Artigo Anais I CONEDU

ANAIS de Evento

ISSN: 2358-8829

Visualizações: 185
PEDAGOGIA DE PAULO FREIRE: CONCEPÇÕES DE LICENCIANDOS E EXPERIÊNCIAS ESCOLARES

Palavra-chaves: METODOLOGIA FREIREANA, LICENCIANDOS, EXPERIêNCIAS ESCOLARES Comunicação Oral (CO) FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO

Resumo

A conversão da consciência ingênua para a consciência crítica é uma das coisas imprescindíveis para exercer a docência, segundas as convicções freireanas. Assim, os licenciandos necessitam ter comprometimento, criticidade, consciência do inacabamento do ser e querer intervir na realidade. Este trabalho de pesquisa busca refletir sobre o processo de formação de licenciandos, do qual levanta-se o subsequente questionamento: que compreensões têm os licenciandos da Universidade Estadual da Paraíba - UEPB sobre as contribuições das ideias freireanas para a prática pedagógica? Sendo assim, objetiva-se apresentar e analisar algumas concepções de graduandos de diversas áreas dos cursos de licenciatura da UEPB sobre as ideias de Paulo Freire, assim como discutir problemas da educação que permeiam as experiências escolares destes discentes. Para realização da pesquisa foram aplicados questionários semiestruturados com 30 alunos com o propósito de avaliar a concepção dos mesmos acerca das ideias pedagógicas de Paulo Freire. O público alvo deste estudo são alunos graduandos dos cursos de licenciatura (3º a 9º semestre) da UEPB/Campus I, no município de Campina Grande/PB. Os dados obtidos foram tabulados no programa EXCEL 2010, contido no pacote da Microsoft Office. Além disso, pesquisa bibliográfica fundamentada nos seguintes teóricos: Freire (1996; 2005); Gadotti (2007); Scocuglia (1999); Nóvoa (1995); Gonçalves e Marques (2006). Quanto ao conhecimento da pedagogia freireana, 92% dos entrevistados responderam que conhecem a mesma e 8% que não tem conhecimento desta. Para a classificação das ideias de Freire em categorias propostas e justificativas expostas, 40% classificaram como ótima, sendo justificado por ser eficaz para combater o paradigma da educação tradicionalista. Entre os entrevistados, 24% apontaram como regular; 20% como boa; 12% como pouco eficaz e 4% não responderam, sendo as escolhas para o baixo êxito justificadas pelo fato da falta de aplicabilidade, ou seja, a distância entre a teoria e a prática. Os entrevistados foram questionados também sobre as dificuldades enfrentadas no processo de aprendizagem, em caso afirmativo, deveriam mencionar quais. Assim, 52% relataram não ter apresentado dificuldades no processo de aquisição do conhecimento. Os 48% restantes enfatizaram deficiências em relacionar teoria e prática; problemas em decorar; escrever, ler, compreender textos subjetivos; dificuldades nas ciências exatas; falta de qualificação e experiência dos professores; falta de empenho próprio; dificuldade em falar em público, entre outras. Portanto, percebe-se que o ensino tradicional ainda prevalece na prática educativa dos docentes, justificanda pelas deficiências em sua formação inicial e pelas estruturas do próprio sistema de ensino. Embora venha se destacando uma nova dimensão de ensino, esta proposta ainda se mostra como um desafio.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.