Artigo Anais VIII FIPED

ANAIS de Evento

ISSN: 2316-1086

A LUDOTERAPIA COMO ESTRATÉGIA DE HUMANIZAÇÃO NO CUIDADO DE CRIANÇAS HOSPITALIZADAS: RELATO DE EXPERIÊNCIA

Palavra-chaves: EDUCAÇÃO EM SAÚDE, LUDOTERAPIA, HUMANIZAÇAÕ Comunicação Oral (CO) GT 46 – LUDICIDADE, CORPOREIDADE E EDUCAÇÃO
"2016-11-09 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 24922
    "edicao_id" => 52
    "trabalho_id" => 972
    "inscrito_id" => 4419
    "titulo" => "A LUDOTERAPIA COMO ESTRATÉGIA DE HUMANIZAÇÃO NO CUIDADO DE CRIANÇAS HOSPITALIZADAS: RELATO DE EXPERIÊNCIA"
    "resumo" => "A brincadeira está significativamente ligada à criança. O brincar permite à criança viajar no mundo da imaginação, da espontaneidade, do prazer, o que permite a recreação, estimulação e socialização no ambiente onde está inserida. Com a criança hospitalizada o ato de brincar pode contribuir para a promoção e recuperação da saúde, pois brincando e com interações lúdicas pode-se facilitar a compreensão das crianças sobre que está acontecendo com ela. O convívio hospitalar é visto pela criança como uma experiência desagradável, acompanhada de medo, ansiedade, dor, além de sensações de abandono e culpa. Com o intuito de tornar a hospitalização mais digna e considerando a criança hospitalizada na sua totalidade, os discentes inseridos no projeto de extensão Enfermeiros do Riso, desde 2007, têm promovido atividades lúdicas e educativas, contribuindo com a formação de novas atitudes sociais, respeito mútuo, cooperação, relação social e interação, das crianças hospitalizadas. Diante do exposto, objetivou-se descrever como as brincadeiras e a ludoterapia podem ajudar no processo de aprendizagem das crianças e proporcionar humanização no ambiente hospitalar. Estudo descritivo, tipo relato de experiência, contemplando as atividades desenvolvidas pelos extensionistas, no Hospital Municipal Infantil de Imperatriz-MA, durante o período de 2014 a junho de 2016, dentre elas crianças, acompanhantes e profissionais da instituição, que de alguma forma participaram das atividades de educação em saúde desenvolvidas pelos discentes. Os ambientes férteis para a aprendizagem e o desenvolvimento da criança devem ser preparados intencionalmente, voltados para socialização e aprendizado. A educação em saúde é um recurso por meio do qual o conhecimento atinge a vida e o cotidiano das pessoas favorecendo a compreensão de questões relacionadas à saúde, doença e prevenção. Desta forma, a educação em saúde favorece a aquisição de conhecimentos que colaboram com o bem estar físico, social e ambiental dos cidadãos. Entre 2014 e junho de 2016 foram abordadas 1.877 pessoas entre crianças, acompanhantes e profissionais da instituição, que de alguma forma participaram de ações desenvolvidas pelos discentes que fazem parte do projeto de extensão Enfermeiros do riso. A ludoterapia foi um recurso usado para fazer orientações sobre higienização corporal, oral e das mãos, cuidados com a ferida operatória, alimentação saudável, abordagem da pedagogia hospitalar, pintura facial e contagem de estorinhas, abordagem religiosa. As técnicas usadas pelos discentes abrangeram contar histórias, leitura em voz alta, teatro, filmes infantis, os quais tinham a perspectiva terapêutica na intenção de sobrepor momentos de angústia, ansiedade, medo, adaptação e solidão, reduzindo seus níveis de estresse, contribuindo com a autoestima dessas crianças e acompanhantes.  Observou-se que o uso da ludoterapia para fazer atividades educativas ajudou a criança a entender a importância dos procedimentos médicos realizados com elas, possibilitando uma melhor interação com a equipe de enfermagem. Concluiu-se assim, que a brincadeira, de fato, ameniza os traumas da internação, portanto, não deve ser considerada como uma atividade de tempo livre, mas sim como parte do tratamento, otimizando a intervenção e diminuindo o tempo de internação."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "GT 46 – LUDICIDADE, CORPOREIDADE E EDUCAÇÃO"
    "palavra_chave" => "EDUCAÇÃO EM SAÚDE, LUDOTERAPIA, HUMANIZAÇAÕ"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV057_MD1_SA46_ID4419_30092016024145.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:11"
    "updated_at" => "2020-06-10 12:47:18"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "ELISÂNGELA  VIANA BRITO"
    "autor_nome_curto" => "ELISÂNGELA "
    "autor_email" => "LISAUFMA@HOTMAIL.COM"
    "autor_ies" => "UFMA"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-viii-fiped"
    "edicao_nome" => "Anais VIII FIPED"
    "edicao_evento" => "VIII Fórum Internacional de Pedagogia"
    "edicao_ano" => 2016
    "edicao_pasta" => "anais/fiped/2016"
    "edicao_logo" => "5e488d75d4c39_15022020213149.png"
    "edicao_capa" => "5f186e058f295_22072020134909.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2016-11-09 00:00:00"
