Artigo Anais IV ENID / UEPB

ANAIS de Evento

ISSN: 2318-7379

Visualizações: 267
O PATRIMÔNIO CULTURAL/IMATERIAL DE UMA ESCOLA MUNICIPAL EM FORTALEZA/CE – UMA ANÁLISE SOB A PERSPECTIVA DE FORMAÇÃO E APRENDIZAGEM DOS ALUNOS

Palavra-chaves: PATRIMÔNIO CULTURAL, ESCOLA, APRENDIZAGEM Comunicação Oral (CO) O exercício da Pedagogia: possibilidades participativas na Educação Básica Publicado em 22 de novembro de 2014

Resumo

O presente trabalho, elaborado e vivenciado no Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID) da Universidade Estadual do Ceará (UECE), trata de um aprofundamento teórico acerca do Patrimônio Cultural/Imaterial de uma escola de educação infantil e ensino fundamental da rede pública da cidade de Fortaleza-Ce, que teve como principal objetivo analisar de que forma tal aspecto pode influenciar na formação e aprendizagem dos alunos, direta ou indiretamente. Sob os olhares de Lopes (1981), Saviani (1991), dentre outros autores que norteiam as análises as quais nos propomos neste trabalho, esclarecemos que a relevância deste aprofundamento se justifica a partir da necessidade de um olhar diagnóstico sobre a escola em questão, uma vez que a dimensão patrimonial citada pode ser de fundamental importância para a efetivação de uma escola que tem como responsabilidade o ensino público, laico, gratuito e universal. Para realizar o diagnóstico em pauta, desenvolvemos um estudo de cunho qualitativo e um trabalho de campo com duração de um mês. Participaram como sujeitos dessa investigação uma diretora e dois professores, do quarto e do segundo ano do ensino fundamental. Para a coleta de dados, aplicamos um questionário com perguntas dirigidas aos sujeitos da pesquisa, dados estes registrados através de gravação de voz. Em nossas observações, identificamos os seguintes aspectos inerentes à dimensão investigada: primeiro, signos religiosos representados pela imagem de uma santa católica e pela oração Pai Nosso realizada por alunos e professores antes da aula, os quais consideramos um retrocesso ao período em que a educação era o principal instrumento de difusão dos preceitos católicos em um sentido civilizatório. Segundo, a comemoração de datas comemorativas. O que observamos acerca desse aspecto é que, na maioria das vezes, tais atividades acabam tomando grande parte do período letivo, deixando de lado a transmissão do conhecimento científico sistematizado, que deveria ser o papel fundamental e nuclear da escola. Terceiro, a utilização do espaço escolar para aulas de capoeira destinadas não somente aos alunos, mas também à comunidade, que compreendemos como aspecto muito positivo, pois proporciona a interdisciplinaridade e a valorização de uma preciosa dimensão cultural. Diante do observado, acreditamos que o compromisso de efetivação de um espaço escolar laico, gratuito e universal esteja estreitamente relacionado às problemáticas relatadas neste trabalho, pois são aspectos que interferem nas relações estabelecidas entre professores, gestores e alunos, uma vez que a escola continua sendo o local onde estes se inserem nos processos de inclusão ou exclusão, sejam eles de que caráter for. Nesse contexto, acreditamos ser de vital importância esclarecer que os anseios retratados no decorrer desta análise nos levam a preocupações que estão muito além dos muros da escola, estendendo-se a vários outros âmbitos da sociedade, evidenciando, portanto, a necessidade de repensar estes processos, não apenas no que se refere à escola visitada, mas principalmente em todas as dimensões da educação pública.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.