Artigo Anais IV ENID / UEPB

ANAIS de Evento

ISSN: 2318-7379

Visualizações: 384
CORDEL COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO PARA EDUCAÇÃO

Palavra-chaves: PALAVRA-CHAVE: EDUCAÇÃO INCLUSIVA, DIVERSIDADE, CORD, PALAVRA-CHAVE: EDUCAÇÃO INCLUSIVA, DIVERSIDADE, CORD, PALAVRA-CHAVE: EDUCAÇÃO INCLUSIVA, DIVERSIDADE, CORD Comunicação Oral (CO) O exercício da Pedagogia: possibilidades participativas na Educação Básica Publicado em 22 de novembro de 2014

Resumo

EIXO TEMÁTICO DO EVENTO: GT11– O exercício da Pedagogia: possibilidades participativas na Educação Básica.RESUMO: Os problemas vividos pela população, em sua diversidade cultural, estão longe de um consenso pacífico. Nesse sentido, o conceito de ‘interculturalidade’ se adapta, de modo coerente, às novas propostas de educação inclusiva na pós-modernidade. Esse conceito que se coaduna com as perspectivas contemporâneas desenvolvidas por culturalistas, filósofos, sociólogos, antropólogos, etnólogos, pensadores da cultura, de um modo geral. Aqui, percebemos a importância da educação inclusiva Entendemos que o corpo discente da escola Gerivaldo Luna de Oliveira, no bairro Continental, em Campina Grande, na Paraíba (Alunado, em quase sua totalidade, composto por crianças carentes, do ponto de vista socioeconômico) poderia ser contemplado por essa noção, tão premente. Assim sendo, utilizou-se como instrumento transversal e paradidático, em sala de aula, o folheto de cordel nordestino. O cordel traz, em seu corpo, uma riqueza inesgotável em relação aos modos e fazeres do homem simples, tudo com o suporte da aprovação dos leitores-receptores. Além de ‘descrever’ realidades, o cordel induz a práticas cotidianas. Vários folhetos abordam a temática do meio ambiente, descrevendo e incentivando ações construtivas e conscientes no uso e na vivência na natureza.Portanto, ao mesmo tempo, em que o corpo discente conhecia a poesia dos folhetos de cordel, recebia informações de como ‘agir’ com inteligência sobre o meio ambiente. Conciliar o prazer da leitura com o ensino prático, para a equipe de pesquisadores, consistiu em um desafio prazeroso, haja vista, a aceitação do cordel junto aos alunos. Atitudes ecologicamente corretas, como, por exemplo, aguar uma planta no quintal de casa, não prender ou matar passarinhos e cuidar de seu animal de estimação foram atitudes citadas e incentivadas entre os alunos. E a Literatura de Cordel é riquíssima ao versificar essas temáticas. Como diz a sabedoria popular: “é de pequenino que se torce o pepino”. As crianças da escola começaram a se interessar mais pelo tema meio ambiente, ao serem estimuladas pela beleza nos verso dos cordéis.Palavra-chave: Educação inclusiva,Diversidade,cordel.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.