    "publicacao_id" => 1
    "publicacao_nome" => "Revista FIPED"
    "publicacao_codigo" => "2316-1086"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 24922
    "edicao_id" => 52
    "trabalho_id" => 972
    "inscrito_id" => 4419
    "titulo" => "A LUDOTERAPIA COMO ESTRATÉGIA DE HUMANIZAÇÃO NO CUIDADO DE CRIANÇAS HOSPITALIZADAS: RELATO DE EXPERIÊNCIA"
    "resumo" => "A brincadeira está significativamente ligada à criança. O brincar permite à criança viajar no mundo da imaginação, da espontaneidade, do prazer, o que permite a recreação, estimulação e socialização no ambiente onde está inserida. Com a criança hospitalizada o ato de brincar pode contribuir para a promoção e recuperação da saúde, pois brincando e com interações lúdicas pode-se facilitar a compreensão das crianças sobre que está acontecendo com ela. O convívio hospitalar é visto pela criança como uma experiência desagradável, acompanhada de medo, ansiedade, dor, além de sensações de abandono e culpa. Com o intuito de tornar a hospitalização mais digna e considerando a criança hospitalizada na sua totalidade, os discentes inseridos no projeto de extensão Enfermeiros do Riso, desde 2007, têm promovido atividades lúdicas e educativas, contribuindo com a formação de novas atitudes sociais, respeito mútuo, cooperação, relação social e interação, das crianças hospitalizadas. Diante do exposto, objetivou-se descrever como as brincadeiras e a ludoterapia podem ajudar no processo de aprendizagem das crianças e proporcionar humanização no ambiente hospitalar. Estudo descritivo, tipo relato de experiência, contemplando as atividades desenvolvidas pelos extensionistas, no Hospital Municipal Infantil de Imperatriz-MA, durante o período de 2014 a junho de 2016, dentre elas crianças, acompanhantes e profissionais da instituição, que de alguma forma participaram das atividades de educação em saúde desenvolvidas pelos discentes. Os ambientes férteis para a aprendizagem e o desenvolvimento da criança devem ser preparados intencionalmente, voltados para socialização e aprendizado. A educação em saúde é um recurso por meio do qual o conhecimento atinge a vida e o cotidiano das pessoas favorecendo a compreensão de questões relacionadas à saúde, doença e prevenção. Desta forma, a educação em saúde favorece a aquisição de conhecimentos que colaboram com o bem estar físico, social e ambiental dos cidadãos. Entre 2014 e junho de 2016 foram abordadas 1.877 pessoas entre crianças, acompanhantes e profissionais da instituição, que de alguma forma participaram de ações desenvolvidas pelos discentes que fazem parte do projeto de extensão Enfermeiros do riso. A ludoterapia foi um recurso usado para fazer orientações sobre higienização corporal, oral e das mãos, cuidados com a ferida operatória, alimentação saudável, abordagem da pedagogia hospitalar, pintura facial e contagem de estorinhas, abordagem religiosa. As técnicas usadas pelos discentes abrangeram contar histórias, leitura em voz alta, teatro, filmes infantis, os quais tinham a perspectiva terapêutica na intenção de sobrepor momentos de angústia, ansiedade, medo, adaptação e solidão, reduzindo seus níveis de estresse, contribuindo com a autoestima dessas crianças e acompanhantes.  Observou-se que o uso da ludoterapia para fazer atividades educativas ajudou a criança a entender a importância dos procedimentos médicos realizados com elas, possibilitando uma melhor interação com a equipe de enfermagem. Concluiu-se assim, que a brincadeira, de fato, ameniza os traumas da internação, portanto, não deve ser considerada como uma atividade de tempo livre, mas sim como parte do tratamento, otimizando a intervenção e diminuindo o tempo de internação."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "GT 46 – LUDICIDADE, CORPOREIDADE E EDUCAÇÃO"
    "palavra_chave" => "EDUCAÇÃO EM SAÚDE, LUDOTERAPIA, HUMANIZAÇAÕ"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV057_MD1_SA46_ID4419_30092016024145.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:11"
    "updated_at" => "2020-06-10 12:47:18"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "ELISÂNGELA  VIANA BRITO"
    "autor_nome_curto" => "ELISÂNGELA "
    "autor_email" => "LISAUFMA@HOTMAIL.COM"
    "autor_ies" => "UFMA"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-viii-fiped"
    "edicao_nome" => "Anais VIII FIPED"
    "edicao_evento" => "VIII Fórum Internacional de Pedagogia"
    "edicao_ano" => 2016
    "edicao_pasta" => "anais/fiped/2016"
    "edicao_logo" => "5e488d75d4c39_15022020213149.png"
    "edicao_capa" => "5f186e058f295_22072020134909.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2016-11-09 00:00:00"
    "publicacao_id" => 1
    "publicacao_nome" => "Revista FIPED"
    "publicacao_codigo" => "2316-1086"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 09 de novembro de 2016

