugar privilegiado e autêntico de comunicação, os gêneros são resultado de como funciona a comunicação escolar, segundo as suas especificidades linguísticas e discursivas. Neste sentido, este texto objetiva mostrar a importância da perspectiva sociointeracionista da linguagem e as noções de gênero e tipo textual – próprios dos estudos da linguística textual – para o desenvolvimento de práticas de leitura e escrita no ambiente escolar. Para isso, busca-se fazer uma releitura dos autores que tratam das concepções de gênero e tipologia textual, buscando compreender de que forma esse conhecimento pode permitir práticas escolares que contribuam para as aprendizagens e se aproximem das situações reais de comunicação. Visando contemplar essa perspectiva, propomos ainda algumas sugestões metodológicas a partir do gênero Diário de leitura. Nesse estudo, entre as principais contribuições, destacam-se Bakhtin (1997), Marcuschi (2008 e 2010) Schneuwly e Dolz, (1999), Bronckcart (1984), Koch (2015) e Vygostsky (1998a, 1998b)."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "GT16-GÊNEROS DISCURSIVO E/OU TEXTUAL: ENSINO/APRENDIZAGEM"
    "palavra_chave" => "GÊNEROS TEXTUAIS, SOCIOINTERACIONISMO, LEITURA E ESCRITA"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV066_MD1_SA16_ID186_09022017100138.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:13"
    "updated_at" => "2020-06-10 12:56:12"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "GEAM KARLO GOMES"
    "autor_nome_curto" => "GEAM KARLO"
    "autor_email" => "geamgomes@gmail.com"
    "autor_ies" => "UEPB"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-iv-sinalge"
    "edicao_nome" => "Anais IV SINALGE"
    "edicao_evento" => "IV Simpósio Nacional de Linguagens e Gêneros Textuais"
    "edicao_ano" => 2017
    "edicao_pasta" => "anais/sinalge/2017"
    "edicao_logo" => "5e4d8586dda3e_19022020155918.png"
    "edicao_capa" => "5f1880a141ece_22072020150833.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2017-04-27 00:00:00"
    "publicacao_id" => 35
    "publicacao_nome" => "Anais SINALGE"
    "publicacao_codigo" => "2527-0028"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 27602
    "edicao_id" => 57
    "trabalho_id" => 40
    "inscrito_id" => 186
    "titulo" => "PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA A PARTIR DA NOÇÃO DE GÊNEROS E TIPOS TEXTUAIS: UM ENFOQUE SOBRE O DIÁRIO DE LEITURA"
    "resumo" => "Conforme a finalidade do interlocutor, o texto pode se apresentar materializado em formas e modelos variados. Essa distinção se deve aos variados propósitos comunicativos, o que caracteriza a natureza dos gêneros textuais. Surgida primeiramente no domínio da literatura, a classificação dos gêneros textuais segue a orientação teórica bakhtiniana dos gêneros do discurso. Segundo ele, a língua se manifesta a partir de enunciados (orais e escritos) e se apresenta em distintos modelos de atividade comunicativa. Outrossim, os inúmeros gêneros textuais existentes também corroboram para a percepção de que eles são tipologicamente heterogêneos. Numa perspectiva sociointeracionista, a inserção do estudo, análise e produção de gêneros textuais na escola é uma tarefa significativa e positivamente enriquecedora de múltiplas aprendizagens. Para Schneuwly e Dolz (1994), na escola, lugar privilegiado e autêntico de comunicação, os gêneros são resultado de como funciona a comunicação escolar, segundo as suas especificidades linguísticas e discursivas. Neste sentido, este texto objetiva mostrar a importância da perspectiva sociointeracionista da linguagem e as noções de gênero e tipo textual – próprios dos estudos da linguística textual – para o desenvolvimento de práticas de leitura e escrita no ambiente escolar. Para isso, busca-se fazer uma releitura dos autores que tratam das concepções de gênero e tipologia textual, buscando compreender de que forma esse conhecimento pode permitir práticas escolares que contribuam para as aprendizagens e se aproximem das situações reais de comunicação. Visando contemplar essa perspectiva, propomos ainda algumas sugestões metodológicas a partir do gênero Diário de leitura. Nesse estudo, entre as principais contribuições, destacam-se Bakhtin (1997), Marcuschi (2008 e 2010) Schneuwly e Dolz, (1999), Bronckcart (1984), Koch (2015) e Vygostsky (1998a, 1998b)."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "GT16-GÊNEROS DISCURSIVO E/OU TEXTUAL: ENSINO/APRENDIZAGEM"
    "palavra_chave" => "GÊNEROS TEXTUAIS, SOCIOINTERACIONISMO, LEITURA E ESCRITA"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV066_MD1_SA16_ID186_09022017100138.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:13"
    "updated_at" => "2020-06-10 12:56:12"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "GEAM KARLO GOMES"
    "autor_nome_curto" => "GEAM KARLO"
    "autor_email" => "geamgomes@gmail.com"
    "autor_ies" => "UEPB"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-iv-sinalge"
    "edicao_nome" => "Anais IV SINALGE"
    "edicao_evento" => "IV Simpósio Nacional de Linguagens e Gêneros Textuais"
    "edicao_ano" => 2017
    "edicao_pasta" => "anais/sinalge/2017"
    "edicao_logo" => "5e4d8586dda3e_19022020155918.png"
    "edicao_capa" => "5f1880a141ece_22072020150833.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2017-04-27 00:00:00"
    "publicacao_id" => 35
    "publicacao_nome" => "Anais SINALGE"
    "publicacao_codigo" => "2527-0028"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 27 de abril de 2017

Resumo

Conforme a finalidade do interlocutor, o texto pode se apresentar materializado em formas e modelos variados. Essa distinção se deve aos variados propósitos comunicativos, o que caracteriza a natureza dos gêneros textuais. Surgida primeiramente no domínio da literatura, a classificação dos gêneros textuais segue a orientação teórica bakhtiniana dos gêneros do discurso. Segundo ele, a língua se manifesta a partir de enunciados (orais e escritos) e se apresenta em distintos modelos de atividade comunicativa. Outrossim, os inúmeros gêneros textuais existentes também corroboram para a percepção de que eles são tipologicamente heterogêneos. Numa perspectiva sociointeracionista, a inserção do estudo, análise e produção de gêneros textuais na escola é uma tarefa significativa e positivamente enriquecedora de múltiplas aprendizagens. Para Schneuwly e Dolz (1994), na escola, lugar privilegiado e autêntico de comunicação, os gêneros são resultado de como funciona a comunicação escolar, segundo as suas especificidades linguísticas e discursivas. Neste sentido, este texto objetiva mostrar a importância da perspectiva sociointeracionista da linguagem e as noções de gênero e tipo textual – próprios dos estudos da linguística textual – para o desenvolvimento de práticas de leitura e escrita no ambiente escolar. Para isso, busca-se fazer uma releitura dos autores que tratam das concepções de gênero e tipologia textual, buscando compreender de que forma esse conhecimento pode permitir práticas escolares que contribuam para as aprendizagens e se aproximem das situações reais de comunicação. Visando contemplar essa perspectiva, propomos ainda algumas sugestões metodológicas a partir do gênero Diário de leitura. Nesse estudo, entre as principais contribuições, destacam-se Bakhtin (1997), Marcuschi (2008 e 2010) Schneuwly e Dolz, (1999), Bronckcart (1984), Koch (2015) e Vygostsky (1998a, 1998b).

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.