Resumo

A brincadeira está significativamente ligada à criança. O brincar permite à criança viajar no mundo da imaginação, da espontaneidade, do prazer, o que permite a recreação, estimulação e socialização no ambiente onde está inserida. Com a criança hospitalizada o ato de brincar pode contribuir para a promoção e recuperação da saúde, pois brincando e com interações lúdicas pode-se facilitar a compreensão das crianças sobre que está acontecendo com ela. O convívio hospitalar é visto pela criança como uma experiência desagradável, acompanhada de medo, ansiedade, dor, além de sensações de abandono e culpa. Com o intuito de tornar a hospitalização mais digna e considerando a criança hospitalizada na sua totalidade, os discentes inseridos no projeto de extensão Enfermeiros do Riso, desde 2007, têm promovido atividades lúdicas e educativas, contribuindo com a formação de novas atitudes sociais, respeito mútuo, cooperação, relação social e interação, das crianças hospitalizadas. Diante do exposto, objetivou-se descrever como as brincadeiras e a ludoterapia podem ajudar no processo de aprendizagem das crianças e proporcionar humanização no ambiente hospitalar. Estudo descritivo, tipo relato de experiência, contemplando as atividades desenvolvidas pelos extensionistas, no Hospital Municipal Infantil de Imperatriz-MA, durante o período de 2014 a junho de 2016, dentre elas crianças, acompanhantes e profissionais da instituição, que de alguma forma participaram das atividades de educação em saúde desenvolvidas pelos discentes. Os ambientes férteis para a aprendizagem e o desenvolvimento da criança devem ser preparados intencionalmente, voltados para socialização e aprendizado. A educação em saúde é um recurso por meio do qual o conhecimento atinge a vida e o cotidiano das pessoas favorecendo a compreensão de questões relacionadas à saúde, doença e prevenção. Desta forma, a educação em saúde favorece a aquisição de conhecimentos que colaboram com o bem estar físico, social e ambiental dos cidadãos. Entre 2014 e junho de 2016 foram abordadas 1.877 pessoas entre crianças, acompanhantes e profissionais da instituição, que de alguma forma participaram de ações desenvolvidas pelos discentes que fazem parte do projeto de extensão Enfermeiros do riso. A ludoterapia foi um recurso usado para fazer orientações sobre higienização corporal, oral e das mãos, cuidados com a ferida operatória, alimentação saudável, abordagem da pedagogia hospitalar, pintura facial e contagem de estorinhas, abordagem religiosa. As técnicas usadas pelos discentes abrangeram contar histórias, leitura em voz alta, teatro, filmes infantis, os quais tinham a perspectiva terapêutica na intenção de sobrepor momentos de angústia, ansiedade, medo, adaptação e solidão, reduzindo seus níveis de estresse, contribuindo com a autoestima dessas crianças e acompanhantes. Observou-se que o uso da ludoterapia para fazer atividades educativas ajudou a criança a entender a importância dos procedimentos médicos realizados com elas, possibilitando uma melhor interação com a equipe de enfermagem. Concluiu-se assim, que a brincadeira, de fato, ameniza os traumas da internação, portanto, não deve ser considerada como uma atividade de tempo livre, mas sim como parte do tratamento, otimizando a intervenção e diminuindo o tempo de internação.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.